enfsac1m2-02

enfsac1m2-02

(Parte 5 de 6)

Atividade 6 Resposta: B Comentário: A história registra ser o Código de Nuremberg, datado de 1947, o documento mais importante acerca dos abusos cometidos em campos de concentração nazistas.

Atividade 7 Resposta: A Comentário: O processo de redemocratização do país impulsionou o debate na área da saúde e propiciou, durante toda a década de 1980, a ocorrência de inúmeros eventos e iniciativas que favoreceram a expansão da bioética.

Atividade 8 Resposta: A Comentário: O processo de humanização constitui a essência da bioética e, em conseqüência, envolve a bioética no cuidado de enfermagem.

Atividade 1 Resposta: B Comentário: O estudo do paradigma principialista, além de constituir uma “novidade” na discussão acerca da ética/bioética, torna-se mais agradável e menos proibitivo em relação à linguagem dos códigos; portanto, mais leve e mais aceitável.

Atividade 13 Resposta: C Comentário: Como o propósito da bioética é trabalhar em função da preservação da vida, sua preocupação abrange situações emergentes e persistentes.

ABBAGNANO, Niccola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1962.

BARCHIFONTAINE, Christian de Paul. Bioética e início da vida: alguns desafios. São Paulo: Idéias e Letras/ Centro Universitário São Camilo, 2004.

BERLINGER, Giovanne. Bioética do cotidiano. Brasília: Universidade de Brasília, 2004. BERLINGER, Giovanne. Ética da saúde. São Paulo: Hucitec, 1996. BOFF, Leonardo. A voz do arco-íris. Brasília, DF: Letraviva, 2000. BOFF, Leonardo. Ética e moral: a busca dos fundamentos. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

BRASIL. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.358/92. Dispõe sobre as normas éticas para a utilização das técnicas das técnicas de reprodução assistida (RA). Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 19 nov. 1992. Seção 1, p. 160-53.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF : Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Justiça. Lei n. 8.078, de 1 de setembro de 1990. Código de Direitos do Consumidor. Disponível em: <http://legislacao.planalto.gov.br>. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Justiça. Lei n. 10.741, de 01 de outubro de 2003. Estatuto do Idoso. Disponível em: <http://legislacao.planalto.gov.br>. Acesso em: 25 jul. 2006.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Lei n. 8.974, de 05 de janeiro de 1995. Normas para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meio ambiente de organismos geneticamente modificados. Disponível em: <http://legislacao.planalto.gov.br>. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica de Saúde. Disponível em: <http://legislacao.planalto.gov.br>. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 196, de 1996. Diretrizes e Normas Regulamentares de Pesquisas em Seres Humanos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 303, de 2000. Norma Complementar para a Área de Reprodução Humana. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/comissao/conep/resoluçao.html >. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 292, de 1999. Normas específicas para a aprovação de protocolos de pesquisa com cooperação estrangeira. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/comissao/conep/ resoluçao.html> . Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 251, de 07 de Agosto de 1997. Normas de pesquisa envolvendo seres humanos para a área temática de pesquisa com novos fármacos, medicamentos, vacinas e testes diagnósticos. Disponível em: <http://w.ghente.org/doc_juridicos/resol251.htm> . Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 01, de 1988. Norma Regulamentadora sobre o Credenciamento de Centros de Pesquisa no País. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/comissao/conep/ resoluçao.html >. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização - HUMANIZA SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Base de Dados de Legislação Brasileira,Brasília, DF. Disponível em: <http://w.senado.gov.br>. Acesso em: 24 jul. 2006.

BRASIL. Resolução n. 217 A (I), de 10 de dezembro de 1948. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <http://w.unicef.org/brazil/dir_huma.htm>. Acesso em: 24 jul. 2006.

CAMPS, Victoria. Paradoxos do individualismo. Lisboa: Relógio D´Água Editores, 1996.

CHAUÍ, Marilena. Público, privado, despotismo. In: NOVAES, Adauto (Org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras/ Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

CÓDIGO de Nuremberg. Disponível em: <http://w.bioetica.org.br/legislacao/outras_diretrizes/integra.php>. Acesso em: 24 jul. 2006.

PROENFSESCAD

COMISSÃO Nacional para Proteção de Sujeitos Humanos nas Pesquisas Biomédicas e Comportamentais. Relatório Belmont: princípios éticos e diretrizes para a proteção de sujeitos humanos nas pesquisas. Disponível em: <http://w.fhi.org/sp/rh/training/trainmat/ethicscurr/retcpo/s/references/rfpg7.htm >. Aceso em: 24 jul. 2006.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Rio de Janeiro, 2004.

DECLARAÇÃO de Helsinque, de 2000. Disponível em: <http://w.bioetica.org.br/legislacao/ outras_diretrizes/integra.php>. Acesso em: 24 jul. 2006.

FREITAS, Corina Bontempo Duca de. Ética na pesquisa com seres humanos: a experiência brasileira. In: GARRAFA V., PESSINI L. (orgs). Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola, 2003.

GAFO, Javier. 10 Palabras Clave em Bioética. Navarra/Espanha: Editorial Verbo Divino, 1997. GARRAFA, Volnei; PESSINI, Léo (orgs.). Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola, 2003.

GERMANO, Raimunda Medeiros. A ética e o ensino de ética na enfermagem do Brasil. São Paulo: Cortez, 1993.

GERMANO, Raimunda Medeiros. Bioética, educação e saúde. Natal: NESC/UFRN; No prelo 2006.

GERMANO, Raimunda Medeiros. Representações sociais e saúde: da realidade da ética à ética da realidade: representações de estudantes universitários. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, 1999. Natal/RN.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século X : 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MORIN, Edgar. O método IV. As idéias: a sua natureza, vida habitat e organização. Portugal: Publicações Europa América Ltda., 1991.

MORIN, Edgar. O método VI: ética. Porto Alegre: Sulina, 2005. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Brasília, DF: UNESCO, 2000. PEGORARO, Olinto. Ética e justiça. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

PESSINI, Leo; BARCHIFONTAINE, Christian de Paul. Problemas atuais de bioética. São Paulo: Loyola, 1994.

SELLI, Lucilda. Bioética na enfermagem. São Leopoldo: UNISINOS, 1998.

Associação Brasileira de Enfermagem Diretoria

Associação Brasileira de Enfermagem - ABEn Nacional SGAN, 603. Conjunto “B” - CEP: 70830-030 - Brasília, DF Tel (61) 3226-0653 - E-mail: aben@abennacional.org.br http://www.abennacional.org.br

Presidente Francisca Valda da Silva

Vice-presidente Ivete Santos Barreto

Secretária-Geral Tereza Garcia Braga

Primeira Secretária Ana Lígia Cumming e Silva

Primeira Tesoureira Fidélia Vasconcelos de Lima

Segunda Tesoureira Jussara Gue Martini

Diretor de Assuntos Profissionais Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes

Diretor de Publicações e Comunicação Social Isabel Cristina Kowal Olm Cunha

Diretora Científico-Cultural Maria Emília de Oliveira

Diretora de Educação Carmen Elizabeth Kalinowski

(Parte 5 de 6)

Comentários