Plano Museologico

Plano Museologico

(Parte 7 de 12)

BNDES – PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DE ACERVOS - 2008 http://www.bndes.gov.br/cultura/acervos/

Inscrições: 30 de abril a 06 de junho de 2008.

Objetivo: apoiar projetos culturais de instituições de direito público ou privado, sem fins lucrativos, visando à preservação de acervos museológicos, bibliográficos e arquivísticos.

Áreas: 1. catalogação (inventário ou catalogação de acervo em base de4 dados eletrônica) 2.higienização e acondicionamento, 3.restauração (exclusivamente para acervos raros), 4. gerenciamento ambiental, 5. Instalação de sistemas de segurança (instalação de sistemas de detecção e combate a incêndio, prevenção de furtos, inundações e sinistros) 6. Infra-estrutura (Adaptação de instalações para exposição, abrigo de reservas técnicas, laboratórios, salas de consulta, acessibilidade, sinalização entre outros).

Investimento 208 – R$ 8.0.0,0 (oito milhões de reais). Valor máximo por projeto: R$ 80.0,0 (oitocentos mil reais).

PETROBRÁS CULTURAL (edição 2008/2009) http://www2.petrobras.com.br/CULTURA/ppc/index.asp

Inscrições: a partir de 15 de outubro de 2008.

Os projetos podem ser contemplados através de duas modalidades: • Seleção Pública ou

• Escolha Direta

Seleção Pública Os projetos inscritos nas seleções públicas do Programa Petrobras Cultural, são analisados por Comissões de Seleção específicas, constituídas por especialistas na área em questão e por um representante da Petrobrás, e coordenadas pelo Consultor da área em questão.

Preservação e Memória: - Patrimônio Imaterial

- Memória das Artes

- Apoio a Museus, Arquivos e Bibliotecas

Escolha Direta É realizada por iniciativa exclusiva da Petrobras, com base em critérios definidos pelo Conselho Petrobras Cultural.

A finalidade básica das Fundações de Amparo à Pesquisa é dar apoio a projetos de pesquisa, ensino e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico.

Atuam como canais das instituições de pesquisa e universidades junto a entidades e empresas públicas e privadas para a realização de atividades de cooperação técnicas e prestação de serviços.

Por intermédio das Fundações é possível apoiar projetos de pesquisa (pesquisa aplicada, pesquisa básica, desenvolvimento experimental e serviços técnico-científicos), capacitação de recursos humanos e difusão de resultados que estimulam o desenvolvimento científico e tecnológico.

2.10 Programa de Difusão e Divulgação: aquele que trata da divulgação e popularização dos projetos e atividades da instituição, além da disseminação, difusão e consolidação da imagem institucional nos âmbitos local, regional, nacional e internacional; podendo ser dividido em diferentes subprogramas, tais como: editorial, de intercâmbio institucional, de comunicação social, de comunicação visual e outros.

Exemplos:

- Estudos de marketing - Campanhas de publicidade (folder, banner, outdoor etc)

- Publicações

- Cursos, conferências, palestras

- Página web (site)

- Produtos comerciais

- Participação em redes temáticas

FASE 3 - PROJETOS

Características principais de um projeto:

• necessidade • clareza

• coesão (projeto bem estruturado)

• viabilidade

• potencialidade

• ressonância na comunidade

• visibilidade

• paixão

• ética (com o seu público)

• Não gaste tempo demais pensando em fazer; simplesmente comece;

• Não tente produzir um plano perfeito ou muito elaborado; este deve ser um documento de trabalho e não uma obra de arte;

• É muito importante que o diretor do museu participe e esteja totalmente envolvido no processo;

• Envolva o maior número possível de pessoas;

• Deixe claro o motivo pelo qual você está fazendo isso e para quem;

• Reserve tempo para o processo e mantenha-o em andamento em ritmo intenso;

• Aguarde fatos e verdades incômodas que podem ser revelados pelo plano museológico, criando tensões dentro do museu

• Os consultores podem ser úteis ao processo, mas a responsabilidade pelas decisões e pelo plano é toda sua;

• Nunca esqueça quem deverá ser o beneficiário final: visitantes e usuários.

• Lembre-se de que o plano museológico, como todos os processos gerenciais, é um meio para se atingir um fim, não um fim em si mesmo.

Não existe a “maneira certa” para preparar um plano museológico!

24 6. ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO MUSEU

PORTARIA NORMATIVA Nº 1, DE 12 DE JANEIRO DE 2007 / IPHAN

Organização jurídica: sociedade civil sem fins lucrativos (reúne pessoas e entidades interessadas em dar apoio a instituições públicas de caráter educativo, cultural, social e outros).

Objetivo: destinada a promover o aprimoramento e o desenvolvimento das atividades do museu.

(Parte 7 de 12)

Comentários