Defeito de Fechamento do Tubo Neural: A experiência do serviço de medicina fetal do HMIPV

Defeito de Fechamento do Tubo Neural: A experiência do serviço de medicina fetal...

(Parte 2 de 2)

Ambos os sexos podem ser afetados por um DFTN, geralmente de forma desigual, vista sua natureza multifatorial (2), mas frequentemente afetando mais o sexo feminino (20). Encontrou-se uma maior proporção do sexo feminino, com 53,9%. Discernindo as patologias, o sexo feminino foi mais acometido na anencefalia e espinha bífida, e menos na cefalocele. Comparando a um estudo realizado em Porto Alegre, neste houve maior proporção do sexo masculino afetado por um DFTN, com 61,5%. Quando discernindo as patologias, o sexo masculino também foi o mais acometido em todas elas (14). Por apresentar apenas um caso, não será discutida a proporção por sexo quando da associação de mais de um DFTN.

A faixa etária das gestantes com um feto acometido por um

DFTN foi de 16 a 20 anos, com média de 24,6 +/- 7,6 anos, sendo que 84,6% das gestantes tinham menos de 30 anos. Em comparação a um estudo realizado em Porto Alegre, a faixa etária mais afetada foi de 26 a 30 anos, com média de 27,1 +/ - 5,6 anos, sendo que 76,9% das gestantes tinham menos de 30 anos (14). Na literatura, há referência de que o risco de malformações é maior nas faixas etárias inferiores a 19 anos e superiores a 40 anos (15). Verificou-se no presente estudo 38,4% com até 20 anos e 7,7% com mais de 40 anos, perfazendo 46,1% da amostra, comparado a um trabalho em Porto Alegre, com 7,7% e 0%, respectivamente, perfazendo 7,7% (14). No entanto, deve-se ressaltar que a idade materna não pode ser considerada de forma isolada (2).

TABELA 4 – Incidência das malformações por paridade ParidadeNo de casos%% acumulada

010-618_defeito de fechamento.pmd21/12/2010, 13:36309

DEFEITO DE FECHAMENTO DO TUBO NEURAL... Telles et al.ARTIGOS ORIGINAIS

310Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 54 (3): 306-310, jul.-set. 2010

Houve registro apenas de raça materna branca e negra, sendo a primeira a mais acometida, com 84,6%. Há referência na literatura de que a raça branca apresenta maior risco de desenvolver uma gestação com algum DFTN em relação à raça negra (20, 21).

Anencefalia e espinha bífida foram os defeitos mais comuns. Houve uma maior associação de outras malformações congênitas, assim como houve a presença de conhecidos fatores de risco para o desenvolvimento de um DFTN. Assim, recomenda-se a instituição de políticas públicas direcionadas à atenção primária à saúde, com vistas a ressaltar a relevância do adequado controle glicêmico das pacientes diabéticas e da suplementação de ácido fólico durante o período periconcepcional na prevenção dos defeitos de fechamento do tubo neural.

1.Kalter, Harold. Teratology in the Twentieth Century: Congenital

Malformtions in Humans and how their Enviromental Causes were Established. Amsterdam, The Netherlands: Elsevier, 2003. 290 p. 2.Stevenson, Roger E.; Hall, Judith G. (Ed.). Human Malformations and Related Anomalies. 2. ed. New York, Usa: Oxford University Press, 2006. 1495 p. 3.Detrait, Eric R. et al. Human neural tube defects: Developmental biology, epidemiology, and genetics. Neurotoxicology And Teratology, [s. L], 2005 p. 515-524. 4.Ferrer, Roberto Lardoeyt et al. Fundamentos del ácido fólico en la prevención primaria farmacológica de defectos congénitos. Rev Cubana Med Gen Integr, Ciudad de La Habana, Cuba, 2005, v. 21, n. 1-2, p.-. 5.Mitchell, Laura E.. Epidemiology of Neural Tube Defects. American

Journal Of Medical Genetics Part C: Semin. Med. Genet., [s.l], 2005, p. 8-94. 6.Amorim, Melania Maria Ramos de et al. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidade-escola do Recife. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, 2006, v. 6, n. 1, p.19-25, suplemento 1. 7.Horovitz, Dafne Dain Gandelman; Lorena Junior, Juan Clinton;

Mattos, Ruben Araújo de. Atenção aos defeitos congênitos no Brasil: panorama atual. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2005, v. 21, n. 4, p.1055-1064. Mensal. 8.Rio Grande do Sul. Núcleo de Informações em Saúde. Secretaria da Saúde/rs. Estatísticas de Saúde: mortalidade 2007. Porto Alegre, 2008. 32 v.

9.Porto Alegre. Eugênio Lisboa. Secretaria Municipal de Saúde/sms

(Org.). SIM – Sistema de Informação sobre Mortalidade: Porto Alegre – Relatório 2007. Porto Alegre, 2008. 73 p. 10.Santos, Leonor Maria Pacheco; Pereira, Michelle Zanon. Efeito da fortificação com ácido fólico na redução dos defeitos do tubo neural. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2007, v. 23, n. 1, p.17-24. Mensal. 1.Jones, Kenneth Lyons. Morfogênese e Dismorfogênese. In: Jones, Kenneth Lyons. Smith Padrões Reconhecíveis de Malformações Congênitas. 6. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. Cap. 3, p. 724-726. Tradução de: Smith’s Recognizable Patterns of Human Malformation, 6. Ed. 12.Maeso, José María Ramos; Morrón, Manuel Ferrer. Malformaciones del sistema nevioso central. In: Maeso, José María Ramos et al. Ecografía obstétrica: criterios biométricos y funcionales, malformaciones fetales. Madrid: Harcourt Brace, 1997. p. 243-309. 13.Aguiar, Marcos J.B. et al Defeitos de fechamento do tubo neural e fatores associados em recém-nascidos vivos e natimortos. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, 2003, p. 129-134. 14.Rotta, Newra Telechea et al. Malformações Congênitas do Sistema

Nervoso Central: Incidência de Cinco Anos no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, 1989, v. 9, n. 1, p.10-14. 15.Bol, Kirk A et al Survival of Infants With Neural Tube Defects in the Presence of Folic Acid. Pediatrics, [s. L], 2006, p. 803-813. 16.Sutton, Marie; Daly, Leslie E.; Kirke, Peadar N.. Survival and disability in a cohort of neural tube defect births in Dublin, Ireland. Birth Defects Research Part A: Clinical And Molecular Teratology, Dublin, 2008, v. 10, n. 82, p.701-709. 17.Vieira, Alexandre R.; Taucher, Silvia Castillo. Edad materna y defectos del tubo neural: evidencia para un efecto mayor en espina bífida que anencefalia. Revista Médica de Chile, Santiago, 2005, v. 133, n. 1, p.62-70. 18.Botto, Lorenzo D. et al. Neural-Tube Defects. The New England

Journal Of Medicine, [s.l], 1999, p. 509-519. 19.Kumar, Praveen; Burton, Barbara K. (Ed.). Congenital Malformations: Evidence-Based Evaluation and Management. United States: Mcgraw-hill Medical, 2008. 390 p. 20.Ray, Joel G. et al. Maternal ethnicity and risk of neural tube defects: a population-based study. Canadian Medical Association Journal, [s.l], 2004, p. 343-345. 21.Feuchtbaum, Lisa B. et al. Neural Tube Defect Prevalence in California (1990-1994): Eliciting Patterns by Type of Defect and Maternal Race/Ethnicity. Genetic Testing, [s.l], 1999, p. 265-272.

Endereço para correspondência: Jorge Alberto Bianchi Telles Av. João Obino, 383/602 90470-150 – Porto Alegre, RS – Brasil (51) 3346-2111

jorge@telles.med.br

Recebido: 2/5/2010 – Aprovado: 19/5/2010

010-618_defeito de fechamento.pmd21/12/2010, 13:36310

(Parte 2 de 2)

Comentários