(Parte 1 de 10)

Lajes Nervuradas

Prof. Romel Dias Vanderlei

Universidade Estadual de Maringá

Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil

Curso: Engenharia CivilDisciplina: Estruturas em Concreto I

Capítulo 4

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

Bibliografia:

BOCCHI JÚNIOR, C.F.; GIONGO, J. S. Concreto armado: Projeto e construção de lajes nervuradas. São Carlos, EESC-USP, agosto de 2007

ANDRADE, J.R.L. Estruturas Correntes de Concreto Armado -Parte 1. São Carlos, EESC –USP, 1977.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Projeto de estruturas de concreto: NBR 6118:2003. Rio de Janeiro, ABNT, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. NBR 6120:1980. Rio de Janeiro, ABNT, 1980.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Laje pré-fabricada –Requisitos – Parte 1: Lajes unidirecionais. NBR 14859-1:2002. Rio de Janeiro, ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Laje pré-fabricada –Requisitos – Parte 2: Lajes bidirecionais. NBR 14859-2:2002. Rio de Janeiro, ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Laje pré-fabricada –Painel alveolar de concreto protendido. NBR 14861:2002. Rio de Janeiro, ABNT, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Armaduras treliçadas eletrossoldadas-Requisitos. NBR 14862:2002. Rio de Janeiro, ABNT, 2002.

BOCCHI JUNIOR, C. F. Lajes nervuradas de concreto armado: projeto e execução. São Carlos, EESC –USP, 1995.

BORGES, A. de C. Prática das Pequenas Construções, vol.1. São Paulo, Edgard Blücher, 1972.

LIMA, J.C. de O. Boletim Técnico -Sistema TreliçadoGlobal, Vol.1 -Campinas, mediterr6anea Pré-fabricados de Concreto Ltda, 1991.

PINHEIRO, L.M. Concreto Armado: Tabelas e Ábacos. São Carlos, EESC –USP, 1993.

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

Sumário

4.1- Introdução 4.2-Tipologia das Lajes Nervuradas 4.2.1-Lajes Nervuradas Moldadas no Local 4.2.2-Lajes Nervuradas Pré-Moldadas 4.2.3-Lajes Nervuradas com Capitéis e com Vigas-faixa 4.2.4-Lajes nervuradas mistas com fôrma metálica incorporada 4.3-Considerações para Projeto 4.3.1-Vinculação das Lajes Nervuradas 4.3.2-Vãos Efetivos das Lajes Nervuradas 4.4- Pré-dimensionamento 4.4.1-Recomendações da NBR 6118:2003 4.4.2-Critérios de Projeto segundo a NBR 6118:2003 4.5-Ações Atuantes nas Lajes Nervuradas 4.5.1 Ações permanentes diretas 4.5.2 Ações variáveis normais 4.6-Verificação da Segurança 4.6.1-Verificações Pertinentes às Nervuras 4.6.1.1-Flexão nas Nervuras 4.6.1.2-Cisalhamento nas Nervuras 4.6.2-Verificações Pertinentes a Mesa 4.6.2.1-Flexão na Mesa 4.6.2.2-Cisalhamento na Mesa 4.7-Verificação do Estado Limite de Serviço 4.7.1-Verificação da flecha em lajes 4.8- Exemplo

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.1- Introdução

Uma laje nervurada éconstituída por um conjunto de vigasque se cruzam, solidarizadas pela mesa.

Esse elemento estrutural terácomportamento intermediário entre o de laje maciça e o de grelha.

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.1- Introdução

Segundo a NBR 6118:2003, lajes nervuradas são:

“Lajes moldadas no localou com nervuras prémoldadas, cuja zona de tração éconstituída por nervurasentre as quais pode ser colocado material inerte."

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.1- Introdução

Quanto as solicitações, entende-se por lajes nervuradas aquelas que:

a mesade concreto resiste às tensões de compressão

as barras das armadurasresiste às tensões de tração;

a nervurade concreto faz a ligação mesaarmadura, podendo, também absorver tensões de compressão.

Portanto, o comportamento do conjunto nervura (viga) e mesa (laje) ésemelhante ao de uma viga de seção T.

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.2-Tipologia das Lajes Nervuradas

Consideram-se dois grandes grupos:

Lajes nervuradas moldadas no local; Lajes nervuradas pré-moldadas.

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.2-Tipologia das Lajes Nervuradas

4.2.1-Lajes Nervuradas Moldadas no Local

São aquelas construídasem toda sua totalidade na obra e na posição definitiva.

Énecessário o uso de fôrmase de escoramentos, além do material de enchimento.

Pode-se utilizar fôrmas para substituir os materiais inertes.

Essas fôrmas podem ser em polipropileno ou em metal, com dimensões moduladas, sendo necessário utilizar desmoldantesiguais aos empregados nas lajes maciças.

Prof. Ro mel Di as Van d e r lei

4.2-Tipologia das Lajes Nervuradas

(Parte 1 de 10)

Comentários