Apostila de eletricidade basica

Apostila de eletricidade basica

(Parte 4 de 8)

O medidor de Corrente e de Tensão, tipo “alicate”, é um aparelho largamente utilizado. É conhecido como Alicate Volt-Amperímetro. Esse instrumento possui escalas para medir a Corrente e a Tensão. Com isso, deverá ser ajustado através de uma chave seletora (corrente ou tensão), antes de efetuar a medição.

Se a pessoa não tem uma idéia do valor da corrente ou da tensão a ser medida, ela deverá ajustar o aparelho para a maior escala de corrente ou tensão e se for o caso, ir diminuindo a escala para que seja efetuada a medição corretamente. Deve-se consultar o Manual de instruções do aparelho.

Medição de corrente elétrica: O aparelho possui garras que “abraçam” o condutor onde passa a corrente elétrica a ser medida. Essas garras funcionam como núcleo de um transformador de corrente em que o primário é o condutor, no qual está sendo realizada a medição e o secundário é uma bobina enrolada que está ligada ao medidor propriamente dito, conforme indica a figura a seguir.

O amperímetro deverá abraçar apenas o(s) fio(s) da mesma Fase (F1, F2 ou F3),

Para medir tensão, esse instrumento possui dois terminais nos quais são conectados os fios, que serão colocados em contato com o local a ser medido.

Circuitos Elétricos Residenciais

Antes de iniciar, serão abordadas algumas informações gerais, que poderão ser importantes para a compreensão e entendimento das nossas aulas. As instalações elétricas de baixa tensão são regulamentadas pela Norma Brasileira vigente, a NBR 5410/97 “Instalações Elétricas de Baixa Tensão” da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Essa Norma, também conhecida como NB 3, fixa os procedimentos que devem ter as instalações elétricas: PROJETO, EXECUÇÃO, MANUTENÇÃO e VERIFICAÇÃO FINAL, a fim de garantir o seu funcionamento adequado, a segurança das pessoas e de animais domésticos e aplica-se às instalações elétricas (novas e reformas das existentes) alimentadas sob uma tensão nominal igual ou inferior a 1.0 Volts em Corrente Alternada (CA).

As Concessionárias de energia por sua vez, fornecem a energia elétrica para os consumidores de acordo com a carga (kW) instalada e em conformidade com a legislação em vigor. “Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica”, que estabelece os seguintes limites para atendimento:

a) Tensão Secundária de Distribuição – Grupo B (Baixa Tensão): Quando a carga instalada na unidade consumidora for igual ou inferior a 75 kW. Os consumidores do Grupo B são atendidos na tensão inferior a 2.300 Volts. Os consumidores são atendidos na tensão 220/127 Volts (Trifásico); b) Tensão primária de distribuição inferior a 69 kV: Quando a carga instalada na unidade consumidora for superior a 75 kW e a demanda contratada ou estimada pelo interessado, para o fornecimento, for igual ou inferior a 2.500 kW. Os consumidores são atendidos geralmente na tensão de 13.800 Volts (Trifásico); c) Tensão primária de distribuição igual ou superior a 69 kV: Quando a demanda contratada ou estimada pelo interessado, para o fornecimento, for superior a 2.500 kW. Da legislação em vigor, foram retiradas as seguintes definições: d) Carga instalada: soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW).

. A dois fios (Monofásico): - uma Fase e um Neutro

- tensão de 127 V;

. A três fios (Bifásico): - duas Fases e um Neutro

- tensões de 127 e 220 V, ou

. A quatro fios (Trifásico): - três Fases e um Neutro

- tensões de 127 e 220 V

Símbolos e Convenções

Os Símbolos e as Convenções são muito úteis para representação dos pontos e demais elementos que constituem os circuitos de um Projeto Elétrico. A Norma da ABNT, a NBR 5444 – “Símbolos Gráficos para Instalações Elétricas Prediais” da ABNT, estabelece os símbolos gráficos referentes às instalações elétricas prediais.

A seguir estão os principais símbolos e convenções usados em nossas aulas:

Outras representações Normalizadas: Exercícios (Anexo 01)

Interruptores, Tomadas e Lâmpadas

Existem diversos tipos de Interruptores e Tomadas de Uso Geral, sendo que cada um, é adequado para uma determinada utilização. Sempre devem ser consultados os catálogos de fabricantes com o objetivo de identificar, quais os dispositivos mais apropriados para cada situação.

Interruptores

Os Interruptores podem ser simples, duplos, triplos, intermediários, paralelos, bipolares, “dimmers”, etc, sendo que cada um é próprio para ser usado em uma determinada função específica. Uns tipos proporcionam mais conforto e segurança, economia de energia do que os outros.

Os “dimmers” são interruptores que, através de um circuito (geralmente eletrônico), variam a intensidade luminosa da lâmpada instalada em seu circuito, podendo proporcionar economia de energia elétrica.

Existem interruptores tipo “dimmer” nos modelos de interruptor simples e interruptor paralelo (ver subitem 2.7.1 página 59). A instalação do “dimmer” é feita do mesmo modo que a do interruptor correspondente. Ver manual do fabricante.

Tomadas de Uso Geral e Especifico (Tugs e Tues)

As Tomadas de Uso Geral (Tugs), recomendadas são as de 2P + TU, para conter os Condutores Fase, Neutro e o de Proteção (PE ou fio terra). Essas Tomadas de 3 pólos apresentam disposições e tipos de pólos diferentes para cada encaixe de plugues, também existem as Tomadas de 2 pólos.

Os Interruptores e Tomadas de Uso Geral para serem utilizados em instalações elétricas residenciais, são feitos para suportar com segurança, uma determinada corrente e tensão, máximas.

As correntes elétricas máximas para as Tomadas, geralmente são de 10, 15 ou 20 A. A tensão elétrica, normalmente é de 250 V.

Os equipamentos exclusivos (Tues), devem ser ligados aos condutores dos circuitos elétricos, através de conectores ou tomadas apropriados.

Lâmpadas Incandescentes

São utilizadas na iluminação geral. As Lâmpadas Incandescentes são os tipos mais utilizados nas Residências, apesar de ter uma baixa Eficiência Luminosa (lm/W).

Elas produzem luz pelo aquecimento, a uma temperatura muito alta, de um filamento de tungstênio, quando passa uma corrente elétrica. Cerca de 80 % da energia elétrica (kWh) consumida é transformada em calor, sendo que apenas 15 %, geram luz.

Alguns tipos dessas lâmpadas podem ser utilizados com o

Interruptor tipo “dimmer”. É a mais usual nas residências, quando fabricadas para funcionarem na tensão de 124 Volts, terão uma vida média em torno de 1.0 horas.

Se esta lâmpada funcionar em 127 Volts, a vida média cai para em torno de 750 horas.

As lâmpadas incandescentes comuns quando fabricadas para funcionarem na tensão de 220 Volts, terão uma vida média em torno de 1.0 horas.

Lâmpadas Fluorescentes

São lâmpadas que utilizam descarga elétrica através de um gás. Consiste em um bulbo cilíndrico de vidro revestido de material fluorescente (cristais de fósforo), contendo vapor de mercúrio a baixa pressão em seu interior e portando em suas extremidades, eletrodos de tungstênio.

A Temperatura de Cor pode ter diversas tonalidades, dependendo do fabricante.

Dessa forma, conforme a finalidade deverá ser usada à lâmpada com a Temperatura de Cor adequada.

As lâmpadas fluorescentes emitem menos calor e iluminam mais, se comparadas com as lâmpadas incandescentes comuns.

Os tipos mais usados na residência as Lâmpadas Fluorescentes Tubulares e as Lâmpadas Fluorescentes Compactas.

Recomendações Gerais

Emendas e Derivações

Devem garantir a continuidade elétrica e a resistência mecânica do circuito elétrico, podendo ser:

• O condutor de pequeno diâmetro usa-se torcer um condutor sobre o outro;

• Quando se trata de condutores maiores, usa-se um fio mais fino enrolado sobre a emenda, a fim de melhorar a resistência mecânica.

Os desenhos a seguir, mostram essas situações.

Em ambos os casos, recomendam-se cobrir a emenda com solda, a fim de garantir uma perfeita continuidade elétrica ao circuito. Para ligação de aparelhos com cordões flexíveis, deve-se usar um nó de segurança nas extremidades do condutor, a fim de evitar que qualquer esforço mecânico efetuado sobre o condutor seja transmitido aos contatos elétricos. Posteriormente a elaboração da emenda, deve-se isolá-la com fita isolante.

(Parte 4 de 8)

Comentários