Apostila de eletricidade basica

Apostila de eletricidade basica

(Parte 5 de 8)

Ligações dos Terminais

Ao ser efetuada a ligação de um condutor em um terminal com parafuso, deve-se fazer a volta no condutor no mesmo sentido da rotação do parafuso ao ser apertado, para evitar que o condutor escape debaixo da cabeça do parafuso. Quando o condutor for flexível (tipo cabo), deve-se tornar rígida a sua extremidade com solda, ou então, usar um terminal apropriado. Os desenhos a seguir, mostram essas situações.

Emendas.

Essas emendas, entretanto, poderão se transformar mais tarde fontes de mau contato, produzindo aquecimento e, portanto, perigos de incêndio ou de falhas no funcionamento da instalação, se forem mal executadas.

O comprimento de cada ponta deve ser suficiente para aproximadamente umas 06 (seis) voltas em torno da ponta do outro condutor.

Limpe os condutores, retirando os restos do isolamento. Caso o condutor apresente oxidação na região da emenda, raspe o condutor com as costas da lâmina, a fim de eliminar a oxidação.

As pontas devem ficar completamente enroladas e apertadas no condutor, evitando-se assim que estas pontas perfurem o isolamento de acordo com a Figura.

A execução de uma emenda bem feita deve garantir que a camada isolante do condutor seja ultrapassada por uns dois centímetros. Corte a fita isolante, seguindo o procedimento de acordo com as Figura

É uma parte muito importante na execução da instalação elétrica. Após a instalação dos eletrodutos, caixas, fiação, etc, as caixas deverão ser tampadas para não serem sujas quando do reboco das paredes ou a colocação do piso e dos azulejos.

Esses dispositivos deverão ser tampados, para que não sejam sujos durante a pintura e acabamento geral da residência. Após o acabamento geral, os dispositivos deverão ser destampados, limpos novamente e em seguida finalizar o acabamento, colocando as placas das caixas e fazendo um teste final do funcionamento dos circuitos elétricos.

Condutores

Os metais são condutores de corrente elétrica. Entretanto determinados metais conduzem melhor a corrente elétrica do que outros, ou seja, alguns oferecem menor resistência à passagem da corrente elétrica. A resistência elétrica de um condutor pode ser expressa pela fórmula:

Onde: R = Resistência elétrica do condutor Ω ρ = Resistividade (varia com o material empregado) Ω mm² / m L = Comprimento do condutor m S = Seção (área) transversal do condutor mm²

Observação: O inverso da resistência elétrica tem o nome de Condutividade. Os metais mais usados para condução de energia elétrica são:

Prata - utilizada em pastilhas de contato de contatores, relés, etc; Resistividade média é 0,016 Ωmm²/m a 20ºC;

Cobre - utilizado na fabricação de fios em geral e equipamentos elétricos (chaves, interruptores, tomadas, etc). Resistividade média do cobre duro é 0,0179 Ωmm²/m a 20ºC;

Alumínio - utilizado na fabricação de condutores para linhas e redes por ser mais leve e de custo mais baixo. Os condutores de alumínio podem ser de: CA – alumínio sem alma de aço CAA - alumínio enrolado sobre um fio ou cabo de aço (“alma de aço”) Resistividade média é 0,028 Ωmm²/m a 20º C.

Observação: comparando os valores de resistividade do cobre e alumínio, pode ser verificado que o cobre apresenta menor resistividade, conseqüentemente para uma mesma seção (mm²), os condutores de cobre, conduzem mais corrente elétricas.

Os condutores de metal podem ter os seguintes tipos de formação:

• Fio – formado por um único fio sólido; • Cabo – formado por encordoamento de diversos fios sólidos.

Condutor Fase

O condutor Fase é o elemento do circuito que está carregado (Tensão e Corrente) em todo o sistema da instalação elétrica. Para os circuitos elétricos poderemos ter partindo do QDC: Circuito Monofásico; Bifásico; Trifásico;

Condutor Neutro: deve ser sempre na cor azul claro;

Circuito de Iluminação: 1,5 mm² Circuito de Força - Tomadas de Uso Geral ( Tugs): 2,5 mm² Circuito de Força - Uso Específico (Tues): 4,0 a ------------ mm²

Observações: Nos cordões flexíveis para ligação de aparelhos eletrodomésticos, abajures, lustres e aparelhos semelhantes, poderão ser usados, o condutor de 0,75 mm².

Condutor de Proteção (PE)

A isolação do condutor de Proteção (PE) deverá ser na cor verde-amarela ou verde. O condutor de Proteção (PE) para o caso das instalações elétricas residenciais, será considerado, como um condutor que será aterrado junto ao “Padrão de Entrada” para o fornecimento de energia elétrica, de acordo com os procedimentos estabelecidos nas Normas vigentes. Os Aterramentos Elétricos podem ser:

• Deverá ser na cor verde-amarela ou verde

• Aterramento por razões funcionais: o Aterramento é necessário para que o equipamento elétrico funcione corretamente e tenha proteção;

• Aterramento do equipamento por razões de proteção e segurança: neste caso, o

Aterramento protege as pessoas e/ou animais domésticos contra os choques elétricos.

O caso bastante comum de choque elétrico, é um fio desencapado encostando na estrutura metálica de um aparelho energizado. Estando o aparelho aterrado, a corrente elétrica poderá ser desviada para a Terra, evitando o choque elétrico.

Através do Aterramento, a corrente elétrica tem um caminho mais fácil (Curto Circuito) para escoar para a Terra.

Condutor Neutro

O condutor Neutro é o elemento do circuito que estabelece o equilíbrio de todo o sistema da instalação elétrica. Para cada circuito elétrico teremos que ter um condutor Neutro partindo do QDC. De acordo com a Norma NBR 5410, em nenhuma circunstância, o condutor Neutro, poderá ser comum a vários circuitos.

Observação: O Condutor Neutro não deverá ser interligado ao longo da instalação elétrica interna, ao Condutor de Proteção (PE) e nem usado como tal. Este condutor deve possuir a mesma seção (mm²) que o condutor Fase, nos seguintes casos:

Condutor Neutro: deve ser sempre na cor azul claro; Circuitos monofásicos a 2 e 3 condutores e Bifásicos a 3 condutores, qualquer que seja a seção (mm²);

Nota: A Norma NBR 5410 determina: Em nenhuma hipótese, podem ser trocadas essas cores. Exemplo os cabos com isolação verde-amarela não podem ser utilizados como condutor Fase.

Fase R - preto Fase S - branco Fase T - vermelho Neutro - azul claro Terra - verde

Dimensionamento do Condutor

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons que por ele circula (corrente elétrica). Além disso, toda vez que circula corrente, o condutor se aquece, devido ao "atrito" dos elétrons em seu interior.

No entanto, há um limite máximo de aquecimento suportado pelo fio ou cabo, acima do qual ele começa a se deteriorar. Nessas condições, os materiais isolantes se derretem, expondo o condutor de cobre, podendo provocar choques e causar incêndios. Para evitar que os condutores se aqueçam acima do permitido, devem ser instalados disjuntores ou fusíveis nos quadros de luz.

Esses dispositivos funcionam como uma espécie de "guarda-costas" dos cabos, desligando automaticamente a instalação sempre que a temperatura nos condutores começar a atingir valores perigosos. Dessa forma, o valor do disjuntor ou fusível (que é expresso sempre em Ampères – A) deve ser compatível com a bitola do fio, sendo que ambos dependem da corrente elétrica que circula na instalação.

Como a corrente é o resultado da potência dividida pela tensão, a tabela abaixo indica a bitola do condutor e o valor do disjuntor em função desses parâmetros.

Tipo de circuito Tensão (volts)

Potência máx. (watts)

Bitola fio (mm²)

Disjuntor máx. (A)

• Nunca aumentar o valor do disjuntor ou do fusível sem trocar a fiação, uma vez que deve haver uma correspondência entre eles;

• A menor bitola permitida por norma para circuitos de lâmpadas é de 1,5mm² e, para tomadas, de 2,5mm²;

(Parte 5 de 8)

Comentários