Indagações sobre currículos - diversidade e currículo

Indagações sobre currículos - diversidade e currículo

(Parte 6 de 7)

a)Fale com ela (Hable com ella), 2002, 116 min, Espanha. Público: adulto. Direção: Pedro Almodóvar. Drama.

b)Lanternas Vermelhas (Da hong deng long gao gao gua), 1991, China. Público: jovens e EJA. Direção: Yimou Zhang. Drama.

c) Minha vida em cor de rosa (Ma Vie En Rose), 1971, 90 min, Bélgica/França/ Inglaterra. Público: adolescentes, jovens e EJA. Direção: Alain Berliner. Comédia.

d) Vista a minha pele. 2004, 49 min, Brasil. Público: adolescentes e jovens. Direção Joel Zito Araújo. Vídeo (ficção).

e) O fio da memória. 1991, Brasil. Público: jovens e EJA. Direção: Eduardo Coutinho. Documentário.

f) O RAP do pequeno príncipe contra as almas sebosas, 2000, 75 min, Brasil. Público: jovens e EJA. Direção: Paulo Caldas e Marcelo Luna. Documentário.

g) Kirikú e a feiticeira, 1998, 74 min, França/Bélgica/Luxemburgo. Público: crianças (da educação infantil ao ensino fundamental) e adolescentes. Diretor: Michel Ocelot. Música: Youssou NDour. Desenho.

h) História de um Brasil Alfabetizado, 2006, SECAD/MEC. Público: educadores(as) em geral. Documentário.

i) Pro dia nascer feliz, 2006, 8 min, Brasil. Público: adolescentes, jovens e adultos. Diretor: João Jardim.

Documentário. Para mais sugestões de filmes que tematizam a diversidade cultural consultar: TEIXEIRA, Inês Assunção de Castro e LOPES, José de Sousa Miguel (Orgs). A diversidade cultural vai ao cinema. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

Indagações sobre currículo 43

BENTO, Maria Aparecida Silva et at. Políticas de promoção da igualdade racial na educação: exercitando a definição de conteúdos e metodologias. São Paulo: CEERT/UNICEF/SEPPIR/SECAD.

CONSUMO SUSTENTÁVEL: manual de educação. Brasília: Consumers International/MMA/MEC/IDEC, 2005.160p.

DIFERENTES DIFERENÇAS. Brasília: MEC/SECAD, 2006.

DIREITO À EDUCAÇÃO: subsídios para a gestão dos sistemas educacionais – orientações gerais e marcos legais. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

DUK, Cynthia. Educar na diversidade: material de formação docente. Brasília: MEC/ Secretaria de Educação Especial, 2005.

EDUCAÇÃO ANTI-RACISTA : CAMINHOS ABERTOS PELA LEI FEDERAL Nº 10.639/03. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: MEC/SECAD, 2005. 236 p. (Coleção Educação para todos).

EDUCAÇÃO COMO EXERCÍCIO DE DIVERSIDADE. Brasília : UNESCO, MEC, ANPEd, 2005.476 p. (Coleção educação para todos; 6).

EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS: Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES INDÍGENAS : REPENSANDO TRAJETÓRIAS. Organização Luís Donisete Benzi Grupioni. Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL 2004: experiências premiadas. Brasília: MEC, 2005.

PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL 2005. Brasília: MEC/SEB, 2006.

REVISTA QUILOMBOS – espaço de resistência de crianças, jovens, mulheres e homens negros. Rio de Janeiro: Rede de Desenvolvimento Humano/MEC/

SECAD. Existe uma série de publicações oficiais que estão disponibilizadas para download. Para conhecê-las, basta acessar o site de pesquisa http://www.dominiopublico.gov.br e consultar a Coleção Educação para Todos.

Div er sidade e currículo

Questões para discussão nos processos de formação em serviço a) O que entendemos por currículo? b) Que concepções de diversidade permeiam as nossas práticas, os nossos currículos, a nossa relação com os alunos e suas famílias e as nossas relações profissionais? c) A nossa abordagem em sala de aula e os nossos projetos pedagógicos sobre educação ambiental têm explorado a complexidade e os conflitos trazidos pela forma como a sociedade atual se relaciona com a diversidade biológica? d) Que entidades dos movimentos sociais existem na região onde atuamos como educadores(as)? Eles trazem demandas para a escola? Quais? A escola tem considerado essas demandas na sua prática curricular? Como? e) Será que os movimentos sociais conseguem indagar e incorporar mais a diversidade nas suas ações do que a própria escola e a política educacional? f) Como vemos o debate sobre a inclusão das crianças com deficiência na escola regular? As escolas regulares introduzem no seu currículo a necessidade de uma postura ética em relação às crianças com deficiência? g) Conhecemos as principais demandas do movimento negro em prol da educação escolar? Como tem sido o processo de implementação da lei de nº 10.639/03 (obrigatoriedade da inclusão do ensino da História da África e da Cultura Afro-Brasileira) nos currículos das nossas escolas? h) Colocamos a discussão sobre a diversidade e o currículo no campo da ética ou a entendemos como uma reivindicação dos ditos “diferentes”? i) É possível a inclusão das diferenças sem a superação da rigidez da estrutura espacial e temporal da instituição escolar? O que poderia ser feito para flexibilizar os tempos e os espaços da escola onde atuamos?

Referências bibliográficas

ARROYO, Miguel G. “Os educandos, seus direitos e o currículo”. In: MOREIRA, Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006, p.49-81.

ARROYO, Miguel G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2004a.

ARROYO, Miguel G, CALDART, Roseli e MOLINA, Mônica. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004b.

ARROYO, Miguel G. “Ciclos do desenvolvimento humano e formação de educadores”. In: Educação e sociedade, Campinas: Cedes, n. 68, dez, 1999, p. 143-162.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense,1981.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade e etnia. Construção da pessoa e resistência cultural. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRASIL. Lei 9394 – 24 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1998

CONSUMO SUSTENTÁVEL. Manual de educação. Brasília: Consumers Internacional/MMA/MEC/IDEC, 2005.

d’ADESKY, Jacques. Racismos e anti-racismos no Brasil: pluralismo étnico e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

GOMES, Nilma Lino. “Diversidade cultura, currículo e questão racial. Desafios para a prática pedagógica”. In: ABRAMOWICZ, Anete, BARBOSA, Maria de Assunção e SILVÉRIO, Valter Roberto (Orgs). Educação como prática da diferença. Campinas: Armazém do Ipê, 2006, p.21-40.

GOMES, Nilma Lino. “Educação e relações raciais: discutindo algumas estratégias de atuação”. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. Brasília: MEC, 1999.

FERNANDES, Claudia de Oliveira e FREITAS, Luiz Carlos de. “Currículo e avaliação”. In: MOREIRA, Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre

Div er sidade e currículo currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006, p.113-137.

FERREIRA, Amauri Carlos. “A morada do educador: ética e cidadania”. In: Educação e revista. Belo Horizonte, n.43, jun. 2006, p.57-72.

FRAGO, Antonio Vinão. ESCOLANO, Augustín. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP &A, 1998.

LIMA, Elvira de Souza. “Currículo e desenvolvimento humano”. In: MOREIRA, Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006, p.1-47.

LIMA, Mayumi Watanabe de Souza. A criança e a cidade. São Paulo: Nobel,1989.

MENESES, Maria Paula Guttierrez. “A questão da ‘Universidade Pública’ em Moçambique e o desafio da pluralidade de saberes”. In: Cruz e Silva, T., Araújo, M. G.; Cardoso, C. (ed.). Lusfonia em África: história, democracia e a interrogação africana. Dakar: Codesria, 2005.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa e CANDAU, Vera Maria. “Currículo, conhecimento e cultura”. In: MOREIRA, Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006, p.83-1.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Por uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências”. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004. p.7-821.

(Parte 6 de 7)

Comentários