Radioamadorismo via satelites

Radioamadorismo via satelites

(Parte 1 de 2)

Radioamadorismo Via-Satélite Cristiano Torres do Amaral

2º Semestre/2009 Belo Horizonte

2 SUMÁRIO

1. Introdução3
2.Técnicas de Comunicação Via-Satélite6
2.1 Os Primórdios das Comunicações Via-Satélite6
2.2As Técnicas Atuais de Comunicação Via-Satélite9
2.3 Equipamentos para Comunicação Via-Satélite12
3. Considerações Finais13
4. Referências Bibliográficas14

1. Introdução

3 O radioamadorismo é umserviço detelecomunicação regulamentado pelaUnião

Internacional de Telecomunicações( UIT ) e reconhecido pelos governos dos diversos países signatários.No Brasil, o radioamadorismo é regido pela Norma

31/94 da Agência Nacional de Telecomunicações ( Anatel )

. De acordo com essa norma o radioamadorismo é definido por:

“Modalidade de serviço deradiocomunicação destinado ao treinamento próprio, à intercomunicação e a investigações técnicas, levadas a efeito por amadores devidamente autorizados, interessados na radiotécnica a título pessoal, que não visam qualquer objetivo pecuniário ou comercialligado à exploração do serviço, inclusive utilizando estações espaciais situadas em satélites na Terra.” [Norma 31/94 – Anatel]

A origem do radioamadorismo estávinculadaao interesse daspessoasisoladas e dispersas pelos Estados Unidosque desejavam secomunicarentre si. Nesse sentido, as primeiras experiências com as transmissões porrádiosurgiram noinício do século X. Em 1912,aWirelles Lawestabeleceu as regras para o radioamadorismo edestinou faixas de comprimento de onda de200 metrospara

Naquele mesmo ano o surgiu o Callbook, onde radioamadores estadunidenses registravam oscontatosexperimentais, descrevendo condições técnicas,localização e condições meteorológicas. Pouco tempo depois, esses radioamadores se

organizaram e fundaramaAmerican Radio Relay League( ARRL )

. Em 1925, com apoio da UIT,foi organizadoa primeira Conferência Mundial para

Administração das Radiocomunicações( WARC )

, com a participação de23países.

Esse grupo formouaInternational Amateur Radio Union( IARU )

. Atualmente, 159 paísesestãoassociados à IARU.

No Brasil,oradioamadorismofoireconhecidoem 05 de novembro 1924,em solenidadede criação da Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão ( LABRE )

. De acordocom a Norma 31/94-Anatel, podemser portadoresdoCertificado de

Operação de Estação de Radioamador( COER ) no Brasil:

“a ) Os brasileiros, maiores de 10 anos, cabendo aos respectivos pais ou tutores a

4 responsabilidade por atos ou omissões;

Os portugueses, que tenham obtido o reconhecimento da igualdade de direitos e deveres paracom os brasileiros;

Os radioamadores estrangeiros, nas condições estabelecidas em acordos de reciprocidade de tratamento;

Os radioamadores, funcionários de organismos internacionais, dos quais o

Governo Brasileiroparticipe, desde que estejam prestando serviço no Brasil.” [Norma 31/94-Anatel]

Além doscritérios acima mencionados, o candidato precisa ser aprovado em testes específicosque sãoaplicados pelo órgão regulador, isto é, a Anatel. Os testes definemquais faixasdo espectro radioelétrico que são atribuídas ao radioamador. Para tanto, existem 3classes:“A, B,C”. A Classe “A” é destinada ao radioamador com maiores possibilidades de transmissão, com maiores potências e faixas. Por sua vez, a Classe “C” recebe um pouco menos de possibilidades, uma vez quese entendeque essa classe é destinada aos“calouros do radioamadorismo”.A Classe “B” está destinada a um nível intermediário.

Segundo a Norma 31/94-Anatel, os testes necessáriospara obtenção do COERsão os seguintes:

Certificado de Operador de Estação de Radioamador classe "D", aos maiores de 10 anos,aprovados nos testes de Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações.

Certificado de Operador de Estação de Radioamador classe "C", aos maiores de 10 anos,aprovados no teste de: 1. Técnica e Ética Operacional e Legislação deTelecomunicações; 2. Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse.

Certificado de Operador de Estação de Radioamador classe "B", aos menores após decorridos dois anos da data de expedição do Certificado de

Operador de Estação deRadioamador classe "C") ou maiores de 18 anos, em qualquer hipótese, aprovados nos testes de: 1. Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações; 2. Conhecimentos Técnicos; e 3. Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse.

Certificado de Operador de Estação de Radioamador classe "A", aos radioamadores da classe"B", após decorrido um ano da data de expedição do

Certificado de Operador de Estação deRadioamador desta Classe, aprovados nos testes de: 1. Técnica e Ética Operacional e Legislação de Telecomunicações; 2. Conhecimentos Técnicos; e 3. Transmissão e Recepção Auditiva de Sinais em Código Morse.” [Norma 31/94- Anatel]

Após a realização desses testes, o candidato aprovado recebe o COER e a licença para operação da estaçãode radioamador. A Figura 1, abaixo, apresenta um modelo de licença:

Fig. 1–Licença para Funcionamento de Estação de Radioamador

Entre os diversos modos de comunicação experimentais explorados pelos radioamadores destacam-se as comunicações via-satélites. Nesse tipo de comunicação os radioamadores exploram distintas técnicas para alcançar o máximo de eficiência e distância para os contatosentre estaçõesintercontinentais (

2. Técnicas de Comunicação Via-Satélite

2.1 Os Primórdios das Comunicações Via-Satélite

As comunicações via-satéliteentreradioamadores não são recentes enem sempre tiveramapoio dos órgãosoficiais. As primeiras atividades foram realizadas com balões que transportavam equipamentos repetidoresde rádioconstruídos pelos própriosradioamadores.A Figura 2 apresenta o lançamento de um desses satélites artificiais destinados às comunicações deradioamadores via-satélites:

Fig. 2–Processo deLançamentodeBalão comEstaçãoRepetidora Fonte: http://www.ntexbp.org

Ainda assim, deve-se ressaltar que no passadoos recursos tecnológicos eram escassos e era preciso determinar manualmente o momento de passagem de cada satélite artificial.Em 1984,o radioamador PY4ZBZ-Rollandmediua distânciaentre um satéliteartificialesua casa a partirdo tempogasto para emissão de um pulso elétricoe sua repetição/recepção.A Figura 3 apresenta o esquema utilizado por ele naquele período:

Fig. 3–Cálculo da Distância entre o Satélite e a Residência de PY4ZBZ Fonte: http://www.qsl.net/py4zbz/

Para tanto, o radioamador utilizouumgerador de pulsos e umosciloscópioque comparava o tempo entre odisparodo pulso elétrico, a sua transmissão, propagação, repetição no espaçoerecepção na estação terrena.Nesse sentido, era observado o pulso de retorno do satélite e anotadoosintervalos regulares.Em seguida,foielaborado manualmenteo resultadoem umgráfico que permitia verificar com precisão oTime of Cloasest Approach( TCA ) e determinar oAcquisition of dapassagemseguinte. Esse gráfico pode ser avaliado na Figura 4 abaixo:

Fig. 4–Gráfico de Cálculo da Distância entre o Satélite e a Residência de PY4ZBZ Fonte: http://www.qsl.net/py4zbz/

Além dos cálculos manuais, os radioamadores também confeccionavam seus própriosequipamentos. No começo dessas atividades, os equipamentos eram, em sua grande maioria, valvuladose muito rudimentares. A Figura 5, abaixo, apresenta um “Transversor” a válvula. Esse equipamento convertia os sinais da faixa de21

MHzpara 146 MHzpara comunicação na faixa de satélites:

Fig. 5–“Transvesor”utilizado para contatos Via-Satélite entre Radioamadores Fonte: http://www.qsl.net/py4zbz/

Esse equipamento era necessáriopara contatos viasatélites russos da serieRS,

comórbita circular baixa,que utilizavam a faixa de2 metros( 146 MHz) para uplink e

(Parte 1 de 2)

Comentários