Automação e Instrumentação Industrial

Automação e Instrumentação Industrial

(Parte 1 de 15)

Curso de Instrumentação IndustrialPÁG. 01 DE 0115

Oswaldo Fernandes Junior Setembro/2004

Automação e Instrumentação Industrial

Índice

•Capítulo 01 – Introdução •Capítulo 02 – Histórico

•Capítulo 03 – Fundamentos básicos

•Capítulo 04 – Simbologias

•Capítulo 05 – Sensores de posicionamento

•Capítulo 06 – Variável temperatura

•Capítulo 07 – Variável pressão

•Capítulo 08 – Variável nível

•Capítulo 09 – Variável vazão

•Capítulo 10 – Variável Peso/Carga

•Capítulo 1 – Variáveis analíticas

•Capítulo 12 – Atuadores Eletromagnéticos

•Capítulo 13 – Válvulas de controle

•Capítulo 14 – Posicionadores

•Capítulo 15 – Sistemas de Controle

•Capítulo 16 – Ações de controle

•Capítulo 17 – Modelos de malhas de controles

•Capítulo 18 – Controlador Lógico Programável

•Capítulo 19 – Interface Homem Máquina

•Capítulo 20 – Sistema de Supervisão

•Capítulo 21 – Redes Industriais

•Capítulo 2 – Sistema de comunicação Fieldbus

•Capítulo 23 – Sistema de comunicação Profibus

•Capítulo 24 – Tabela de protocolos de comunicação

Capítulo 01 - Introdução Curso de Instrumentação Industrial PÁG. 02 DE 0115

O segmento denominado “AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO” é por demais heterogêneo em termos dos produtos nele englobados e que, muitas vezes se complementam.

Por razões de um melhor entendimento deste segmento, cabe dividi-lo: - Instrumentação;

- Automação de Processos Industriais e Não Industriais ( Controle de Processos);

- Automação da Manufatura.

A seguir, daremos uma idéia da abrangência de cada uma destas áreas:

Instrumentação:

Instrumentação é a ciência da adaptação de dispositivos e técnicas de medição, de indicação, de ajuste e controle nos equipamentos e processos de fabricação .

A instrumentação e os sistemas de controle visam a otimização na eficiência dos processos de fabricação e a obtenção de um produto de melhor qualidade a um custo mais baixo e em menor tempo. A instrumentação é indispensável para: 1. Incrementar e controlar a qualidade do produto; 2. Aumentar a produção e o rendimento; 3. Fornecer dados a respeito da matéria-prima, a quantidade produzida e dados relativos a economia dos processos; 4. A execução de funções de inspeção e ensaios, com maior rapidez e confiabilidade; 5. Simplificar projetos de pesquisa, desenvolvimento e sistemas de obtenção de dados complexos e ; 6. Fornecer sistemas de segurança para os operários, as fábricas e os processos.

Esta área pode ser dividida em grandes subgrupos; - Instrumentos de teste e medição - abrangem a geração e a medição de grandezas eletrônicas;

- Instrumentos para controle de processos - abrangem os instrumentos para painel e campo, úteis na medida e no controle de grandezas físicas nos processos da Indústria de transformação; - Instrumentos para análises físicas, químicas e ensaios mecânicos - ( Analítica ) abrangem os instrumentos utilizados em laboratórios de pesquisas e controle de qualidade , - Instrumentos de aplicação odonto-médico-hospitalar.

Automação de Processo Industrial e Não Industrial ( Controle de Processo ):

A Automação de Processos subdivide-se em dois setores:

- Processos Industriais: * Siderúrgica;

* Química e petroquímica;

* Geração de energia, etc.

- Processos não Industriais: * Sistemas de transporte;

* Distribuição de energia;

* Sistemas de serviços urbanos, etc.

Automação da Manufatura:

Este segmento, evidenciam-se as seguintes sub-áreas: - Comando numérico por computador;

- Projetos assistidos por computador ( CAD-CAM);

- Robótica.

Capítulo 02 - Histórico Curso de Instrumentação Industrial PÁG. 03 DE 0115

(Parte 1 de 15)

Comentários