Rotina do enfermeiro assistencial

Rotina do enfermeiro assistencial

CENTRO UNIVERSITÁRIO CELSO LISBOA

Assistência em rede básica

Elaborado por

Danielle Maia

Marinês Cristina

Michele Coutinho

Verônica Leite

Rio de Janeiro, Novembro/2010

CENTRO UNIVERSITÁRIO CELSO LISBOA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Danielle Maia

Marinês Cristina

Michele Coutinho

Verônica Leite

Trabalho apresentado na disciplina de adm. Assist. em rede básica para o professor Raul Cavalcanti como requisito parcial de avaliação referente à VP1, Turma: 631.

Rio de Janeiro, Novembro/2010

Rotinas

Introdução:

Segundo o Ministério da Saúde, rotinas é o conjunto de elementos que especifica a maneira exata, pela qual uma ou mais atividades devem ser realizadas. É a descrição sistematizada dos passos a serem dados para a realização das ações componentes de uma atividade, na seqüência de execução. A rotina é específica de cada unidade, existem três tipos de rotinas, sendo elas fluxograma, textual e coluna, e todas delas podem conter as seguintes informações: Nome da organização; nome da unidade a que se destina; título da rotina; normas inerentes à rotina, quando couber; Identificação do agente da ação; outras informações necessárias.

Objetivo:

Desenvolver e analisar a metodologia assistencial com base nas normas e rotinas assistenciais da unidade hospitalar; refletir, discutir e descrever as potencialidades e fragilidades da assistência de enfermagem; analisar a quantidade/qualidade dos profissionais de enfermagem; analisar e descrever a organização estrutural da equipe de enfermagem; disponibilidade de materiais de consumo suficiente para suprir as necessidades da unidade.

Rotina do enfermeiro assistencial

Receber o plantão no setor, observando a equipe e colaborando para o crescimento profissional; Identificar os problemas de enfermagem relativos a cada necessidade básica afetada; Fazer visita aos pacientes, integrando-os ao hospital e despertando confiança em relação à equipe e ao tratamento que irão receber; Prestar cuidados diretos de enfermagem; Participar dos programas de treinamento do pessoal de serviço; Testar os aparelhos antes do seu uso; Manter materiais sempre limpos e nos locais determinados, após o uso; Revisar material e medicações da caixa de parada; Supervisionar e controlar as atividades do pessoal subordinado; Solicitar encaminhamento do prontuário à supervisão de enfermagem, após alta, transferência ou óbito; Supervisionar e indicar limpeza e desinfecção das unidades de internação; Supervisionar e orientar preparo de material para esterilização; Acompanhar o médico em cuidados e técnicas especiais, Colaborar na avaliação das normas e rotinas; Avaliar desempenho da equipe auxiliar, coordenando suas atividades; Fazer conferência do material da supervisão; Admitir pacientes em tratamento clínico, cirúrgico e em pós-operatório, fazendo evolução dos mesmos; Supervisionar e orientar preparo de exames; Fazer curativos especiais e/ou treinar e supervisionar o funcionário nesta tarefa, Aprazar as prescrições médicas ; Avaliar o prontuário e evolução de enfermagem, rubricando-os e carimbando-os; Estar a par de todos os acontecimentos do plantão relacionados aos funcionários, pacientes, aparelhagem e materiais; Levar ao conhecimento da chefia todas as anormalidades ocorridas durante o plantão, Inteirar-se das medicações e materiais existentes no hospital; Encaminhar ao banco de sangue pedidos de sangue ou derivados, Comunicar ao SND as alterações de dieta no decorrer de 12 horas, por escrito; Comunicar ao SND as dietas zero, por escrito e assinadas; Fornecer ao médico atestados de óbito, juntamente com o livro da fiscalização sanitária. Não se esquecer de anotar, no livro de ordens e ocorrências da chefia, o nome do paciente, quarto, causa da morte, nome do médico atestante, hora e data do óbito, assim como o número do atestado; Observar características dos recém-natos; Orientar as puérperas quanto à importância do aleitamento materno; Avaliar, corrigir e assinar os balanços hídricos; Passar plantão no setor, completando as avaliações dos auxiliares de enfermagem; Fazer escala diária de pacientes para os auxiliares de enfermagem; Verificar a visita médica diária.

Padrões da Assistência Hoje segundo Alfaro-Lefevre, 2005

  • Expansão de papeis da Enfermagem

  • Diagnósticos e Tratamento: Uma Questão de Competência e Autoridade

  • Prática Altamente colaborativa

  • Incentivos a Parcerias

  • Ênfase no Monitoramento de Papeis

  • Diversificação de Responsabilidades

  • Enfermeiras precisam Demonstrar o seu Valor

  • Surgem Novas Doenças e Tratamentos

  • Exigência de Aprendizado Permanente

  • Cuidados de Saúde Orientados para as Necessidades do Consumidor e da Comunidade.

Padrões da Assistência - Realidade dos cuidados de Saúde Hoje segundo Alfaro-Lefevre, 2005

  • Cuidados Baseado em Evidência e as Melhores Práticas Desafios do Cuidado e do Reembolso

  • Troca para um Modelo de Previsibilidade

  • Refinamento de Caminhos Críticos e Protocolos

  • Padrões e Diretrizes de Prática

  • Mais Idosos e Doentes Crônicos

  • Direitos dos Pacientes e Necessidades Culturais

  • A Informática e a Busca de Unificação da Linguagem

  • Novas Preocupações Éticas

  • Controle de Casos

  • Centros de Saúde, Terapias Holísticas e Alternativas

  • Consumidores Educados

Diversidades de Habilidades Necessárias a Uma Enfermeira Hoje

Segundo Alfaro-Lefevre - 2005

Você deve ser capaz de:

  • Ser flexível e adaptar-se a ambientes e circunstâncias diferentes, identificando novos conhecimentos, habilidades e perspectivas, necessários a uma prática competente.

  • Resolver problemas, pensar de forma crítica e criativa, e responder a complexidades clínicas.

  • Tomar decisões independentes e conjuntas, levando em conta custos e envolvendo clientes e seus familiares como parceiros.

  • Obedecer aos prazos, demonstrando responsabilidade, auto-estima, autoconfiança, autocontrole, sociabilidade e integridade.

  • Colaborar com profissionais, colegas, pacientes, familiares e outros profissionais da saúde cultivando habilidades de comunicação, interpessoais e de pensamento em grupo.

  • Pensar de forma holística, cuidando do paciente como um todo, analisando o processo da doença e seu impacto e dos problemas relacionados sobre os estilos de vida dos indivíduos.

  • Promover a saúde por meio da educação da investigação de saúde da redução de fatores de risco e do controle de sintomas e de fatores causadores.

  • Tomar decisões éticas, baseadas em princípios éticos (novo código em vigor 12/05/2007)

  • Ensinar e aprender de forma eficiente, tirando vantagem dos estilos individuais de aprendizagem proferidos.

  • Investigar e responder necessidades e valores dos diferentes grupos étnicos e culturais diferentes, bem como aproximar-se de diversas personalidades, por meio da sensibilidade pessoal.

  • Defender os clientes e suas famílias, com a capacidade de apresentar o caso e de ouvir as necessidades dos outros, bem como, com o compromisso de promover o acesso aos cuidados de saúde a todas as pessoas, independentemente de pagamento.

  • Liderar, supervisionar e escutar além de captar as necessidades de sua equipe de trabalho.

  • Utilizar as informações além de organizar e manter arquivos, com o uso da informática, para auxiliar na interpretação e no processamento das informações.

  • Usar a tecnologia: selecionar equipamentos e instrumentos, manter e consertar equipamentos, aplicar tecnologia as tarefas e avaliar a adequação de equipamentos complexos e de custo elevado.

  • Usar os recursos: empregar tempo, dinheiro, materiais, espaço e recursos humanos no desenvolvimento de programas e no oferecimento de cuidados. Investigar sistemas sociais e organizacionais; monitorar e corrigir o desempenho; desenvolver ou aperfeiçoar sistemas.

  • Determinar o papel dos serviços comunitários, na prestação dos cuidados de saúde, proporcionando apoio conforme as necessidades.

  • Oferecer serviços ao consumidor, com uma compreensão clara daquilo que e importante para ele.

Conclusão:

A rotina torna o trabalho da supervisão de enfermagem, mais organizado e direcionado, sendo possível detectar logo o verdadeiro culpado por tarefas não feitas ou tarefas realizadas indevidamente. Concluímos então que a rotinas de enfermagem assistencial é uma área que contempla grandes e importantes atividades na instituição. Em todas as áreas existe uma busca contínua pelo conhecimento. Na área da saúde também há essa preocupação, objetivando garantir uma assistência qualificada e especializada aos enfermos.

Referências:

  • http://www.hospitalgeral.com.br

  • http://artigos.netsaber.com.br

  • http://www.ebah.com.br

  • http://www.sepex.ufsc.br

  • www.portalcoren-rs.gov.br/web/gerenciamento

8

Comentários