parto aborto puerperio

parto aborto puerperio

(Parte 1 de 7)

Acesse http://BlogEnfermagem.com Acesse http://BlogEnfermagem.com

Ministério da Saúde FEBRASGO

Parto, Aborto e Puerpério Assistência Humanizada à Mulher

Brasília, DF 2001

Acesse http://BlogEnfermagem.com

© 2001. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte.

Tiragem: 50 mil exemplares.

Ministro da Saúde José Serra

Secretário de Políticas de Saúde Cláudio Duarte da Fonseca

Coordenadora da Área Técnica de Saúde da Mulher Tânia di Giacomo do Lago

Produção, distribuição e informações:

Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher

Esplanada dos Ministérios, Bloco G, 6° andar

Fax: (61) 322-3912 1°. ed. 2001

Ficha catalográfica:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher.

Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada àmulher/

Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica da Mulher. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

199 p.: il.

1. Saúde– Mulher– Assistência humanizada. 2. Parto– Assistência humanizada. 3. Aborto– Assistência humanizada. I. Federação

Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. I. Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiras Obstetras. I. Título.

CDU 618.2 NLM WQ 200 DB 8

Acesse http://BlogEnfermagem.com

Acesse http://BlogEnfermagem.com Acesse http://BlogEnfermagem.com

Acesse http://BlogEnfermagem.com Acesse http://BlogEnfermagem.com

Assistir às mulheres no momento do parto e nascimento com segurança e dignidade é compromisso fundamental do Ministério da Saúde.

O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento estabelece os princípios da atenção que deve ser prestada e exorta estados, municípios e serviços de saúde a cumprirem seu papel, propiciando a cada mulher o direito de cidadania mais elementar, dar à luz, recebendo uma assistência humanizada e de boa qualidade.

O Ministério da Saúde apresenta esta publicação com o objetivo de disseminar conceitos e práticas da assistência ao parto entre os profissionais de saúde.

Pretende, principalmente, integrar a capacitação técnica à necessária humanização do processo de atenção à mulher durante a gestação e o parto. Desta forma, será possível resgatar para mulheres e profissionais de saúde a singularidade dente momento.

Acesse http://BlogEnfermagem.com

Acesse http://BlogEnfermagem.com Acesse http://BlogEnfermagem.com

7.Acompanhamento da mulher durante o trabalho de parto(Suporte64 psicossocial)

8.O controle da dor no trabalho de parto68 9.Assistência àmulher no parto normal77 10.Assistência à mulher no parto por cesárea87 1.Assistência àmulher no parto fórcipe96 12.Anestesia em Obstetrícia101 13.Assistência àmulher no parto de gestações de alto112 risco

Acesse http://BlogEnfermagem.com

Acesse http://BlogEnfermagem.com Acesse http://BlogEnfermagem.com

O conceito de atenção humanizada é amplo e envolve um conjunto de conhecimentos, práticas e atitudes que visam a promoção do parto e do nascimento saudáveis e a prevenção da morbimortalidade materna e perinatal. Inicia-se no pré-natal e procura garantir que a equipe de saúde realize procedimentos comprovadamente benéficos para a mulher e o bebê, que evite as intervenções desnecessárias e que preserve sua privacidade e autonomia.

A gravidez e o parto são eventos sociais que integram a vivência reprodutiva de homens e mulheres. Este é um processo singular, uma experiência especial no universo da mulher e de seu parceiro, que envolve também suas famílias e a comunidade. A gestação, parto e puerpério constituem uma experiência humana das mais significativas, com forte potencial positivo e enriquecedora para todos que dela participam.

Os profissionais de saúde são, coadjuvantes desta experiência e desempenham importante papel. Têm a oportunidade de colocar seu conhecimento a serviço do bem-estar da mulher e do bebê, reconhecendo os momentos críticos em que suas intervenções são necessárias para assegurar a saúde de ambos. Podem minimizar a dor, ficar ao lado, dar conforto, esclarecer, orientar, enfim, ajudar a parir e a nascer. Precisam lembrar que são os primeiros que tocam cada ser que nasce e ter consciência dessa responsabilidade.

Contudo, desempenhar este papel não é fácil. A maioria dos profissionais vê a gestação, o parto, o aborto e o puerpério como um processo predominantemente biológico onde o patológico é mais valorizado. Durante sua formação, doenças e intercorrências são enfatizadas e as técnicas intervencionistas são consideradas de maior importância. Entretanto, a gestação é um processo que geralmente decorre sem complicações. Os estudantes são treinados para adotar "práticas rotineiras", como numa linha de produção, sem a

Acesse http://BlogEnfermagem.com avaliação crítica caso a caso. Disto decorre um grande número de intervenções desnecessárias e potencialmente iatrogênicas.

Reconhecer a individualidade é humanizar o atendimento. Permite ao profissional estabelecer com cada mulher um vínculo e perceber suas necessidades e capacidade de lidar com o processo do nascimento.

Permite também relações menos desiguais e menos autoritárias, na medida em que o profissional em lugar de "assumir o comando da situação" passa a adotar condutas que tragam bem-estar e garantam a segurança para a mulher e o bebê.

Na prática, como alterar posturas arraigadas e introduzir uma abordagem humanizada?

Certamente, não será com normas ou manuais.

Para, de fato, mudar a relação profissional de saúde/mulher é necessário uma mudança de atitude que, de foro íntimo, depende de cada um.

Entretanto, algumas questões devem ser vistas como compromissos profissionais indispensáveis: estar sintonizado com novas propostas e experiências, com novas técnicas, praticar uma medicina baseada em evidências, com o olhar do observador atento. Reconhecer que a grávida é a condutora do processo e que gravidez não é doença. E, principalmente, adotar a ética como pressuposto básico na prática profissional.

Acesse http://BlogEnfermagem.com

Saúde no contexto sócio-cultural

A saúde não deve se restringir ao tradicional conceito de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação, mas deve ser abordada também no contexto cultural, histórico e antropológico, onde estão os indivíduos que se querem ver saudáveis ou livres de doenças. Essa abordagem é fundamental ao se analisar a questão da saúde da mulher brasileira, em especial daquela de menor renda, pois esta tem carências marcadas daquilo que se chama de "necessidades básicas", que interferem na sua saúde e seu bem-estar. Este mulher carece, freqüentemente, de alimentação, moradia, trabalho digno e adequadamente remunerado, educação, cultura, lazer, dentre outros. Evidentemente, essa "doença social" - que acomete um número expressivo de mulheres- determina ou agrava condições biológicas e psicológicas que põem em risco sua vida, sua saúde e seu bem-estar.

É com essa abrangência conceitual que será possível identificar estratégias e programas de saúde que possam reduzir a distância entre os vastos e importantes conhecimentos científicos e tecnológicos adquiridos neste século e sua limitada aplicação, com uma visão humanística, na promoção da saúde das pessoas.

(Parte 1 de 7)

Comentários