Macroalgas manguezal

Macroalgas manguezal

(Parte 1 de 2)

Artigo recebido em 09/2006. Aceito para publicação em 05/2007. 1Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Marinha, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ, 21944-970, Brasil. 2Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Biologia, Departamento de Botânica, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ, 21944-970, Brasil. 3Autor para correspondência: gisaeneida@biologia.ufrj.br

Gisa Eneida M. Machado1,3 & Cristina A. G. Nassar2

(Assembléia de macroalgas de dois manguezais do Parque Estadual da Serra do Mar – núcleo Picinguaba, São Paulo, Brasil) O presente trabalho caracteriza as assembléias de macroalgas de dois manguezais localizados no Parque Estadual da Serra do Mar (Ubatuba-São Paulo) avaliando a composição, a abundância, as variações espaço-temporais na biomassa e no estado reprodutivo das algas. Dez amostras foram coletadas aleatoriamente, em quatro campanhas, em três pontos de coleta ao longo dos Rios Picinguaba e Rio da Fazenda. Um total de 16 táxons foi identificado. Os táxons mais representativos em termos de freqüência de ocorrência e biomassa foram Bostrychia calliptera, Bostrychia moritziana e Bostrychia radicans. Os maiores valores de biomassa das amostras foram observados no ponto B do Rio Fazenda, em setembro (160,17 ± 75,51 g.m-2) e os menores no ponto C do rio Picinguaba, em março (24,85 ± 23,80 g.m-2). A ausência de uma tendência na distribuição das macroalgas indica que os rios apresentam condições semelhantes para o desenvolvimento das espécies típicas do “Bostrychietum”, possivelmente, devido à alta vazão dos rios, aliada à ausência de um período de seca ao longo do ano. Palavras-chave: manguezal, macroalgas, Unidade de Conservação.

(Seaweed assemblages on two sites of mangrove at the Núcleo Picinguaba – Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo State, Brazil) The present study characterizes the seaweed assemblages growing on trunks of mangrove trees in two rivers of the Serra do Mar State Park - Núcleo Picinguaba (Ubatuba County, São Paulo State) evaluating composition, abundance, temporal and spatial distribution variations and reproductive phases of seaweeds. Ten samples were randomly collected on four collecting events at three different mangrove sampling sites along the rivers Picinguaba and Fazenda, and 16 seaweed taxa were reported. The more expressive species in terms of frequency and biomass were Bostrychia calliptera, Bostrychia moritziana and Bostrychia radicans. The highest values were observed on samples from site B at the River Fazenda in September (160.17 ± 75.51 g.m-2), while the lowest values were found on samples from site C at the River Picinguaba in March (24.85 ± 23.80 g.m-2). No clear pattern in the distribution of the species was found. The obtained results indicate that both rivers are under similar environmental conditions for the growth of the “Bostrychietum” species, probabily due to the high water volume of both rivers combined with the lack of a dry season along the year. Keywords: mangrove, seaweeds, conservation unit.

O norte do estado de São Paulo tem passado por alterações decorrentes de interferências antrópicas e naturais, que se tornaram marcantes com o início da construção da rodovia Rio-Santos em 1975 e se agravaram, posteriormente, com a implantação da rodovia BR-101 (Silva & Silva 1997). A forte inclinação das encostas, devido à proximidade da Serra do Mar, e a ocorrência de chuvas torrenciais, inclusive as denominadas “trombas d’água”, tornam o risco de deslizamento nas encostas e o assoreamento dos rios um problema constante (Ferreira 2001).

O Parque Estadual da Serra do Mar

(PESM) foi criado em 1977 pelo Decreto-Lei 10.251/SP e teve a região da Picinguaba incorporada em 1979 (Sousa et al. 2006). O Núcleo Picinguaba possui aproximadamente

836Machado, G. E. M. & Nassar, C. A. G.

Rodriguésia 58 (4): 835-846. 2007

47.0 ha de Mata Atlântica, o que representa a maior área contínua de Mata Atlântica preservada do país e o único ponto onde o PESM atinge a orla marítima. Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Brasil 2000), como unidade de conservação de proteção integral, a modalidade “Parque Estadual” tem como finalidade “proteger atributos excepcionais da natureza”, neste caso, o que restou da Mata Atlântica no estado de São Paulo, bem como o mosaico de ecossistemas a ela associada, tais como restingas e manguezais.

Os manguezais são ecossistemas litorâneos que se destacam pela alta produtividade e pelo papel fundamental que desempenham no histórico de vida de inúmeros organismos marinhos (Branco et al. 2003). Na costa sudeste do Brasil, os manguezais correspondem a apenas 9,9% da área ocupada por esse ecossistema no litoral brasileiro (Schaeffer-Novelli et al. 1990), o que torna urgente estudos nos locais onde eles ainda estão preservados.

No Brasil, um grande número de estudos com macroalgas de manguezais se caracteriza pelo enfoque florístico (Mitchell et al. 1974; Hadlich 1984; Por et al. 1984; Hadlich & Bouzon 1985/7; Paula et al. 1989; Braga et al. 1990; King et al. 1991; Fortes 1992). Alguns estudos abordam aspectos das variações espaciais e temporais (Miranda 1986, Miranda et al. 1988; Pinheiro-Joventino & Lima-Verde 1988; Miranda & Pereira 1989/90; Yokoya et al. 1999), outros tratam de aspectos relacionados a biomassa e cobertura (Oliveira 1984; Paula et al. 1989; Eston et al. 1991, 1992; Pereira 1996; Cutrim 1998; Pereira & Eskinazi-Leça 1999; Pereira 2000; Cunha & Costa 2002), e um trabalho (Cunha & Duarte 2002) aborda aspectos da fisiologia do gênero Bostrychia. A ocorrência do grupo de algas vermelhas denominado “Bostrychietum” (Post 1968), que se caracteriza pela associação de espécies dos gêneros Bostrychia, Caloglossa, Catenella e Murrayella, é comum aos estudos citados acima.

Apesar da importância do Parque Estadual da Serra do Mar, até o momento inexistem citações de macroalgas para o local, o que torna o presente estudo de fundamental importância, contribuindo para a gestão dessa unidade de conservação.

O presente trabalho tem como objetivo caracterizar as assembléias de macroalgas de dois manguezais localizados no Parque Estadual da Serra do Mar (Ubatuba-São Paulo) através da avaliação da composição, da abundância (peso seco) e da variação temporal e espacial na biomassa e no estádio reprodutivo das algas.

O Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar (Ubatuba-São Paulo) tem em seu território uma extensa área ocupada por manguezais. Os manguezais estudados (23°22’0’’S e 44°50’12’’O) são formados pelos Rios Picinguaba e da Fazenda, cujas nascentes estão localizadas a 800 m e 1220 m de altitude, respectivamente. Estes rios percorrem, aproximadamente, 8,5 km até atingirem o mar e não apresentam meandros até alcançarem a região plana do estuário, que apresenta cerca de 800 metros de extensão (IBGE 1974).

Segundo Silva & Silva (1997) a vegetação arbórea dos manguezais do Núcleo Picinguaba é pouco desenvolvida devido às condições climáticas desfavoráveis e a constituição do solo. A área possui solo arenoso com pouca formação de substrato lamoso. Já o clima é do tipo quente e úmido, com temperaturas elevadas e altos índices pluviométricos (Silveira 1964). As chuvas ocorrem ao longo de todo o ano (Köppen 1984), sem períodos de seca (IBGE 2004). De acordo com dados fornecidos pelo Instituto Agronômico de Campinas – IAC, em 2004 a temperatura durante o ano de coleta variou de 17,8 a 26,6° C. O volume total de chuvas foi de 2.352,4 m (média de 6,4 m/dia), com o maior volume tendo ocorrido em janeiro (331,5 m) e o menor em agosto (29,6 m).

A temperatura (termômetro de mercúrio,

Incoterm 74536/01), a salinidade (refratômetro, OSK 16945) e o pH (Hagen Master Test Kit) da água foram mensurados apenas uma vez cada coleta, a 40 cm abaixo da superfície da linha d’água.

Macroalgas de Picinguaba

Rodriguésia 58 (4): 835-846. 2007

Foram estudados três pontos de coleta em cada rio (Picinguaba e Fazenda), uma a montante (ponto A), uma intermediária (ponto B) e a última a jusante do rio (ponto C) (Fig. 1). As coletas foram realizadas nos meses de março, junho, setembro e dezembro de 2004.

As amostras foram obtidas de forma aleatória. A direção a ser percorrida foi indicada por consecutivos lançamentos de um dado, onde cada número correspondeu a uma direção (norte, sul, leste e oeste). Em seguida, foram selecionados os primeiros dez números de uma tabela de números aleatórios que corresponderam ao número de passos a serem percorridos na direção indicada. Uma vez que a posição foi alcançada, a coleta foi realizada no tronco mais próximo. O procedimento foi repetido até que 10 réplicas houvessem sido coletadas (adaptado de Eston et al. 1991). Para minimizar o impacto sobre as árvores, considerando que o local é uma unidade de conservação, as amostras foram coletadas por raspagem superficial dos troncos.

As amostras consistiram em algas coletadas em uma faixa de 10 cm de largura ao redor dos troncos (metodologia adaptada de Cutrim

1998). A área raspada de cada tronco foi estimada multiplicando-se a circunferência dos troncos pela largura da faixa. As amostras foram coletadas a 20 cm, altura onde havia a maior densidade visual de macroalgas. Os valores finais foram convertidos para g.m-2 e expressos como média ± desvio padrão. Em junho e em dezembro de 2004, foram realizadas buscas em raízes aéreas (pneumatóforos) e rochas presentes nos pontos de coleta. As amostras foram lavadas sobre uma peneira e em seguida fixadas em,uma solução de formaldeído a 4%.

No laboratório, as amostras foram triadas com o auxílio de pinças sob microscópio estereoscópico e as algas identificadas, quando possível, até o nível de espécie. A nomenclatura das espécies seguiu Wynne (2005). Após a triagem, as espécies foram levadas à estufa (60o C) até atingirem massa constante e, em seguida, pesadas em balança digital com precisão de 0,01 g.

O esforço reprodutivo das populações das espécies encontradas foi determinado a partir da relação entre o número de amostras em que a espécie estava fértil e o número de amostras em que a espécie foi encontrada.

Figura 1 - Localização do Núcleo Picinguaba e pontos de coleta (A, B e C) nos rios Fazenda e Picinguaba.

838Machado, G. E. M. & Nassar, C. A. G.

Rodriguésia 58 (4): 835-846. 2007

Na análise estatística dos dados, o Índice de Similaridade de Bray Curtis foi aplicado à média da massa seca dos táxons por data e ponto de coleta. O resultado foi expresso em um dendrograma formado a partir do grupamento das amostras por média não ponderada.

A diferença entre a biomassa total das amostras por ponto de coleta foi estimada através de análise de variância (ANOVA) unifatorial. Os dados foram testados quanto à normalidade (teste de Shapiro) e homogeneidade das variâncias (teste de Cochran, Hartley e Bartlett). No caso de diferenças significativas (p < 0,05), estas foram localizadas através do teste de Tukey.

A correlação entre temperatura e salinidade e a média da biomassa das espécies foi estimada através do teste de r de Pearson. Para todos os cálculos foi utilizado o pacote estatístico Statistica v. 6.0.

A temperatura da água mais elevada foi observada em dezembro (22o C) e a mais baixa em junho e setembro (17o C). No rio Fazenda a menor salinidade foi 2 e a maior 5. Já no rio Picinguaba a menor salinidade foi 3 e a maior 13 (Tab. 1). Os valores mais baixos foram sempre observados no ponto A, de ambos os rios. Não foi observada variação no pH dos pontos de coleta (pH =7).

As macroalgas foram observadas recobrindo os troncos das árvores nos dois manguezais estudados. Um total de 13 táxons foi identificado nas amostras coletadas sobre os troncos (Tab. 2). Além desses, outros três táxons foram coletados em pneumatóforos e rochas: Gayralia oxysperma (Kütz.) K.L.Vinogr. ex Scaget et al.; Polysiphonia denudata (Dillwyn) Grev. ex Harv. e Bostrychia tenella (J.V.Lamour.)

Tabela 1 - Salinidade e temperatura da água nos pontos de coleta nos rios Fazenda e Pincinguaba durante as coletas em 2004.

Rio FazendaRio Picinguaba

salinidade A 2 2 3 3 3 4 4 5 B 2 3 3 4 4 4 413 C 2 3 3 5 5 5 412

Tabela 2 - Relação dos táxons identificados nos manguezais dos rios da Fazenda e Picinguaba.

TáxonsRio PicinguabaRio da Fazenda

Boodleopsis pusilla (Collins) W. R. Taylor, A.B. Joly & Bernat.++ Chaetomorpha sp.++ Cladophora vagabunda (L.) C. Hoek++ Ulva flexuosa Wulfen subsp. flexuosa++ Rhizoclonium africanum Kütz++ Rhizoclonium riparium (Roth) Kütz. ex Harv.++ Bostrychia calliptera (Mont.) Mont++ Bostrychia moritziana (Sond. ex Kütz.) J. Agardh++ Bostrychia radicans (Mont.) Mont.++ Caloglossa leprieurii ( Mont.) G. Martens++ Caloglossa ogasawaraensis Okamura++ Catenella caespitosa (Wither.) L.M.Irvine++ Compsopogon sp.+-

Macroalgas de Picinguaba

Rodriguésia 58 (4): 835-846. 2007

J.Agardh, no ponto C de ambos os rios. A presença de cianobactérias (Lyngbia e Microcoleus chthonoplastes Thuret ex Gomont.) foi observada em 63% das amostras.

Em geral, a menor riqueza de táxons (Fig. 2) foi observada no ponto A de ambos os rios (6 táxons). Já a maior riqueza foi encontrada no rio Picinguaba no ponto B (10 táxons) e no rio Fazenda no ponto C (1 táxons). O ponto A (a montante), com a menor salinidade (salinidade = 2), apresentou número menor de espécies em todas as coletas, enquanto os pontos B e C (a jusante), com valores de salinidade mais elevados, apresentaram um número maior de espécies. Apesar da diferença, não foi observada correlação significativa entre o número de espécies e a salinidade (r=0,15, p>0,05) ou temperatura (r=0,07, p>0,05) no momento da coleta.

Os maiores valores de biomassa foram observados no ponto B do rio Fazenda, em setembro (160,17 ± 75,51 g.m-2) e os menores no ponto C do rio Picinguaba, em março (24,85 ± 23,80 g.m-2). Entre os rios, apenas a coleta do mês de setembro, no ponto B, apresentou diferença significativa (F= 9,146, p<0,001) (Fig. 3).

No rio Fazenda, houve diferença significativa na biomassa entre os pontos de coletas nos meses de junho (F= 7,42, p<0,05) e setembro (F= 12,78, p<0,001). Já no rio Picinguaba, a diferença entre os pontos foi significativa nos meses de setembro (F= 3,74, p<0,05) e dezembro (F= 1,23, p<0,001).

Quanto aos meses de coleta, os três pontos no rio Fazenda apresentaram diferenças significativas na biomassa de algas: A (F=6,32, p<0,05); B (F= 7,06, p<0,001) e C (F= 8,653, p<0,001). No rio Picinguaba, a diferença entre as biomassas só foi observada no ponto C (F=13,53, p<0,001) (Fig. 2).

O gênero Bostrychia apresenta os valores mais elevados de percentual de ocorrência e de biomassa em ambos os rios. B. radicans foi observada em todas as amostras, com os valores quase sempre elevados, enquanto B. calliptera e B.moritziana se alternaram como espécies associadas a B. radicans. Além dessas, Catenella caespitosa também apresentou biomassa elevada, especialmente nos pontos A e B de ambos os rios (Tab. 3).

(Parte 1 de 2)

Comentários