Medicamentos Utilizados em UTI

Medicamentos Utilizados em UTI

(Parte 3 de 3)

Após administração IV podem ocorrer efeitos vagotrópicos: bradicardia, hipotensão, broncoespasmo, miose, soluço, náusea e mais raramente vômito. Estes normalmente regridem c/ a administração de pequenas doses de atropina.

Pode ocorrer também taquicardia especialmente após o uso endovenoso. Após aplicação por via endovenosa, podem ocorrer dor e eritema no local da aplicação. Como reações adversas em nível periférico podem ocorrer alterações da micção e obstipação intestinal.Podem ocorrer sedação, euforia, depressão respiratória, confusão mental e tonturas. Podem ocorrer convulsões, especialmente em pacientes recebendo altas doses de Dolantina e em casos de alterações preexistentes da função renal e de aumento da suscetibilidade a convulsões.

A utilização de Dolantina durante a gestação pode afetar o recém-nascido, sendo que pode haver depressão respiratória do mesmo após o parto. Por esta razão, o recém-nascido deve ficar em observação, por no mínimo 6 horas, após o nascimento. Se houver depressão respiratória poderá ser administrado antagonista opiáceo (p. ex.: naloxona). Em casos raros podem ocorrer reações de hipersensibilidade e até choque anafilático após a administração de Dolantina.

Mecanismo de ação:

Dolantina (cloridrato de petidina) deve ser usada com cuidado quando em associação com outros analgésicos potentes, medicamentos que diminuem o limiar de convulsões, inibidores da MAO, derivados fenotiazínicos e álcool. O uso concomitante com inibidores da MAO pode causar sintomas de choque, depressão respiratória e coma. Dolantina (cloridrato de petidina) quando utilizada com buprenorfina e pentazocina e seus derivados pode ter seu efeito atenuado. Medicamentos depressores do SNC como os barbitúricos e outros hipnóticos podem potencializar a sedação e a depressão respiratória causada pela Dolantina (cloridrato de petidina).

Cuidados de enfermagem:

*Observar melhora quadros algicos e comunicar equipe médica;

*Informar que tabagismo e álcool podem aumentar concentração da droga durante tratamento;

*Produto não pode ser tomado por mais de 10 dia;

*Orientar não ingerir produto depois das refeições com alto teor de gordura;

*Informar paciente durante aplicação IV, pode ter taquicardia.

DOPAMINA (cardiotônico não-digitálico)

Indicação:

Choque séptico, cardiogênico e baixo fluxo renal; disfunção miocárdica e baixo fluxo. Após PCR: indicação para ocasionar hipertensão transitória, melhorando a perfusão cerebral.

Mecanismo de ação:

Precussor imediato da síntese endógena de noradrenalina,ativando ainda os receptores beta-1 estimulando a liberação de noradrenalina no miocárdio. Possui ação de dose dependente ou seja sua ação no indivíduo depende da dosagem que ele irá receber do fármaco, sendo responsável pela estimulação de receptores alfa, beta e dopa-adrenérgico, promovendo significante liberação endógena de noradrenalina.

Efeitos colaterais:

Dependem da sensibilidade dos receptores à droga;

Arritmia cardíaca (taquicardia ventricular e supraventricular);

Elevação da PA em níveis indesejáveis;

Poliúria com conseqüente desequilíbrio hidroeletrolítico;

Aumento da pressão capilar pulmonar por venoconstrição;

Náuseas e vomito quando em doses elevadas;

Acentuação hipoxemia;

Lesões necróticas na pele;

Bradicardia, palpitações, precordialgia, dispnéia, cefaléia;

Vasoconstrição periférica, intumescência ou formigamento dos pés e mãos, frio e dor nas mãos e pés.

Cuidados de enfermagem:

*A medicação deve ser administrada exatamente conforme recomendado;

*Durante a terapia monitore: PA,ECG,PVC,débito e freqüência cardíaca, balanço hídrico, cor e temperatura das extremidades e diante de um aumento desproporcional da PA diastólica, reduza o fluxo da infusão e acione o enfermeiro e ou médico;

*IV: dilua em soro fisiológico 0,9% ou glicosado 5%, infunda em uma veia de grosso calibre;

*Não administrar juntamente com soluções alcalinas (bicarbonato de sódio);

*Solução deve ser trocada a cada 2hs;

*Atentar para cefaléia, tonteira, náuseas, tremores e ansiedade;

*Trocar dripping de 24/24 hs após sua instalação;

NORADRENALINA

Indicação:

Choque distributivo(séptico), choque cardiogênico, IAM,insuficiência coronariana e aumento da perfusão renal (baixas doses).

Mecanismo de ação:

Possui efeito predominante de estímulo alfa-adrenérgico, aumentando o débito cardíaco e a contratilidade miocárdica. Possui efeito vasoconstritor, por isso aumenta o retorno venoso. No sistema cardiovascular estão relacionadas ao aumento do influxo celular de cálcio e mantem a pressão sanguínea em níveis normais.

Efeitos colaterais:

Necrose no lugar da aplicação pela constrição geral e prolongada. Prejuízo na perfusão dos órgãos, diminuição do volume urinário, ansiedade e dispnéia.

Cuidados de enfermagem:

*Observar e registrar freqüência cardíaca, PA;

*Registrar traçado eletrocardigráfico no momento da administração do fármaco;

*Observar sinais de palidez cutâneo-mucosa, tremores musculares e náusea;

*Indagar sobre o cliente ser portador de glaucoma, angina pectos e aterosclerose;

*Registrar glicemia capilar e dosagens de hormônios tireoidianos;

*Administrar medicação o mais proximal possível da inserção venosa

*Não administrar dripping em veia periférica.

BIBLIOGRAFIA:

LIVRO ENFERMAGEM:UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

LIVRO CÁLCULO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA ENFERMAGEM

LIVRO ASSITÊNCIA A PACIENTES CRÍTICOS

DUPLA:

EDNA BARBOSA

LUCIANA S.SOARES

TURMA B20

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM

MÓDULO ENFERMAGEM MÉDICA

PROFESSORA: MERYELEM GÓES

(Parte 3 de 3)

Comentários