(Parte 6 de 17)

Em quase todo o país, predominando nas áreas de pequenas propriedades rurais. Têm origens e funções bem diversas.

Coloniais

Geralmente estabelecidas pelos grupos imigrantes, freqüentes nos Estados sulinos, com destaque para a região do Rio Grande do Sul.

3. Hábitat urbano

Cidade é um "organismo material fechado que se define no espaço pelo alto grau de relações entre seus habitantes, pelas suas relações com um espaço maior e pela independência de suas atividades em relação ao solo onde está localizada".

As definições de cidade são diferentes, mas a maioria delas concorda num ponto: trata-se de um aglomerado humano, variando em número e na sua relação com o espaço (sua área).

No Brasil, a partir de uma lei em 1938, utiliza-se o critério político-administrativo para se definir a cidade, sendo assim considerada toda sede de Município, não importando sua população nem expressão econômica.

Município é uma sociedade capaz de autogoverno e autoadministração dos serviços que Ihe são peculiares. Ao Município, em colaboração com o Estado, compete zelar pela saúde, higiene e segurança da população.

Classificação das Cidades Quanto à Origem Cidades espontâneas ou naturais Aquelas que surgiram naturalmente, a partir da expansão de antigos hábitats rurais aglomerados nas diversas fases do desenvolvimento da economia brasileira: a) Feitorias (escalas de expedições marítimas para defender e explorar as terras coloniais) - Cabo Frio (RJ); Santa Cruz de Cabrália (BA). b) Defesa (fortificações) - Fortaleza (CE); Manaus (AM); Natal (RN). c) Missões religiosas - São Paulo; Guarapari (ES). d) Mineração - Ouro Preto (MG); Cuiabá (MT). e) Entroncamento Ferroviário – Bauru, Mairinque (SP). f) Núcleo de Colonização - Londrina, Maringá (PR), Blumenau, Joinville (SC); Caxias do Sul,

Bento Gonçalves (RS). g) Arraiais do Bandeirismo Minerador - (as chamadas corrutelas das áreas diamantíferas) -Poxoréo (MT); Aragarças (GO).

Cidades planejadas ou artificiais Criadas a partir de um plano previamente estabelecido. No Brasil, temos:

Belo Horizonte (MG) 1898 Goiânia (GO) 1937

Quanto à evolução urbana, convém observar que possuímos cidades-mortas, felizmente sendo raros os exemplos de morte absoluta, de desaparecimento total, porque estamos livres de erupções vulcânicas ou terremotos e nunca sofremos os flagelos das guerras de extermínio ou de invasões arrasadoras; apenas a construção de barragens e o represamento de águas fluviais para produção de energia hidrelétrica têm sido responsáveis por tais mortes, como aconteceu com a mineração do ouro e das pedras preciosas.

Classificação das Cidades quanto ao Sítio Urbano

O sítio urbano é a área em que o aglomerado está assentado. É o "assoalho" da cidade. Assim, temos:

a) Acrópole ou Colina (geralmente com objetivos defensivos) - Salvador (BA), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

b) Planície - Manaus (AM), Belém (PA) e Santarém (PA); c) Planalto - Brasília (DF) e Cuiabá (MT); d) Montanhas - Ouro Petro (MG), Campos do lordão (SP) e Belo Horizonte (MG); e) Insular - São Luís (MA), Vitória (ES), Florianópolis (SC) e Guarujá (SP).

Observação

As cidades de São Luís, Vitória, Santos e São Francisco não podem ser consideradas cidades insulares típicas, já que apresentam íntimo contato com o continente e mal se percebe a passagem deste para a ilha. Já no caso de Florianópolis, por exemplo, a insularidade é marcante.

A situação da cidade em relação aos elementos do meio físico que lhe são próximos explica a sua evolução e permite a seguinte classificação.

Fluvial:

ò Juazeiro (BA); ò Manaus (AM); ò Porto Alegre (RS) ò Pirapora (MG); ò Cuiabá (MT); e ò Corumbá (MS).

Grande é o número de cidades brasileiras localizadas junto a rios ou em suas proximidades. Destacam-se da Amazônia (nos "tesos" ou "baixos" - platôs), do médio e baixo São Francisco, do alto-médio Paraguai.

Dessas cidades, umas poucas são localizadas em estuários, sendo raras as que se assuntam junto a deltas (como é o caso de Parnaíba, no Piauí). Por vezes, prolongam-se para outra margem, fazendo nascer bairros autônomos, que no Meio-Norte denominavam-se "trezidelas". Noutros casos, deixam os rios a certa distância, fixandose no vale fluvial, em terrenos livres das inundações, sobre "terraços", como se verifica no Vale do Paraíba do Sul, no âmbito da planície terciária.

Marítima ò Rio de Janeiro (RJ) ò Natal (RN) ò Paranaguá (PR) ò Salvador (BA) ò Santos (SP)

Litorânea (não banhada pelo mar) ò Cubatão (SP) ò Itabuna (BA)

Interiorana ò Campinas (SP) ò Bauru (SP); ò Ribeirão Preto (SP)

Classificação das cidades quanto à função urbana

A atividade básica em função da qual vive a cidade, e da qual se origina o seu Produto Interno Bruto, permite a seguinte classificação:

Comercial ò São Paulo (SP) ò Campina Grande (PB) ò Caruaru (PE) ò Feira de Santana (BA)

Industrial ò Volta Redonda (RJ) ò Santo André (SP) ò Franca (SP) ò Sorocaba (SP) ò Cubatão (SP) ò Guarulhos (SP) ò Betim (MG)

Religiosa ò Aparecida do Norte (SP)ò Bom Jesus da Lapa (BA)ò Pirapora do Bom Jesus (SP)ò Tambaú (SP)ò Juazeiro do Norte (CE)

Estação de saúde ò Campos do Jordão (SP)ò Araxá (MG)ò Serra Negra (SP)ò Águas de Lindóia (SP)

Turística (balneária) ò Guarujá (SP) ò Camboriú (SC) ò Guarapari (ES) ò Torres (RS) ò Cabo Frio (RJ) Militar estratégica ò Resende (RJ)ò Vila dos Remédios (FN)

Turística (histórica) ò Ouro Preto (MG)ò Parati (RJ)ò Congonhas do Campo (MG)

Portuária ò Santos (SP) ò Paranaguá (PR) ò Rio Grande (RS) ò Vitória (ES)

Administrativa ò Brasília (DF) ò Florianópolis (SC)

Classificação das Cidades quanto à Hierarquia Urbana É expressa pela rede urbana que a cidade apresenta e sua posição de polarização sobre as demais.

Metrópole nacional Aquela cuja área de influência abrange todo o território nacional. Ex.: São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

Metrópole regional

Aquela cuja área de influência abrange uma região do País, polarizando esta área através de infra-estrutura e equipamentos urbanos.

Capital regional

O espaço regional polarizado é menor e representa uma posição hierárquica intermediária entre o centro regional e a metrópole regional. Ex.: Campinas (SP), Sorocaba (SP), Goiânia (GO), Santos (SP) e São José dos Campos (SP).

Centro regional

Diretamente influenciado pela capital regional e que polariza um subespaço dentro da área de influência da capital regional. Ex.: Americana (SP), Itapetinga (SP), Anápolis (GO), Cubatão (SP) e Jacareí (SP). 4. Urbanização

É um processo de criação ou de desenvolvimento de organismos urbanos. Certos períodos foram especialmente favoráveis ao desenvolvimento da vida urbana. No Brasil, o desenvolvimento da urbanização teve um incremento a partir de 1930, quando o desenvolvimento industrial se intensificou, acarretando o crescimento rápido das cidades, principalmente do Sudeste, por receberem a população do campo atraída pela indústria.

Recentemente, o processo abrange quase todas as partes do país, não só pela indústria, mas por outras atividades econômicas ou expansão de serviços.

Em 1970, o Brasil atingiu um total de 3.951 cidades. Dentre estas, nove transformaram-se em grandes aglomerados urbanos, denominados metrópoles, constituídos pela cidade principal e por núcleos urbanos de maior importância, situados à sua volta em sua função.

Causas da urbanização: ò processo de industrialização a partir de 1930; ò êxodo rural: precárias condições no campo e atração das cidades; ò concentraçâo rápida no Sudoeste; ò crescimento rápido e caótico das cidades.

5. Megalópoles

(Parte 6 de 17)

Comentários