apostila fiação

apostila fiação

(Parte 1 de 11)

CURSO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO MÓDULO 2

O Processo Produtivo da Cadeia Têxtil

A seguir, será abordado o processo produtivo têxtil e suas características; serão descritos também os principais elos componentes da cadeia têxtil. Segundo IEL (2000), a definição da cadeia produtiva têxtil tem seus contornos básicos definidos na figura abaixo:

Algodão

Poliamida Seda

Poliéster Linho Elastano Viscose Lã

Polipropileno Acetato Juta

Fibras Sintéticas Fibras Artificiais Fibras Naturais

Fiação

Malharia Tecelagem

Acabamento

Confecção Desenho 1: A Cadeia Têxtil - Fonte: IEL (2000, p. 21).

A cadeia produtiva têxtil, conforme a figura acima, integra a produção de fibras (sintéticas, artificiais e naturais), fiação, tecelagem e malharia, estamparia, acabamento/beneficiamento abastecendo as indústrias do setor de confecções.

Para o Sebrae – SP e o IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas (2001, p. 5), a indústria têxtil é constituída dos segmentos de fiação, tecelagem e acabamento de fios e tecidos, sendo que o segmento de tecelagem subdivide-se, por sua vez, em tecelagem plana e malharia. Cada um destes segmentos pode oferecer ao mercado um produto acabado e pode na prática, estar desconectado dos demais. Afirma ainda o Sebrae – SP & IPT (2001, p. 5), que “embora os segmentos ou etapas do processo se interliguem pelas características técnicas dos produtos a serem obtidos, essas etapas não precisam necessariamente serem todas internalizadas pelas empresas”.

As atividades produtivas do segmento têxtil são atividades interdependentes, porém com relativa independência dentro do processo produtivo, o que permite a coexistência de empresas especializadas e com diferentes graus de atualização tecnológica. O resultado de cada etapa de produção pode alimentar a etapa seguinte, independentemente de fatores como escala e tecnologia de produção.

Desta forma, existem indústrias têxteis que possuem somente o subsetor de fiação, atuando como fornecedor para as indústrias que atuam nos subsetores de malharia e tecelagem plana, assim como existem indústrias totalmente verticalizadas, onde atuam em todos os subsetores produtivos têxteis como fornecedores para as indústrias de confecção e vestuário.

A figura abaixo apresenta os principais elos entre os subsetores do complexo têxtil:

Fornecedores

Industriais

Setor Têxtil Clientes

Confecção do Vestuário

Máquinas

Fibras Naturais

Fibras Artificiais e Sintéticas

Fiação Tecelagem P lana,

Malharia e Nãotecido

Beneficiamento e Estamparia

Confecção de Acessórios

Artigos para o Lar

Artigos Técnicos e Industriais

Corantes Desenho 2: Principais Segmentos do Complexo Têxtil - Fonte: Filho et al. (1997, p. 64).

Conforme o ilustrado na figura acima, os segmentos de máquinas e de fibras são fornecedores industriais do setor têxtil, sendo que o segmento de confecções do vestuário é o principal cliente do setor. Porém, os segmentos dedicados à produção de bens de uso doméstico, hospitalar e industrial apresentam crescente participação na absorção da produção têxtil mundial.

Em suma, os artigos produzidos pelo setor têxtil podem ser agrupados em quatro grandes segmentos: fios têxteis, tecidos, malhas, nãotecidos, beneficiamento e acabamento de tecidos planos e malhas.

Matéria-Prima

Abertura e Separação das Fibras

Limpeza

Paralelização Parcial e

Limpeza

Limpeza e

Paralelização Final

Regularização

Afinamento

Torção

Embalagem

Produto Final

Os Fios Têxteis e a Tecnologia da Fiação

O fio têxtil é o produto final da etapa de fiação, sendo que sua característica principal é o diâmetro ou espessura (tecnicamente chamado de título do fio). O fio têxtil pode ser fabricado a partir de fibras naturais, artificiais e sintéticas, que são a matéria-prima utilizada. No que concerne ao tipo de matéria-prima utilizada no Brasil, constata-se que cerca de 70% desta fibra de algodão, 25% de fibras artificiais e sintéticas e 5% de linho, lã, seda, e outras.

O processo de produção de fios, também chamado de fiação, compreende diversas operações por meio das quais as fibras são abertas, limpas e orientadas em uma mesma direção, paralelizadas e torcidas de modo a se prenderem umas às outras por atrito. Entre estas operações temos: abertura e separação das fibras, limpeza, paralelização parcial e limpeza, limpeza e paralelização final, regularização, afinamento, torção e embalagem.

Fardos

Alimentador Misturador

(Parte 1 de 11)

Comentários