[Processos de Fundição] Aula 05 - Processos de Fundição

[Processos de Fundição] Aula 05 - Processos de Fundição

(Parte 3 de 4)

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição por Centrifugação

Nesse processo o molde tem um movimento de rotação.

A força centrifuga faz com que o metal líquido vá de encontro às paredes do molde, onde solidifica.

O cilindro que atua como molde é rodeado por uma camisa de água

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico Fundição por Centrifugação

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição à Vácuo

Esse processo é semelhante ao de fundição com areia verde. A diferença está na existência de vácuo que facilita o preenchimento do molde.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição por Moldes Permanentes

Uma das aplicações mais importantes de moldes permanentes, que são moldes metálicos, é na produção de lingotes.

Lingotes são fundidos de forma cilíndrica ou prismática, os quais são processados termomecanicamente.

Podem ser também produzidos moldes metálicos para a produção de peças, como no caso dos processos apresentados anteriormente.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição por Moldes Permanentes

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição Sob Pressão

Os moldes metálicos utilizados em fundição sob pressão são chamados de matrizes.

A matriz, feita de aço ferramenta tratado termicamente, é geralmente construída em duas partes que são fechadas hermeticamente no momento do vazamento do metal líquido.

O metal é bombeado na cavidade da matriz sob pressão suficiente para o preenchimento total de todos os seus espaços e cavidades.

A pressão é mantida até que o metal se solidifique.

Então, a matriz é aberta e a peça ejetada por meio de pinos acionados hidraulicamente.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição Sob Pressão

Muitas matrizes são refrigeradas a água. Isso é importante para evitar superaquecimento da matriz, aumentando sua vida útil e evitando defeitos nas peças.

O processo de fundição sob pressão realizado na máquina de câmara quente utiliza um equipamento no qual existe um recipiente aquecido (forno), onde o metal líquido está depositado.

No seu interior está um pistão hidráulico que, ao descer, força o metal líquido a entrar em um canal que o leva diretamente à matriz.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição Sob Pressão

A pressão exercida pelo pistão faz com que todas as cavidades da matriz sejam preenchidas, formando-se assim a peça após a solidificação.

Logo após a solidificação do metal, o pistão retorna à sua posição inicial, mais metal líquido entra na câmara, por meio de um orifício, e o processo reinicia.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico Fundição Sob Pressão

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição Sob Pressão

Já a máquina de fundição sob pressão de câmara fria é utilizada, quando a liga apresenta ponto de fusão elevado, prejudicando o sistema de bombeamento (cilindro e pistão).

Este processo é empregado principalmente para fundir ligas de alumínio, magnésio e cobre.

O princípio de funcionamento desse equipamento é o mesmo do equipamento que utiliza câmara quente.

A diferença é que o forno que contém o metal líquido é uma unidade independente, de modo que o sistema de injeção não fica dentro do banho de metal.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico Fundição Sob Pressão

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Fundição Sob Pressão

Como todo o processo de fabricação, a fundição sob pressão tem uma série de vantagens e desvantagens.

Vantagens:

• peças de ligas como as de alumínio, fundidas sob pressão, apresentam maiores resistências do que as fundidas em areia;

• as peças fundidas sob pressão podem receber tratamento de superfície com um mínimo de preparo prévio da superfície;

• possibilidade de produção de peças com formas mais complexas;

• possibilidade de produção de peças com paredes mais finas e tolerâncias dimensionais mais estreitas;

• alta capacidade de produção;

• alta durabilidade das matrizes

(Parte 3 de 4)

Comentários