(Parte 1 de 2)

OBJETIVOS DESTE TEMA AOS ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM - FARO

  • Promover o conhecimento aos de Enfermagem-FARO apresentando os principais exames laboratoriais bioquímicos.

  • Demonstrar,diferenças entre o exame normal e patológico.

  • Proporcionar ao futuro Enfermeiro(a) interpretação dos exames bioquímicos, entendendo a conduta clinica adota pelo Medico.

  • Promover a interação interdisciplinar entre as várias profissões da área de saúde.

  • Aumentar o conhecimento teórico sobre o referido assunto.

ENFERMAGEM

Exame clinico X Exames Complementares

O exame clínico realizado pelo “Enfermeiro(a)” é de fundamental importância, pois através dos sinais e sintomas apresentados, é que confirmaremos determinada patologia.

O conhecimento básico das patologias humanas, permite ao “Enfermeiro(a)” solicitar exames complementares “coerentes” para o fechamento do diagnóstico.

LABORATÓRIO DE ANALISES CLINICAS – SETORES

  • Setor de Hematologia - sangue total.

  • Setor de Urinalises e liq.corporais – urina, esperma , suor e liquor.

  • Setor de Parasitologia - fezes

  • Setor de Sorologia/ Imunologia - utilização de “soro sanguineo” para determinação de antigenos atraves de anticorpos (Ac ou Ig)

  • Setor de Microbiologia - material biológico infectado (diversos)

  • Setor de Bioquimica - soro ou plasma sanguineo

PARAMETROS – BIOQUIMICOS

  • ALT(TGP), U/L

  • Ferro, mg/dL

  • AST (TGO), U/L

  • Uréia, mg/dL

  • F. alcalina, U/L

  • DHL, U/L

  • Colesterol, mg/dL

  • Creatinina, mg/dL

  • Sódio, mEq/L

  • Ácido úrico, mg/dL

  • Fósforo, mg/dL

  • Potássio, mEq/L

  • Proteínas, g/dL

  • Cloro, mEq/L

  • Fosfatase ácida, U/L

  • Cálcio, mg/Dl

  • Glicemia, mg/Dl

  • Outros....

DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS BIOQUÍMICOS NO SANGUE, URINA E OUTROS LIQUIDOS CORPORAIS

  • Provas bioquímicas na urina

  • Provas bioquímicas no sangue

  • Provas bioquímicas no suor

  • Provas boquímicas no liquor

  • Provas bioquímicas no esperma

  • Provas bioquimicas na linfa

  • Etc...

PRINCIPAIS EXAMES BIOQUIMICOS SOLICITADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM

  • Glicemia/Hb-glicosilada

  • Ac. úrico

  • Colesterol e frações

  • Triglicérides

  • Enzimas cardiacas

  • Ureia / Creatinina

  • Sódio / Potássio

  • TGO (AST) / TGP (ALT)

  • Aldalose

  • Ac. Lático

  • CK-MB

  • Outros

EXAMES BIOQUÍMICOS - VALORES DE REFERENCIA

Os valores normais dos resultados de exames são expressos como uma faixa, que é baseada nos valores médios de uma população saudável; 95% das pessoas saudáveis apresentam valores dentro dessa faixa. Esses valores denominamos “valor de referencia” . Estes valores variam dependendo da localização geográfica,características genéticas,hábitos alimentares, etc.....

GLICEMIA DE JEJUM

  • O exame mais comum para medir o nível de glicose no sangue chama-se Glicemia de Jejum.

  • O resultado é considerado normal quando a taxa de glicose varia de 70 até 99 mg/dl.

  • Se o resultado ficar em torno de 100 a 125 mg/dl, o indivíduo é portador de glicemia em jejum inapropriada.

  • Assim, torna-se necessário à realização do exame conhecido como “Teste Oral de Tolerância à Glicose”.

  • Ocorrendo um resultado igual ou acima de 126 mg/dl, em pelo menos dois exames consecutivos, fica então confirmado o diagnostico de Diabetes Mellitus.

  • Já com uma glicemia superior a 140 mg/dl, mesmo sendo recolhida a qualquer hora do dia, já se confirma o diagnostico do diabetes.

HEMOGLOBINA-GLICADA

  • O exame de Hemoglobina Glicada possui enorme importância na avaliação do controle do diabetes. É capaz de resumir para o especialista e para o paciente em tratamento se o controle glicêmico foi eficaz, ou não, num período anterior de 60 a 90 dias.

  • Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose, em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada.

  • Sempre é necessário individualizar o valor de A1C (hemoglobina glicada), levando em conta vários dados clínicos como idade, presença de outras doenças e/ou risco de eventos freqüentes de hipoglicemias.

  • Valor de referência :- Hb-A1C = 4 - 6%

ÁCIDO LÁTICO – LACTATO

  • O ácido lático (lactato) é um intermediário do metabolismo dos carboidratos, sendo o principal metabólico do glicogênio, em anaerobiose.

  • Valores elevados são encontrados no pós-prandial, após exercícios físicos,choque, insuficiência renal e hepática, intoxicação por etanol, uso de medicamentos.

  • Níveis elevados de ácido lático no líquor são encontrados na meningite bacteriana, ao contrário da meningite viral,onde níveis normais são usualmente encontrados.

  • Método – Enzimático

  • Valor de referência – plasma = 5,7 a 22,0 mg/dL

  • Valor de referência – líquor = 10,8 a 18,9 mg/dL

  • Instruções: O paciente deve estar em repouso. Caso tenha feito algum exercício físico, repouso de 30 minutos.

ÁCIDO ÚRICO

Dosagem no Sangue: o ácido úrico é o produto final do metabolismo das purinas, estando elevado em várias situações clínicas além da gota.

  • Somente 10% dos pacientes com hiperuricemia têm gota. Níveis elevados também são encontrados na insuficiência renal, etilismo, cetoacidose diabética, psoríase, préeclâmpsia,dieta rica em purinas, neoplasias, pós-quimioterapia e radioterapia.

  • Uso de medicamentos:- paracetamol,ampicilina, aspirina (doses baixas), didanosina, diuréticos, beta-bloqueadores, dentre outras drogas.

  • Diminuição dos níveis é encontrada na dieta pobre em purinas, defeitos dos túbulos renais, porfiria.

  • Uso de medicamentos:- tetraciclina, alopurinol, aspirina, corticóides, indometacina, metotrexato, metildopa, verapamil,intoxicação por metais pesados e no aumento do clearance renal.

ÁCIDO ÚRICO

Dosagem na Urina: cerca de 70% do ácido úrico é eliminado pelos rins. Esta dosagem é útil em pacientes comcálculos urinários para identificação daqueles com excreção urinária de urato aumentada.

  • Álcool causa diminuição do urato urinário. Anti-inflamatórios, vitamina C e diuréticos podem interferir no resultado.

Dosagem no Líq. sinovial: pode ser útil no diagnóstico diferencial de artropatias.

  • Método = Colorimétrico Enzimático

  • Valor de referência:

  • SANGUE- Mulheres = 2,4 a 6,0mg/dL e Homens = 3,4 a 7,0mg/dL

  • URINA- 75 a 425mg

  • LÍQUIDO SINOVIAL- Até 8mg/dL

ALDOLASE

  • Essa enzima é utilizada na avaliação dos quadros de fraqueza muscular.

  • Níveis elevados são encontrados nas fases iniciais das doenças musculares como distrofia muscular e dermatopolimiosite.

  • Níveis elevados também podem ser encontrados em doenças hepáticas, na pancreatite, no infarto do miocárdio e em neoplasias.

  • Valores baixos podem ser encontrados nas fases avançadas das miopatias.

  • Método –Enzimático -Valor de referência

  • Recém-nascido = até 19,6U/L

  • > 2 a 16 anos = 1,2 a 8,8U/L

  • Adulto = até 7,6U/L

CÁLCIO

Sangue: o cálcio encontra-se ligado às proteínas (47%) e livre (43%).

A hipercalcemia é encontrada no hiperparatireoidismo, em algumas neoplasias com ou sem metástases ósseas, mieloma, desidratação, hipervitaminose D, síndrome de imobilidade, hipertireoidismo, hepatopatias, insuficiência renal, sarcoidose, linfoma, uso de diuréticos e estrógenos.

  • Níveis baixos de cálcio são encontrados na osteomalácia, pancreatite, hipervolemia, má absorção, deficiência de vitamina D,diminuições da albumina e em situações que cursam com fósforo elevado (insuficiência renal,hipoparatireoidismo). Níveis críticos de cálcio total são aqueles inferiores a 6 mg/dl e superiores a 14mg/dl.

Valor de referência = 8,6 a 10,0mg/dL

CÁLCIO TOTAL

Urina: dosagem do cálcio urinário é útil na investigação dos efeitos da vitamina D e PTH sobre a reabsorção óssea. Também utilizado na avaliação de nefrolitíase.

  • Sua determinação é preferida na urina de 24h; urina recente pode ser utilizada realizando a razão cálcio/creatinina. A hipercalciúria é encontrada nas hipercalcemias, na hiperabsorção intestinal de cálcio, distúrbios da reabsorção tubular de cálcio, corticoterapia, osteoporose, acromegalia, hipertireoidismo, feocromocitoma e Cushing.

  • A hipocalciúria pode ser secundária à hipocalcemia, insuficiência renal, steomalácia, raquitismo, alcalose, uso de diuréticos e estrógenos.

  • Valor de referência - urina 24 horas

Com dieta = até 180 mg/24h

Sem dieta = até 280 mg/24h

COLESTEROL TOTAL E FRAÇÕES

Sangue: o colesterol é o principal lipídeo associado à doença vascular aterosclerótica. Também é utilizado na produção de hormônios esteróides, ácidos biliares e na constituição das membranas celulares.

O metabolismo do “colesterol” ocorre no fígado, sendo transportado pelo sangue através lipoproteínas (70% por LDL, 25% por HDL e 5% por VLDL).

Método - Colorimétrico Enzimático

  • Valor de referência – soro

Desejável = < 170 mg/dL

Aceitável = 170 - 199 mg/dL

Aumentado= ≥ 200 mg/dL

TRIGLICÉRIDES

  • Soro: os triglicérides são produzidos no fígado utilizando glicerol e outros ácidos graxos. Os triglicérides

  • Em conjunto com o colesterol são úteis na avaliação do risco cardíaco.

  • Níveis elevados são encontrados na Síndrome nefrótica, na ingestão elevada de álcool, induzido por drogas (estrogênios, contraceptivos orais, prednisona, etc) no hipotireoidismo, diabetes e gravidez.

  • Os níveis baixos estão relacionados a mal absorção, mal nutrição e hipertireoidismo.

  • Método - Colorimétrico Enzimático – Valor de referência - Soro

Adultos:- < 150 (ótimo), 150 a 200(limítrofe), 201 a 499 (alto)

COLESTEROL TOTAL E FRAÇÕES

  • HDL – Método = Colorimétrico Enzimático

Valor de referência

Adultos < 40= mg/dL - Baixo

41 a 59= mg/dL - Aceitável

≥ 60= mg/dL – Alto

  • LDL – Método = Colorimétrico Enzimático

Valor de referência

Adultos < 100= mg/dL - Baixo

100 a 159= mg/dL - Aceitável

≥ 160= mg/dL - Alto

  • VLDL – Método = Colorimétrico Enzimático

Valor de referência

Adultos < 200= mg/dL - Baixo

200 a 239= mg/dL - Aceitável

≥ 240= mg/dL - Alto

(Parte 1 de 2)

Comentários