Sistematização da assistência de enfermagem no pré-natal

Sistematização da assistência de enfermagem no pré-natal

(Parte 6 de 9)

finalidade: levantar dados sobre o estado de saúde da gestante e anotar as anormalidades encontradas para ter subsídios para o diagnóstico e posterior prescrição e evolução da assistência de enfermagem.

O enfermeiro deverá realizar as seguintes técnicas: inspeção, ausculta, palpação e percussão, de forma criteriosa.

Diagnósticos de Enfermagem Ver próximo capítulo.

Prescrição de Enfermagem

é a determinação da assistência de enfermagem que a gestante deve receber diante do diagnóstico estabelecido.

A prescrição resulta da análise do diagnóstico de enfermagem, dos problemas de enfermagem, das necessidades básicas afetadas e do grau de dependência da cliente para a resolução dos problemas.

A prescrição de enfermagem é o conjunto de ações decididas pela(o) enfermeira(o), que direciona e coordena a assistência de enfermagem à gestante de forma sistemática e individualizada.

Evolução de Enfermagem

É o registro feito pela(o) enfermeira(o) após a avaliação do estado geral da gestante.

Nele deve constar: os problemas novos identificados, a prescrição de enfermagem e, um resumo sucinto em relação aos resultados dos cuidados prescritos.

O histórico de enfermagem é a coleta de dados e dele fazem parte a entrevista e o exame físico. Após a entrevista, explicar à gestante como será realizado o exame físico e sua importância, tranquilizando a gestante quanto ao procedimento, que se divide em exame físico geral e exame obstétrico.

A gestante deve ser orientada para retirar sua vestimenta, colocar avental próprio para o exame físico e esvaziar a bexiga.

Na primeira consulta de pré-natal o exame físico deverá ser completo, constando avaliação de cabeça e pescoço, tórax, abdômen, membros e inspeção de pele e mucosas, seguido por exame ginecológico e obstétrico (BRASIL, 2005).

A entrevista das consultas subsequentes deverá ser sucinta, abordando aspectos do bem-estar materno e fetal, queixas e dúvidas e ansiedades da gestante. O prénatalista deve também questionar a gestante quanto os hábitos hábito intestinal e urinário, alimentação, percepção dos movimentos fetais, presença de corrimentos ou outras perdas vaginais (Ibdem).

Exame físico geral O roteiro para o exame físico geral sugerido pelo Ministério da Saúde (BRASIL,

2005) é:

Inspeção geral; determinação do peso e da altura;

medida da pressão arterial (técnica abaixo);

inspeção da pele e das mucosas;

palpação da tireóide e de todo o pescoço, região cervical e axilar

(pesquisa de nódulos ou outras anormalidades);

exame do abdômen;

exame dos membros inferiores;

pesquisa de edema (face, tronco, membros).

Diagnóstico nutricional Após a determinação de peso e altura deve-se calcular o índice de massa corporal

(IMC) da seguinte maneira: Índice de Massa Corporal (IMC) = Peso (kg)/Altura2 (m).

Após o cálculo, realize o diagnóstico nutricional, utilizando o Quadro 1 que se encontra no manual técnico do Ministério da Saúde: Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada (BRASIL, 2005, p.45), da seguinte maneira:

localize, na primeira coluna do Quadro 1, a semana gestacional calculada e identifique, nas colunas seguintes, em que faixa está situado o IMC da gestante, calculado conforme descrito acima;

Classifique o estado nutricional (EN) da gestante, segundo o IMC por semana gestacional, da seguinte forma: Baixo peso: quando o valor do IMC for igual ou menor que os valores apresentados na coluna correspondente a baixo peso;

Adequado: quando o IMC observado estiver compreendido na faixa de valores apresentada na coluna correspondente a adequado;

Sobrepeso: quando o IMC observado estiver compreendido na faixa de valores apresentada na coluna correspondente a sobrepeso;

Obesidade: quando o valor do IMC for igual ou maior que os valores apresentados na coluna correspondente a obesidade.

Na avaliação do peso da gestante, devemos: 1.pesar a gestante em cada consulta em balança pesa-adulto tarada; 2.anotar no cartão da gestante os dados obtidos;

3.avaliar o peso anterior, observando que o peso a ser ganho durante toda a gestação não deve ultrapassar a faixa de 7,5 -1 Kg;

Lembre-se sempre de que gestantes adolescentes (menores de 19 anos), salvo as obesas, devem ganhar 1 Kg a mais do que o estabelecido pelo MS. E gestantes com altura inferior a 1,40 m devem chegar ao final da gestação com um ganho de peso de no máximo 9,5 Kg.

Considera-se ganho de peso súbito um aumento superior a 500 g em uma semana.

Essa ocorrência deve ser considerada como sinal de edema patológico e a gestante deve ser encaminhada para o pré-natal de alto risco.

Verificando a pressão arterial O objetivo de verificar a pressão arterial em todas as consultas é detectar precocemente estados hipertensivos. A técnica de medida da pressão arterial segundo o manual técnico do Ministério da Saúde (Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada) (BRASIL, 2005) é a sequinte:

Explicar o procedimento à mulher; Certificar-se de que a gestante: a) não está com a bexiga cheia; b) não praticou exercícios físicos; c) não ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentos ou fumou até 30 minutos antes da medida;

Com a gestante sentada, após um período de repouso de, no mínimo, cinco minutos, apoiar-lhe o antebraço numa superfície, com a palma da mão voltada para cima, à altura do coração, desnudando-lhe o braço; Localizar a artéria braquial por palpação;

Colocar o manguito ao redor do braço da gestante, ajustando-o acima da dobra do cotovelo;

Palpar a artéria na dobra do cotovelo e sobre ela colocar a campânula do estetoscópio, com leve pressão local. Nunca prendê-la sob o manguito;

A mensuração da altura uterina tem a finalidade de identificar o crescimento normal do feto, detectar seus desvios e diagnosticar as causas do desvio de crescimento fetal encontrado. Colocar as olivas do estetoscópio nos ouvidos;

Solicitar à mulher que não fale durante o procedimento da medida;

Inflar o manguito rapidamente, até mais de 30 mmHg após o desaparecimento dos ruídos; Desinflar lentamente o manguito;

Proceder à leitura: o ponto do manômetro que corresponder ao aparecimento do primeiro ruído será a pressão sistólica (máxima); a pressão diastólica (mínima) será lida no momento em que os ruídos desaparecerem completamente.

Nos casos em que o desaparecimento completo dos ruídos não ocorrer, proceder à leitura da pressão diastólica no ponto onde se perceba marcado abafamento. Esperar um a dois minutos antes de realizar novas medidas;

Anotar o resultado na ficha e no cartão da gestante.

A pressão arterial também poderá ser medida com a mulher em decúbito lateral esquerdo, no braço direito, mas NUNCA EM POSIÇÃO SUPINA (deitada de costas).

Ainda segundo Brasil (2005, p.50), conceitua-se hipertensão arterial na gestação:

(Parte 6 de 9)

Comentários