Dicionario Medico

Dicionario Medico

(Parte 2 de 23)

Acantóide – Semelhante a um espinho. Ação Opsônica – Em Imunologia, diz-se de uma substância que potencializa a atividade imunológica de outra.

Acapnéia – Condição na qual há diminuição de gás carbônico no sangue.

Acarbose – Substância denominada oligossacarídeo aminado, que funciona como um inibidor competitivo da alfaglucosidase. É utilizado no tratamento do diabetes mellitus tipo 2.

Acardia – Ausência congênita do coração. Anatomicamente denominada monstruosidade e, como tal, incompatível com a vida.

Acaríase – Sarna, escabiose. Ácaros – Pequenos parasitas, da família dos

Aracnídeos, que vivem em plantas, animais e pessoas. No ser humano, produzem lesões irritativas ou transmitem doenças tropicais. Ácaros encontrados no pó das casas, nos travesseiros e nos colchões produzem sintomas alérgicos nas pessoas mais sensíveis.

Acatalepsia – Condição clínica na qual o paciente apresenta incerteza ou falta de compreensão.

Acéfalo ou Anencéfalo – Feto sem encéfalo: constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco encefálico.

Acesso – Diz respeito à condição de ter-se uma via para administração de medicamentos; se for por meio de uma venóclise, denomina-se acesso venoso. Em Psiquiatria, significa repetição periódica de um fenômeno, com aparecimento agudo.

Acetábulo – Cavidade do osso ilíaco que se coaduna com a cabeça do fêmur.

Acetaminofeno – Analgésico e antitérmico, possível substituto do ácido acetilsalicílico (AAS), quando este não pode ser empregado.

Acetato de Alumínio – Substância adstringente, que pode ser utilizada em compressas úmidas destinadas ao tratamento de afecções da pele.

Acetilcisteína – Droga utilizada no tratamento de bronquites, asma, enfisema, broncopneumonias e outras.

○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○○ Acetilcolina – Substância responsável pela trans- missão dos impulsos de fibras pré-ganglionares, produzindo estímulos em neurônios pós-ganglionares; age também diretamente sobre as células da musculatura lisa e participa na transmissão dos impulsos nervosos na placa motora.

Acetona – Substância solvente incolor e volátil.

Pode acumular-se no organismo do diabético, bem como em organismos com outros distúrbios metabólicos.

Acetonúria – Presença de cetonas na urina. Acianoblepsia – Os portadores dessa condição não percebem a cor azul dos objetos.

Aciclovir – Substância caracterizada como um nucleosídeo acíclico derivado da guanina ativo contra os vírus do herpes simples, da varíola e do herpes zoster.

Acidemia – Condição na qual há aumento de ácidos no sangue com baixa do potencial hidrogeniônico (pH).

Acidente isquêmico transitório (AIT) – Doença na qual há transtorno focal da função cerebral, com início abrupto. Provoca alterações neurológicas que podem durar minutos, porém há recuperação em, no máximo, 24 horas.

Acidente vascular cerebral (AVC) – É doença produzida por alterações nos vasos sangüíneos que irrigam o cérebro, popularmente denominada derrame. Na maioria dos casos, ocorre oclusão de um vaso importante para o aporte sangüíneo, com conseqüente diminuição no aporte de sangue e diminuição de oxigênio para uma parte do cérebro. Esta última denomina-se isquemia cerebral e é responsável pelos danos neuronais ocasionados. Em alguns casos, há hemorragia por ruptura do vaso dentro do próprio encéfalo e denomina-se acidente vascular cerebral hemorrágico (AVCh). A literatura disponível também confere a sigla DVE (distúrbio vascular encefálico).

Acidentes domésticos – Acidentes que ocorrem no interior de residências ou domicílios; são fonte importante de lesões ou mortes na infância. Os mais comuns são traumatismos por quedas, queimaduras, descargas elétricas, intoxicações por ingestão ou inalação de substâncias. Medicamentos guardados em casa e ao alcance de crianças são fontes comuns de acidentes.

Acidentes infantis – Um dos motivos mais comuns de atendimento a crianças nos prontosocorros hospitalares e a primeira causa de mortalidade infantil. Os acidentes mais freqüentes são feridas e traumatismos, de origem não automobilísticos, seguidos por traumatismos cranioencefálicos. Sua prevenção é importante.

Acidez gástrica – Estado normal do conteúdo do estômago caracterizado por alta quantidade de íons hidrogênio, a qual pode ser medida por meio de escala logarítmica denominada pH. Algumas doenças são produzidas pelo excesso de ácido no estômago ou pelo refluxo deste ao esôfago.

Acidimetria – Mensuração do grau de acidez. Ácido – Composto contendo hidrogênio e que forma sais com a substituição deste por um metal. Alguns são produzidos pelo corpo humano, que os elimina. Entre os ácidos minerais estão o clorídrico, o nítrico e o sulfúrico; entre os orgânicos, os ácidos cítrico, láctico e úrico.

Ácido acético – Líquido incolor contido no vinagre. Em concentrações adequadas, pode ser empregado de modo terapêutico.

Ácido acetilsalicílico – Substância com ações: antiinflamatória, antitérmica, anti-reumática e antiagregante plaquetária. Denominado AAS.

Ácido ascórbico – Denominação química da

Vitamina C. Composto orgânico presente em sucos e frutas cítricas, couve, brócolis, tomates e morangos. Essencial para o desenvolvimento dos dentes, ossos e capilares; sua ausência produz doença denominada escorbuto.

Ácido azótico – Ácido nítrico. Ácido barbitúrico – Composto do qual derivam centenas de sedativos e hipnóticos.

Ácido bórico – Substância que se apresenta em forma de escamas ou cristais incolores, ou pó branco e cristalino dissolvido em água. Pode ser utilizado como anti-séptico.

Ácido butírico – Produto da fermentação de substâncias graxas como manteiga, suor e fezes.

Ácido cianídrico – Ácido prússico, veneno potente.

Ácido clorídrico – Composto de hidrogênio e cloro que é secretado no estômago. É o componente principal do suco gástrico.

Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA) –

Molécula de ácido nucléico, principal componente dos cromossomos no núcleo celular. O ADN é o responsável por toda informação genética das células vivas de uma espécie.

Ácido diacético – Ácido aceto-acético, que aparece na urina em certos casos de diabetes mellitus.

Ácido fênico – Fenol, ácido carbólico. Ácido fólico – Componente do complexo vitamínico B e que tem poderosa ação antianêmica. Essencial para todas as células, colabora na síntese dos ácidos nucléicos, da colina e de todas as enzimas indispensáveis para multiplicação celular. Ele regula o desenvolvimento das células neurológicas do feto; seu uso tem mostrado redução da incidência de lesões no tubo neural. É indispensável para a maturação do glóbulo vermelho associado à vitamina B12.

Ácido inorgânico – Ácido que não contém carbono em sua molécula.

Ácido málico – Ácido que existe na maçã e em outros frutos.

Ácido nicotínico – Também denominado vitamina P. É componente do complexo B, e sua falta produz a doença pelagra.

Ácido orgânico – Ácido cuja molécula contém um grupo carboxila COOH.

Ácido pantotênico – Vitamina hidrossolúvel necessária para a síntese de lipídios que formam parte da coenzima A. Está amplamente distribuído nos alimentos, e não há descrição de nenhuma enfermidade carencial pela sua falta.

Ácido pícrico – Substância utilizada antigamente nas queimaduras e também conhecido como ácido amargo.

Ácido resistente – Diz-se de bactérias que não descoram pelos ácidos, como os bacilos da tuberculose, da hanseníase e outros.

Ácido tânico – O mesmo que tanino. Ácido úrico – Produto do metabolismo das proteínas. Encontrado na urina humana e animal. O aumento no sangue é denominado gota.

Acidófilo – Que retém corantes ácidos. Ácidos graxos – Ácidos que combinam com glicerol formando sabões.

Acidose – Aumento anormal da concentração de íons de hidrogênio no organismo, por causa do acúmulo de ácidos ou da perda de bases. Pode ser respiratória ou metabólica. Há perturbação do equilíbrio ácido-básico do organismo com predominância de acidez.

Acidular – Tornar ácido. Acídulo – Ligeiramente ácido. Acinesia – Incapacidade de movimentos voluntários, paralisia.

Acinetobacter – Bactéria do gênero de diplobacilos gram negativos da família das Neisseriaceae amplamente disseminados e patogênicos.

(Parte 2 de 23)

Comentários