Tratamentos termicos e termoquimicos

Tratamentos termicos e termoquimicos

(Parte 1 de 3)

Tratamentos térmicos e termo-químicos

•T êmpera

• Nitr etação

Tratamentos Térmicos uma dada temperatura e esfriamento após certo tempo, em condições controladas, com a finalidade de dar ao material propriedades especiais.

•São executados por alteração da velocidade de esfriamento e da temperatura de aquecimento ou da temperatura a que são esfriados ou de ambos.

Possibilidade de Tratamento Térmico

– Recr istalização –Modificação de fase

Recristalização

•Ocorre para os materiais e ligas a diferentes temperatur as.

•Deve apresentar um mínimo de encrua- mento e ser aquecido à te mpe ratur a adequada .

Modificação de fase

•Ocorre em muitas ligas metálicas com a temperatura, no estado sólido.

Ligas que podem ser tratadas - I

•Ligas com eutetóide e modificação de fase

– Ferr o-Carbono – Cobre-Al umínio

Ligas que podem ser tratadas - I

– Ferr o-Carbono – Alu míni o-Cobre

Curvas T - construção Curvas T - construção

Curva T - exemplo Curva T - exemplo

Fatores que influenciam as curvas T

•Composição química

–Em geral, com o aumento do teor de carbono, a curva desloca-se para a direita (com exceção do Co, os elementos de liga agem como o carbono)

–Quanto maior o tamanho de grão, mais demorada será a transformação total da austenita, deslocando a curva para a direita

Influência da composição química

Tamanho de grão austenítico

O material com granulação grosseira apresenta em geral propriedades inferiores às do mesmo material com granulação fina, à temperatura ambiente.

É determinado por comparação direta ao microscópio metalográfico

Fatores de influência no T

•Velocidade de aquecimento •Temperatura de tratamento

•Velocidade de esfriamento

Curvas de esfriamento contínuo

•São as curvas onde se obtém as estruturas finais dos materiais tratados termicamente

Recozimento I possibilitando maior homogeneidade aos materiais fundidos.

deformados a frio, regularizando ou eliminando tensões existentes

Recozimento I

–regularizar a estrutura proveniente de tratamentos térmicos anteriores

–remover tensões devidas a irregularidades no resfriamento de diferentes partes de peças

–eliminação de impurezas gasosas

Recozimento I

•M étodo acima da sua zona crítica, mantendo-o nessa temperatura para homogeneização e resfriando lentamente.

Recozimento IV Recozimento IV

Recozimento V

–aços carbono: ~ 20 min. por centímetro de espessur a.

–aços liga: ~ 30 min. por centímetro de espessur a.

Recozimento VI

•R esfria mento

–lento, no interior do forno desligado, de preferência.

–quanto menor o teor de carbono, mais rápido pode ser efetuado o resfriamento (retirado do forno e mergulhado em areia, cinza, cal) ou em ar parado.

Recozimento VII

–controle do tempo de aquecimento –controle de tempo e temperatura de tratamento

(Parte 1 de 3)

Comentários