Asma brônquica

Asma brônquica

ASMA BRÔNQUICA

ESTÁGIO CARDIO-ANGIO-PULMONAR

CONCEITO

  • É uma dça grave que afeta pessoas de todas as idades, culturas e localizações;

  • Consiste em distúrbio inflamatório crônico V.A, caracterizado por:

    • Obstrução do F.A, reversível espontaneamente ou com Tto
    • Inflamação das V.A
    • Hiper-reatividade Brônquica
    • Episódios recorrentes:
      • Sibilância, dispnéia ,aperto no peito e tosse

CONCEITO

CONCEITO

CONCEITO

  • Se não tratada:

    • Poderá se tornar crônica
    • Limitação permanente ao F.A
      • Fisicas
      • Sociais
      • Até a morte por crises graves.

DIAGNÓSTICO

  • Baseado em dados obtidos pela:

    • História
    • Exame Físico
    • Radiografia
    • Testes de Função Pulmonar
    • Presença de Hiper-reatividade Brôquica

FISIOPATOLOGIA

  • Clinicamente, a Asma é dividida em:

    • Atópica (Extrínseca):
      • Ocorre em indivíduos com História Familiar da Dça Eczema e/ou Rinite Alérgica
      • As crises são desencadeadas por Alérgenos Ambientais
      • Os testes de Hipersensibilidade mediada por IgE são positivos
    • Não Atópica (Intrínseca):
      • Apresenta etiologia complexa, sem relação com Alérgenos ou IgE.

FISIOPATOLOGIA

  • Asma Mista:

    • Associação das manifestações clinicas e resultados laboratoriais da asma extrínseca e intrínseca
  • Asma Induzida pelo Exercício:

    • Apresentando os sintomas repentinamente após a realização de exercícios por seis ou sete minutos

TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO

  • É essencial identificar e reduzir a exposição:

    • Alérgenos
    • Irritantes
    • Controlar outros fatores desencadeantes:
      • Alérgenos Inalatórios:
        • Antígenos Animais
        • Poeira Doméstica
        • Bolor e Fungos
      • Exposição Ocupacionais
      • Desencadeantes Não Alérgicos:
        • Fumo
        • Poluição

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

  • Broncodilatadores:

    • Agonistas β2-adrenérgicos
    • Teofilina
    • anticolinégicos
  • Corticoesteróides

CASO CLÍNICO

AVALIAÇÃO CARDIOPULMONAR

  • IDENTIFICAÇÃO:

    • Nome : G P M
    • IDADE: 47 anos
    • NATURALIDE: Paulistana-PI
    • ESTADO CIVIL: Casada
    • DIAGNÓSTICO MÉDICO: Asma
    • DIAGNÓSTICO FISIOTERAPEUTICO: FM Respiratória
    • PROFISSÃO: Do Lar

QUEIXA PRINCIPAL

“ Falta de Ar"

HMA/HMP

  • Pcte relata que há 8 anos quando retornou a Parnaíba começou a sentir falta de ar em períodos de chuva e que antes da falta e ar, apresenta tosse seca.

HISTORIA FAMILIAR: Avó paterna tinha Asma

  • HISTORIA FAMILIAR: Avó paterna tinha Asma

  • HÁBITOS DE VIDA: Já fumou, bebe socialmente

  • CIRURGIAS/MEDICAMENTOS: Nebulização com Berotec,Atrovent,Soro

  • EXAME FÍSICO:

    • SINAIS VITAIS:
      • SatO2=99%, T=36°C, FC=67bpm,FR=17ipm,PA=120/80mmhg
      • Tosse presente e improdutiva
    • PADRÕES RESPIRATÓRIOS:
      • Normal
    • PADRÕES VENTILATÓRIOS:
      • Misto

AUSCULTA:

  • AUSCULTA:

    • MV presente, porém diminuído em base direita sem presença de RAs em ambos os HTs
  • TESTES CARDIOPULMONARES:

    • TSL=27 min
    • MANOVACUOMETRIA
      • Pi Máx:67=>94=>74
      • Pe Máx:79=>98=>106
    • TC6
      • 700m, EB=0 pré e pós, FC= 67 e 100 , PA= 12/8 e 13/8
    • TD
      • 490 degraus, EB=0 pré e 7 pós, FC=83 e 158,PA=12/8 e 13/10
    • PEAK FLOW
      • 325=> 350=>450

CONDUTA

  • Treino diafragmático

  • Threshold Ins e Exp(3x 10 rep)

  • Inspirômetro de incentivo

  • TEMP lento

  • Nebulização

  • SMI, e associado com elevação de MMSS

  • Respiração fracionada

  • Encher balão

  • Condicionamento:

    • Bicicleta(10 min)
    • Caminhada (10’,15’ e 20 min)
    • Subir e descer escadas(10 min)

INFLUÊNCIA DA HIDROCINESIOTERAPIA NA FUNÇÃO PULMONAR E NA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ASMÁTICOS. RELATO DE CASOS

INFLUÊNCIA DA HIDROCINESIOTERAPIA NA FUNÇÃO PULMONAR E NA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES ASMÁTICOS. RELATO DE CASOS

AUTORES:

Elke Ianis Nevado

Patrícia Karen de Barros

Renata Gazzi Barros

Elaine Paulin

Marcos Tadeu Pacheco

OBJETIVO

  • Estudar a influência da hidrocinesioterapia na qualidade de vida e na função pulmonar em pacientes asmáticos com gravidade leve.

METODOLOGIA

CASO 1

  • Pcte 13 anos

  • Branca

  • 154 cm altura

  • 46kg

  • Sexo Feminino

  • Crises iniciaram com tosse e falta de ar, durante brincadeiras e a noite

  • Já realizou fisioterapia respiratória por 9 meses, relatando melhoras na qualidade de vida

CASO 1

  • Na Avaliação foi evidenciado:

    • Hiperlordose
    • Ombros protusos
    • Tórax normal(brevelínio)
  • Na Ausculta Pulmonar:

    • MV normal, sem RA
    • SatO2=98%
    • FC=96bpm
    • FR=20rpm
    • PFE=235 l/min
    • Espirometria=valores normais

CASO 2

  • Pcte 9 anos

  • Branca

  • 154 cm altura

  • Sexo Feminino

  • Relata que suas crises iniciam ao correr e se manifesta com falta de ar e espirros, durante a manhã e nunca realizou fisioterapia respiratória

CASO 2

  • Na avaliação evidenciou:

    • Hiperlordose
    • Protusão de cabeça
    • Tórax normal (brevelínio)
  • Na Ausculta Pulmonar:

    • MV normal, sem RA
    • SatO2=83bpm
    • FR=17rpm
    • PFE=230 l/min
    • Espirometria=Valores normais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO

  • Na avaliação inicial e final=>Pctes submetidos a espirometria e ao QQV

  • No inicio e término de cada sessão=>Pctes submetidos ao PF, AP, FC, FR, SatO2

  • Ao término de cada sessão foi mensurado o grau de dispnéia

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO

  • Espirometria:

    • CVF, VEF1, VC, VM, VVM
  • Qualidade de vida:

    • Questionário especifico para Asma
  • Peak Flow

  • Ausculta Pulmonar

  • Sinais Vitais:

    • FR, FC e SatO2
  • Dispnéia:

    • Avaliada pela escala de Borg modificada

PROTOCOLO DE TRATAMENTO

  • Pctes foram submetidos ao Tto Hidrocinesioterápico

  • Realizado 3x/semana

  • Duração de 50 minutos cada sessão

  • Total de 10 sessões

RESULTADOS

  • Valores Espirométricos dos 2 Pctes:

    • Normais antes e após Tto
  • Qualidade de Vida:

    • Melhora QV pctes, mais pcte 1
  • Ausculta Pulmonar:

    • No inicio e final Tto => MV encontrava-se presente, sem RA.

RESULTADOS

  • PEAK FLOW

RESULTADOS

  • Escala de Borg modificada:

CONCLUSÃO

  • A Hidrocinesioterapia manteve a função pulmonar;

  • Houve diminuição da freqüência das crises, no uso de medicação, na freqüência de hospitalização;

  • Foi observado uma queda das notas no QQV, ilustrando um efeito positivo e uma melhora significativa nos valores de pico de fluxo expiratório realizados pelo Peak Flow propiciando aos pacientes uma melhor qualidade de vida.

Comentários