Introdução à  Saude Publica e Epidemiologia

Introdução à Saude Publica e Epidemiologia

(Parte 10 de 11)

Introdução e exercícios BLOCO: PRINCÍPIOS DE EPIDEMIOLOGIA e

PRÁTICA 5 Medidas de frequência e gravidade de doenças

1. Durante os 1ºs 9 meses de vigilância nacional de cólera, o Departamento de Epidemias e

Endemias recebeu 1068 casos reportados que especificaram os dados por sexo; 893 casos eram femininos. a. Calcule a razão feminino‐masculino b. Calcule a proporção de casos de cólera que ocorreram em masculinos 2. A figura abaixo representa 10 episódios de uma doença numa população de 20 durante um período de 16 meses. Cada linha horizontal representa a porção de tempo cada pessoa ficou doente. A linha começa da data do início e termina na data da morte ou recuperação.

a. Calcule a taxa de incidência de 1 de Outubro de 1990 a 30 de Setembro de 1991, usando a população existente no ponto médio de tempo(= população total menos aqueles que morreram antes de 1 de Abril de 1991); b. Calcule o ponto de prevalência em 1 de Outubro de 1990; c. Calcule a prevalência de período entre 1 de Outubro de 1990 a 30 de Setembro de 1991. 3. Em 2005, 41595 casos de SIDA foram reportados em Modovolas (província de Moçanlândia). A população no meio do de 2005 foi estimada em 248710000. Calcule a taxa de incidência de SIDA em 1990. 4. Num inquérito envolvendo pacientes com ITS no CS Benhane, 180 de 300 pacientes inquiridos referiram uso dum preservativo masculino pelo menos 1 vez durante os 2 meses antes do inquérito. Calcule o período de prevalência nesta população nos dois últimos meses.

5. De 75 pessoas que foram a um piquenique da igreja, 46 subsequentemente desenvolveram gastroenterite. Calcule a taxa de ataque de gastroenterite. Note que a taxa de ataque é uma

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 40 proporção – as pessoas no numerador estão também incluídas no denominador. Esta proporção é uma medida da probabilidade ou risco de tornar‐se um caso. 6. Se 10 enfermeiras profissionais observaram 300 clientes num dia dum HDD, qual é o nº médio de clientes atendidos por enfermeira? Diga o tipo de indicador e classifique‐o sistematicamente.

7. O CS Boa Vida, registou numa consulta pré‐natal durante os meses de Janeiro, Fevereiro, Março,

Abril, Maio e Junho de 2004 sucessivamente 121, 89, 91, 100, 44 e 68 grávidas nas suas 1ªs consultas com teste sífilis (RPR) positivo. Sabendo que no mesmo período fizeram teste de sífilis, sucessivamente 600, 585, 867, 631, 386 e 494 grávidas na primeira consulta pré‐natal, calcule o peso da sífilis em mulheres grávidas em cada mês e no 1º semestre de 2004. Que tipo de indicador se trata e como seria classificado sistematicamente. 8. Se você quisesse medir a efectividade dum programa de educação em HIV/SIDA, usaria a incidência ou prevalência como uma medida?

9. As enfermeiras do Distrito Z observaram 3256 pacientes em Março 2004, destas 1,628 foram referidas aos médicos. Por outro lado, os médicos observaram 4500 pacientes no total (incluindo os pacientes referidos). Que tipo de indicatores podem ser extraídos destes dados? Faça o cálculo e interprete o resultado. 10. Se um inquérito mostra que em Janeiro 2006, haviam 250 crianças menores de 5 anos com teste positivo de HIV, no distrito Valor dum universo de 10000 crianças menores de 5 anos do mesmo distrito, qual é o peso percentual de HIV neste grupo? Como chamaria esta taxa? Interprete o resultado obtido.

1. Se 2300 novos casos de tuberculose foram reportados durante o ano de 2004 numa população de 400000 pessoas, calcule o peso percentual da doença. Como chamaria esta taxa? Como classificaria sistematicamente este indicador? Interprete o resultado obtido.

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 41

Faculdade de Medicina ‐ UEM

Introdução e exercícios BLOCO: PRINCÍPIOS DE EPIDEMIOLOGIA e

PRÁTICA 6 Risco, ODDS, porque é que nós fizemos despistes

esponda às perguntas a‐f analisando os dados da Tabela 6.1 por tempo, lugar e pessoa. a. Agrupando as datas de início em Intervalos de 7 dias, crie a frequência de distribuição do número de casos por semana. b. Utilize as listas alinhadas na Tablea 6.1 e os dados de população específicos de área na Tabela 6.2 para determinar as taxas de ataque específicas de área. Qual a área da cidade que tem mais casos? Qual a área que tem a taxa de ataque mais alta? c. Calcule a razão feminino/masculino nos casos. d. Calcule as proporções de casos do sexo feminino. e. Utilize a listas alinhadas e os dados de população específicos de idade e sexo da Tabela 6.3 para determinar as taxas de ataque específicas de idade e sexo. Que grupos de idade/sexo estiveram em maior risco? Que grupos de idade/sexo estiveram em menor risco? (Ajuda: A Tabela 6.3 está limitada a residentes na cidade. Quem deveria incluir no numerador da sua taxa de ataque?) f. Calcule o risco relativo de pessoas de idade entre 40 a 59 anos em relação a pessoas de idades entre os 20 e 39 anos de idade.

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 42

Tabela 6.1 ‐ Lista alinhada dos casos de doença X na cidade M

Caso nº Idade Sexo

Area de Residencia

Data de Início

Caso nº Idade Sexo

Area de Residencia

Data de início

Cidade = dentro dos limites da cidade embora o endereço exacto seja desconhecido Distrito = Fora dos limites da cidade mas dentro do distrito FDD = Fora do distrito

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 43

Tabela 6.2 ‐ Distribuição da população da cidade por área de residência na cidade M

Numero da Área de Residência População

População do distrito fora dos limites da cidade = 20.000

Tabela 6.3 ‐ Distribuição da população da cidade por idade e sexo na cidade M

Grupo de Idade Masculinos Femininos Total

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 44

Faculdade de Medicina ‐ UEM

Introdução e exercícios BLOCO: PRINCÍPIOS DE EPIDEMIOLOGIA e

PRÁTICA 7 Tipos de estudos epidemiológicos e medidas de associação

1. Em 1997 foi realizado, numa Cidade Moçambicana, um estudo sobre a possível relação entre a malária durante os dois primeiros trimestres de gravidez e a ocorrência de partos prematuros.

Para isso, foram incluídas no estudo mulheres que estavam no inicio do seu terceiro trimestre de gravidez, das quais 234 tinham tido um ou mais episódios de malária, ao longo dos 6 meses anteriores de gravidez, e 344 não tinham tido exposição à doença. As 578 grávidas foram seguidas até à altura do parto tendo‐se verificado a ocorrência de 88 partos prematuros, dos quais 52 ocorridos em mães que tinham tido malária durante os dois primeiros trimestres de gravidez. a) Que tipo de estudo epidemiológico foi este? b) De acordo com os resultados deste estudo foi encontrada alguma associação entre a prematuridade e a ocorrência de caso de malária durante os dois primeiros trimestres de gravidez ? Justifique a sua resposta c) Qual foi a proporção de partos prematuros atribuíveis ao facto das mães terem tido malária durante a gravidez ? Justifique a sua resposta

2. Em estudos descritivos de series de casos, varias equipas de investigadores observaram que uma grande percentagem de mulheres gravidas tinham anemia. Por isso, surge entre estas equipas a necessidade de verificar se existe uma associação entre a gravidez e a anemia. Por outras palavras, se as mulheres gravidas têm um risco maior de desenvolver uma anemia do que as mulheres que não estão gravidas. Assim, as diferentes equipas de investigadores optaram por desenhar diferentes tipos de estudos, para tentar responder a esta questão: Equipa 1

Esta equipa decidiu estudar um grupo de 500 mulheres que estão no primeiro trimestre de gravidez, seguir estas mulheres e ver quantas delas poderão vir a desenvolver anemia ao longo da sua gravidez. Simultaneamente, estudaram outro grupo de 1200 mulheres que não estavam gravidas, para ver quantas delas desenvolveriam anemia ao longo do tempo do estudo.

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 45

No fim do estudo verificaram que entre as 500 mulheres gravidas, 205 tinham desenvolvido anemia ao longo da gravidez e que entre as mulheres que não estavam gravidas foram 220 as que desenvolveram anemia ao longo do estudo. a. Que tipo de estudo foi este ? b. Qual foi a frequência de anemia que a equipa encontrou entre as mulheres grávidas e as entre as que não estavam grávidas ? Equipa 2

Esta equipa decidiu estudar um grupo de 425 mulheres com anemia e verificar quantas delas tinham tido uma gravidez recente. Cada vez que uma mulher com anemia era incluída no estudo, eram seleccionadas 3 mulheres sem anemia que eram entrevistadas para se verificar se teriam tido uma gravidez recente. No fim do estudo verificou‐se que das 425 mulheres com anemia, 205 tinham tido uma gravidez recente. Também se verificou que das 1275 mulheres sem anemia, 295 tinham estado recentemente gravidas. c. Que tipo de estudo foi este? d. Qual foi a proporção de mulheres com anemia e de mulheres sem anemia que tinham estado grávidas recentemente? Equipa 3

Esta equipa decidiu estudar as 1700 mulheres que recorreram aos serviços dos Centros de Saúde duma Cidade, durante um semestre. Foram todas examinadas para se verificar se tinham anemia e foram entrevistadas sobre uma possível gravidez recente. No fim do estudo verificaram que entre todas as mulheres estudadas 425 tinham anemia e que 500 tinham estado gravidas recentemente. Verificaram ainda que entre as que tinham tido uma gravidez recente 205 tinham anemia. e. Que tipo de estudo foi este? f. Qual foi a frequência de anemia que a equipa encontrou entre as mulheres que tinham estado grávidas recentemente e entre as que não tinham tido uma gravidez recente ?

3. Em 2006, na Cidade X que tinha uma população estimada em 260 000 habitantes, foram notificados 18 casos de Raiva humana que resultaram na morte de todos os doentes. Nessa mesma Cidade e no mesmo ano, foi também notificada a ocorrência de 512 casos de Malária que resultaram na morte de 54 desses doentes. a) Calcule a Taxa de Incidência (TI) de cada uma das doenças, em 2006, na referida Cidade.

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 46 b) Calcule qual foi a Taxa de Letalidade (TL) de cada uma das doenças. c) Calcule as respectivas Taxas de Mortalidade especifica (TME).

4. Com o objectivo de avaliar a cobertura vacinal da Cidade do Maputo foram entrevistadas, em Novembro de 1999, as mães de 247 crianças com idades compreendidas entre os 12 e os 23 meses de idade. Destas 174 (81%) tinham completado o seu esquema de vacinação. Também se verificou que 43 crianças, das 247 observadas, tinham nascido fora duma Maternidade, e que destas 16 tinham vacinação incompleta. a) Que tipo de estudo foi este ? b) Será que o facto das mães terem parido as suas crianças fora de uma Maternidade, constituiu um factor de risco para não terem completado as vacinações dos seus filhos? c) Porquê ?

5. Num estudo em Gotemburgo (Ramstedt et al 1992. Int J STD AIDS 3:117‐2), foram testadas 5741 jovens da consulta hospitalar de ginecologia para a infecção com Chlamydia trachomatis, uma bactéria que, com a melhoria dos meios laboratoriais, tem vindo a ser crescentemente associada a infecções genitais sexualmente transmissíveis. Ao mesmo tempo, perguntou‐se qual a duração da presente relação sexual das jovens, agrupando‐se as que não têm parceiro sexual estável com as que têm relações de duração inferior a 1 ano. Os resultados foram os seguintes, a) Qual o risco de uma jovem estar infectada ? b) Qual o risco de uma jovem com relação de mais de 1 ano estar infectada? c) Qual o risco relativo de uma jovem com relação inferior a 1 ano ou instável estar infectada? d) Calcule o OR

6. De 5055 pessoas que tiveram varicela na infância, 6 tiveram uma forma benigna de “zona” (uma doença causada pelo mesmo vírus) muitos anos mais tarde, e nenhuma teve formas severas desta doença. Num grupo de comparação, formado por 2872 pessoas que não tiveram varicela na infância, 24 desenvolveram uma forma severa de varicela quando eram adultas e 52 desenvolveram uma forma benigna desta doença. a) Qual o risco de desenvolver uma forma benigna de doença (varicela ou zona) em adulto? b) Qual o RR de uma pessoa que teve varicela na infância desenvolver doença benigna?

Introdução à Epidemiologia e Saúde Pública Pg. 47 c) Qual o RR de uma pessoa que não teve varicela na infância desenvolver doença benigna?

7. Um estudo clássico de Doll and Peto (1976) sobre os médicos britânicos masculinos, determinou que as taxas de mortalidade por cancro do pulmão e por doença coronária eram, respectivamente, 150 por 100 mil e 1082 por 100 mil. Os autores estimaram a proporção de fumadores e de não fumadores entre os mortos, para as duas causas de morte. A tabela abaixo resume os resultados,

(Parte 10 de 11)

Comentários