SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEMMATERNO – INFANTIL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEMMATERNO – INFANTIL

(Parte 8 de 8)

– Prioridade Baixa: são as demandas do cliente que podem não estar diretamente relacionadas a doença ou prognóstico específico.

Metas do Cuidado

Bulechek e McCloskey (1992) definem metas como marcos para a seleção das prescrições de enfermagem e critérios para a avaliação das prescrições de enfermagem. O estabelecimento da meta em conjunto é uma atividade que deve envolver o cliente e a família, para priorizar as metas do cuidado e, em seguida, desenvolver um plano de ação, para alcançar tais metas.

Para elaborar um plano de cuidado, o enfermeiro deve utilizar as competências de raciocínio critico, a fim de desenvolver as metas e os resultados esperados relevantes para as necessidades do cliente, conforme evidenciado pela avaliação da base de dados (histórico) e pelos diagnósticos de enfermagem. Ao definir as metas e os resultados esperados, o enfermeiro também sintetiza, ao mesmo tempo, o raciocínio crítico, o conhecimento, a experiência, os padrões e as atitudes que se referem às necessidades atuais de cuidado de saúde do cliente.

Metas de curto prazo: é a meta que se espera que seja alcançada em um intervalo de tempo curto, usualmente menos de uma semana (Carpenito, 1997).

Metas de longo prazo: é a meta que se espera ser alcançada no curso de intervalo de tempo mais prolongado, geralmente durante semanas ou meses. As metas de longo prazo podem ser mais apropriadas à resolução do problema depois da alta, principalmente em ambientes de cuidado agudo (Carpenito, 1997). As metas de longo prazo são apropriadas para os cliente em ambientes de cuidado domiciliar e para os que estão se adaptando às doenças crônicas, os quais residem em instituições de cuidado de longo prazo, bem como para alguns clientes em reabilitação, saúde mental, cuidado ambulatorial e unidades de enfermagem comunitária (Carpenito, 1997).

Resultados esperados: é a meta específica, etapa por etapa, que leva à realização da meta e à resolução da etiologia para o diagnóstico de enfermagem. O resultado é uma alteração mensurável do estado do cliente em resposta ao cuidado de enfermagem (Gordon e colaboradores, 1994; Carpenito, 1997). Os resultados do cliente têm sido referidos como a definição final da eficácia e eficiência, havendo maior ênfase sobre a identificação e mensuração dos resultados das prescrições e atuação de enfermagem (Deaton, 1998). Os resultados são as respostas desejadas da condição do cliente nas dimensões fisiológica, social, emocional, de desenvolvimento ou espiritual. Esta alteração na condição é documentada através de respostas observáveis ou mensuráveis do cliente. Os resultados esperados determinam quando uma meta centrada no cliente e específica foi satisfeita, e, mais adiante, ajuda na avaliação da resposta ao cuidado de enfermagem e na resolução do diagnóstico de enfermagem.

Implementação do Cuidado de Enfermagem

A implementação, um componente do processo de enfermagem, começa depois que foi desenvolvido o plano de cuidado. Com o plano de cuidado baseado em diagnósticos de enfermagem explícitos e relevantes, o enfermeiro deve selecionar e iniciar as prescrições mais prováveis de sustentar ou melhorar o estado de saúde do cliente.

A implementação descreve uma categoria de comportamentos de enfermagem em que as ações necessárias para atingir as metas e os resultados esperados do cuidado de enfermagem são iniciadas e completadas. A implementação inclui as prescrições de enfermagem para realizar, assistir ou dírecionar o desempenho das atividades da vida diária; o aconselhamento e o ensino do cliente ou da família; a prestação de cuidado direto para atingir as metas centradas no cliente; a delegação, a supervisão e a avaliação do trabalho dos membros da equipe; o registro e a troca de informações relevantes paa o cuidado de saúde continuado do cliente.

Prescrição de Enfermagem

Uma prescrição de enfermagem é qualquer ação empreendida pela enfermeira para ajudar o cliente a passar do estado de saúde atual para o estado de saúde descrito nos resultados esperados (Gordon, 1994). O cliente pode necessitar de intervenção na forma de medicação; tratamento para a condição atual; educação do cliente-família; tratamento para evitar futuros problemas de saúde; ou suporte social, emocional ou físico.

As prescrições de enfermagem que promovem o cuidado culturalmente sensível aumentam o potencial para o alcance das metas e resultados esperados do cuidado de enfermagem (Doswell e Erlem, 1998).

Processo de Implementação

O enfermeiro deve preparar-se de forma adequada e completa, antes de implementar o plano de cuidado. Esta preparação assegura um cuidado de enfermagem eficiente, seguro e efetivo. O componente de implementação do processo de enfermagem apresenta cinco etapas:

1. Reavaliação do Cliente: durante a fase inicial de implementação, o enfermeiro deve reavaliar o cliente.

A reavaliação propicia um modo de determinar se a ação de enfermagem proposta ainda é apropriada para o nível de bem-estar do cliente. Quando novos dados são obtidos e se identifica uma nova necessidade do cliente, o enfermeiro deve modificar o plano de cuidado de enfermagem.

2. Revisando e Revendo o Plano de Cuidado de Enfermagem Existente: antes de começar o cuidado, o enfermeiro deve rever o plano de cuidado e compará-lo com os dados do histórico, para validar os diagnósticos de enfermagem identificados, e determinar se as prescrições de enfermagem são as mais apropriadas à situação clínica. O estado de saúde do cliente modifica-se continuamente. Por isso, o plano de cuidado precisa ser flexível, para incorporar as alterações necessárias. Um plano de cuidado desatualizado ou incorreto compromete a qualidade do cuidado de enfermagem, e a revisão e modificação capacitam o enfermeiro fornecer as prescrições de enfermagem adequadas para satisfazer melhor às necessidades do cliente.

3. Organizando os Recursos e a Prestação do Cuidado: os recursos de uma instituição incluem os equipamentos e os profissionais competentes. A organização do equipamento e do pessoal possibilita o cuidado eficiente e competente do cliente. Depois de determinar um plano de cuidado, o enfermeiro deve preparar os suprimentos necessários e decidir sobre o momento e o prestador do cuidado. A preparação para a prestação do cuidado também envolve a preparação do ambiente e do cliente para a prescrição de enfermagem.

4. Implementando as Prescrições de Enfermagem: diversas prescrições podem ser selecionadas pelo enfermeiro na administração do cuidado, cada qual com implicações para o uso apropriado junto aos clientes. O enfermeiro deve selecionar a partir dos seguintes métodos de prescrição de enfermagem, para atingir as metas do cuidado de enfermagem:

– realizar, assistir ou direcionar o desempenho das atividades da vida diária; – aconselhar e ensinar o cliente e a família;

– realizar o cuidado direto, para alcançar as metas centradas no cliente;

– delegar, supervisionar e avaliar o trabalho dos outros membros da equipe;

– registrar e trocar informações relevantes para o cuidado continuado do cliente.

Métodos de Implementação

O enfermeiro pode executar o plano de cuidado de enfermagem empregando vários métodos de implementação.

1. Auxiliando nas Atividades da Vida Diária: as AVDs são comumente realizadas no curso de um dia normal; como deambular, alimentar-se, vestir-se, tomar banho, escovar os dentes e arrumar-se. As condições que resultam na necessidade de assistência às AVDs podem ser agudas, crônicas, temporárias, permanentes ou de reabilitação,

2. Aconselhamento: é um método de implementação que ajuda o cliente a utilizar o processo de resolução do problema, para reconhecer e gerenciar o estresse, bem como facilitar os relacionamentos interpessoais entre o cliente, família e equipe de cuidado de saúde.

3. Ensino: é um método de implementação empregado para apresentar princípios; procedimentos e técnicas corretos sobre o cuidado de saúde para os clientes, e para informá-los a respeito do seu estado de saúde. Como uma responsabilidade de enfermagem, o ensino deve ser implementado em todos os ambientes de cuidado de saúde, como no cuidado agudo, cuidado domiciliar e ambientes baseados na comunidade. O enfermeiro é responsável pela avaliação das necessidades de aprendizado dos clientes e pela qualidade da educação fornecida.

4. Cuidado Direto: para atingir as metas terapêuticas visando ao cliente; o enfermeiro deve iniciar as prescrições, para compensar as reações adversas, utilizar as medidas preventivas na prestação do cuidado, aplicar as técnicas corretas na administração do cuidado e preparar o cliente para os procedimentos especiais, além de começar as medidas para salvar a vida nas situações de emergência.

Evolução

Os enfermeiros devem ser pensadores críticos. O processo de enfermagem consiste em uma série de ações baseadas e sustentadas por julgamentos clínicos. A evolução, a etapa final do processo de enfermagem, é crucial para determinar-se, depois da aplicação do processo de enfermagem, se a condição ou o bem-estar do cliente melhora.

A etapa de evolução do processo de enfermagem mede a resposta do cliente para atingir as metas. Outro aspecto da evolução envolve a mensuração da qualidade do cuidado de enfermagem prestado no ambiente de cuidado de saúde.

Revisão do Plano de Cuidado

À medida que são avaliadas as metas, devem ser feitos os ajustes no plano de cuidado. Quando um objetivo foi alcançado com sucesso, a referida parte do plano de cuidado deve ser suspensa. As metas não-satisfeitas ou atingidas parcialmente exigem que o enfermeiro continue a intervenção. Depois de reavaliar o cliente, os diagnósticos de enfermagem podem ser modificados ou acrescentados com as devidas metas e resultados esperados, estabelecidas as prescrições.

Melhoria da Qualidade

A evolução do cuidado de saúde é um processo utilizado para determinar a qualidade do cuidado e dos serviços fornecidos aos clientes. Espera-se que cada enfermeiro avalie seu sucesso no fornecimento do cuidado de enfermagem efetivo. Entretanto, os bons resultados para o cliente são um produto das ações individuais e interações que se relacionam, direta ou indiretamente, ao cuidado recebido por ele (Scoble e Hembrough, 1993). Os resultados do cuidado constituem uma medida do desempenho de toda a equipe de cuidado de saúde.

BIBLIOGRAFIAS CARPENITO, L.J. Diagnósticos de Enfermagem: aplicação para a prática clínica, 68 ed., Rio de Janeiro, 1997. KENNER, C. Enfermagem Neonatal. Rio de Janeiro , Reichmann & Affonso Editores, Ed. 2 , p.338-341. 2001.

Ministério da Saúde. Manual de Enfermagem. Programa da Saúde da Família. Brasília, Ministério da Saúde , 2001.

Ministério da Saúde. Manual de Enfermagem. Programa da Saúde da Mulher. Brasília, Ministério da Saúde , 2001.

NEME, B. Obstetrícia básica. 28 ed. São Paulo. Sarvier, 2000. North American Nursing Diagnosis Association. Definições e Classificações. São Paulo, Artmed, 2000.

POTTER, P. A. PERRY, A. G. Fundamentos de Enfermagem. 58 edição, Guanabara koogan, Rio de Janeiro, 2004.

Secretaria Municipal de Saúde/COGEST. Caderno Temático da Criança. São Paulo, 2003.

Silva CarvaIho,E. & Brunow de Carvalho, W. Terapêutica e Prática Pediátrica. São Paulo, Ed. Atheneu,1996. SCHMITZ, E.M.A enfermagem em Pediatria e Puericultura .São Paulo, Ed. Atheneu, 2000.

(Parte 8 de 8)

Comentários