[Gestão da Qualidade] Aula 09 - Gestão da Qualidade VI-Gráfico de Controle

[Gestão da Qualidade] Aula 09 - Gestão da Qualidade VI-Gráfico de Controle

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Existem dois tipos de causa para a variação na qualidade dos produtos resultantes de um processo:

•Causas Comuns ou Aleatórias •Causas Especiais ou Assinaláveis

A variação provocada por Causas Comuns ou

Aleatórias, também conhecidas como variabilidade natural do processo, é inerente ao processo considerado e estará presente mesmo que todas as operações sejam executadas empregando métodos padronizados.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Neste caso a quantidade de variabilidade se mantém em uma faixa estável, conhecida como faixa característica do processo, ou seja o processo está sob controle estatístico.

As Causas Especiais de variação surgem esporadicamente, devido a uma situação particular que faz com que o processo se comporte de um modo completamente diferente do usual, o que pode resultar em um deslocamento do seu nível de qualidade.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Quando o processo está operando sob a atuação de causas especiais de variação dizemos que ele está Fora de Controle

Estatístico e neste caso sua variabilidade é bem maior do que a variabilidade natural.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Gráfico de Controle

Quando necessitar visualizar o quanto da variabilidade do processo é devido à variação aleatória e quanto é devido a causas comuns / ações individuais, de modo a determinar se o processo está sob controle estatístico.

X – Valor observado do característico da Qualidade A – Nº de ordem cronológica da amostra ou seqüência de extrações LM – Linha Média ou Valor à Visar LSC – Limite Superior de Controle LIC – Limite Inferior de Controle

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Aplicação

A carta ou gráfico de controle é usada para determinar a estabilidade de um processo e para mantê-lo estável.

Na aplicação, registram-se dados de um determinado período de tempo numa carta de controle; analisa-se o processo procurando por pontos fora dos limites de controle ou procurando por tendências;

Efetuam-se ações no processo para controlar vários fatores; faz-se pesquisa para verificar se o processo foi estabilizado após uma atividade de melhoria, e mantém-se o processo estável.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Estratificação

Quando uma boa estratificação é feita para solução de problemas , as cartas de controle podem ser utilizadas , de forma eficaz , para facilitar as atividades de solução desses problemas.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Exemplos 8

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Exemplos 9

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Niquelândia, 2011 brenno.senai@sistemafieg.org.br 10

Comentários