Extração Sólido Líquido

Extração Sólido Líquido

(Parte 1 de 2)

Jundiaí, Outubro de 2011

Química Analítica Quantitativa Extração Sólido - Liquido

Atualmente observamos grandes avanços tecnológicos em relação a equipamentos analíticos;

Este fato gerou incremento de produtividade nos

laboratórios e permitiu a obtenção rápida de grandes

quantidades de dados com extrema precisão e exatidão.

No entanto, a etapa de preparo das amostras continua

sendo a mais lenta e propensa a erros, podendo levar

a grandes desvios nos resultados finais, limitando a

utilização de instrumentação altamente sofisticada e de alto custo.

Técnicas de preparação de amostras têm sido automatizadas para uso em análises de rotina, pois:

•eliminam erros humanos de manipulação;

•diminuem o tempo de assistência do analista durante a análise;

•evitam o risco de contato com substâncias prejudiciais à saúde;

•aumentam, significativamente, o número de análises de amostras por tempo.

Extração: técnica que realiza separação, purificação ou remoção de algum composto. A solubilidade dos sólidos variam em função do tempo.

• Para que um soluto possa dissolver em um solvente, o soluto e o solvente precisam apresentar a mesma interação intermolecular.

Expor uma aplicação prática para Extração em Sólido - Liquido

Objetivo:

Extração Sólido-Liquido

Os métodos de extração líquido-sólido podem ser divididos em processos nos quais é requerido aquecimento (Soxhlet/Soxtec) e aqueles em que não é fornecido aquecimento, mas é utilizada alguma forma de agitação ou sonicação

Quando realizamos este método de extração certos componentes que estão na fase sólida passam para a fase líquida.

Extração descontínua: solubilidade dos componentes extraídos é grande em determinado solvente.

Extração contínua: solubilidade do soluto é pequena.

Extrator de Soxhlet. Extrator de Soxhlet.

um solvente e as impurezas não o são

A técnica é utilizada quando um composto puro é parcialmente solúvel em

A amostra seca e moída é colocada em um filtro de papel.

O filtro é colocado na câmera de extração que está suspensa acima do balão contendo o solvente e a baixo de um condensador.

O balão é aquecido e evapora o solvente que move-se em direção ao condensador, sofrendo liquefação acabando por gotejar na amostra que se encontra no papel filtro.

Quando o solvente em torno da

amostra for superior a altura máxima

do sifão, o líquido transborda para o

balão onde é aquecido e

posteriormente evapora, reiniciando o ciclo.

No final do processo o solvente é

retirado antes de atingir a altura

máxima do sifão e o óleo é concentrado no balão.

A massa do óleo é calculada e a

porcentagem do óleo da amostra pode ser calculada.

O solvente evapora e condensa sobre o material sólido.

Quando o solvente condensado ultrapassa um certo volume, ele escoa de volta para o balão, onde é aquecido, e novamente evaporado. Os solutos são concentrados no balão. O solvente, quando entra em contato com a fase sólida, está sempre puro, pois vem de uma destilação!

Neste processo o composto que

se deseja extrair, são obtidos

após repetidas lavagens

(percolação), com solvente

orgânico (hexano ou éter de petróleo), sob refluxo.

Exemplo Prático Exemplo Prático

Nestes casos, componentes que

estavam na fase sólida (no pó

de café ou nas ervas) passam

(Parte 1 de 2)

Comentários