DESVENDANDO O INTERESSANTE MUNDO DA LÓGICA

DESVENDANDO O INTERESSANTE MUNDO DA LÓGICA

Daniela Batista Santos - UNEB

Laion Augusto Correa Silva – UESB Rafael Souza Barros – UESB

A busca constante pela melhora do ensino de matemática tem que a resolução de problemas é uma metodologia muito interessante, principalmente pelo fato de possibilitar contextualização e interdisciplinaridade nos diversos problemas, o que exige leitura interpretação e articulação das idéias matemática. As situações problemas envolvendo os conceitos de lógicas são constantes no cotidiano bem como nos vestibulares e concursos, e por isso mesmo, surge a necessidade de trabalhamos um pouco mais com a argumentação lógica de modo que os educandos sejam capazes de resolver problemas lógicos. Esse mini-curso destina-se a graduandos(as) em matemática, professores(as) do ensino fundamental e médio, e a comunidade em geral que deseja adquirir um conhecimento sobre a lógica da resolução de problemas. Nesse sentido, objetivamos no presente mini-curso discutir alguns conceitos especifico da lógica das proposições e de alguns jogos, de modo que seja possível a resolução de situações problemas. Assim, trabalharemos com alguns jogos e problemas tais como: desafio de Einstein, problemas de concurso e vestibulares, jogo Campo Minado, Sodoku dentre outros.

Palavras Chaves: ensino de matemática, lógica, resolução de problemas.

A dificuldade de aprendizagem em matemática é um problema que há muito tempo é preocupação na comunidade acadêmica e por isso mesmo é um dos objetos de estudo da Educação Matemática, que tem sido responsável por suscitar discussões a respeito do ensino-aprendizagem em matemática.

Historicamente a disciplina de matemática é considerada difícil principalmente por que muitas vezes, a Matemática é considerada uma ciência exata, que tem como características principais o conhecimento objetivo, abstrato e universal. Entretanto não devemos considerar somente esse viés, pois uma educação com essas características tem objetivos são estreitos e limitados.

A escola cumpre funções que lhe são dadas pela sociedade que, por sua vez apresenta-se constituída por classes sociais com interesses antagônicos (...) fica claro, portanto, que o modo como o professor realiza o seu trabalho, seleciona e organiza os conteúdos escolares, ou escolhem as técnicas de ensino e avaliação, tem a ver com pressupostos teóricometodológicos, explicita ou implicitamente (LIBÂNEO, Apud FIORENTINI, 1995, p. 4).

Portanto, temos que um professor que concebe a matemática como uma ciência exata, logicamente organizada e a-histórica ou pronta e acabada certamente terá uma prática pedagógica diferente daquele que a concebe como uma ciência viva, dinâmica construída pelos homens, atendendo a interesses e necessidades sociais. O que reflete diretamente na prática educativa pois, o professor que acredita que o aluno aprende matemática através de memorização de regras, fatos e repetição exaustiva de exercício terá uma prática diferente daquele docente que entende que o aluno aprende matemática no processo interativo, que construindo os conceitos a partir de ações reflexivas, situações problemas e problematizarão do saber matemático. Nesse sentido acreditamos que a resolução de problemas é uma metodologia muito interessante, principalmente pelo fato de possibilitar contextualização e interdisciplinaridade nos diversos problemas, o que exige leitura interpretação e articulação das idéias matemática.

As novas tendências em educação matemática trazem a resolução de problemas como uma forma interessante de ensinar matemática, pois trabalha a matemática de forma dinâmica buscando resolver problemas comuns no cotidiano dos alunos, por isso para alguns docentes, trabalhar resolução de problemas no ensino de matemática vem sendo um grande desafio, a resolução de problemas torna o ensino de matemática mais prazerosa de forma a incentivar o gosto pela matemática. Vislumbramos neste mini-curso trabalhar a resolução de problemas enfocando o ensino de lógica, ou seja, desenvolvendo o raciocínio lógico para que o discente possa interpretar melhor facilitando a resolução de problemas.

Uma Grande descoberta resolve um grande problema, mas há sempre uma pitada de descoberta na resolução de qualquer problema. O problema pode ser modesto, mas se ele desafiar a curiosidade e puser em jogo as faculdades inventivas, quem o resolver por seus próprios meios, experimentará a tensão e gozará o triunfo da descoberta. Experiências tais, numa idade susceptível, poderão gerar o gosto pelo trabalho mental e deixar, por toda a vida, a sua marca na mente e no caráter.(POLYA, 1995,p.5)

As situações problemas envolvendo os conceitos de lógicas são constantes no cotidiano bem como nos vestibulares e concursos, e por isso mesmo, surge a necessidade de trabalhamos um pouco mais com a argumentação lógica de modo que os educandos sejam capazes de resolver problemas lógicos.

Esse mini-curso destina-se a graduandos(as) em matemática, professores(as) do ensino fundamental e médio, e a comunidade em geral que deseja adquirir um conhecimento sobre a lógica da resolução de problemas. Nesse sentido, objetivamos no presente mini-curso discutir alguns conceitos especifico da lógica das proposições e de alguns jogos, de modo que seja possível a resolução de situações problemas.

O desenvolvimento do raciocínio lógico é o cerne do mini-curso, e por isso mesmo, escolhemos trabalhar de forma lúdica por meio da utilização de jogos, o que acreditamos que possibilitará uma melhor compreensão a cerca do assunto. Ressaltamos que Einstein afirmou que somente 2% da população mundial seriam capazes de resolver o desafio que estava propondo e este tornou-se mundialmente conhecido, mas esse desafio propõem apenas a articulação lógica de algumas proposições para descobrir quem das pessoas envolvidas no problema tinha como animal de estimação um peixe.

Assim, o mini-curso terá um caráter teórico e prático, pois trabalharemos com alguns conceito da lógica formal (conectivos básicos), conceito de proposição, dentre outros, resolveremos alguns problemas que envolvam esses conceitos e que estão presentes nos concurso e vestibulares, desafios de Einstein e também aplicaremos o jogo Campo Minado, Sodoku.

Salientamos que o jogo Campo Minado, dispõem algumas informações logicamente articuladas para que o jogador possa achar bombas de um campo minado. O Campo Minado é um jogo presente em vários computadores atuais e com isso estimular aos discentes do mini-curso que após o término possam continuar praticando de modo que possam desenvolver os conhecimentos aprendidos no mini-curso.

Outro jogo ao qual pretendemos trabalhar é o Sodoku, jogo que é unicamente lógico criado, no Japão, pelo grande matemático Leonhard Euler. O sodoku consiste em um quadra maior de 9x9 formado por nove quadrados 3x3 os quais a soma das colunas e linhas do quadrado 9x9 possuem números de 1 a 9, bem como cada quadrado menor 3x3 é enumerado de 1 a 9cada um. Dessa forma temos outro jogo que trabalha muito bem a lógica, e alem disso o Sodoku esta presente em vários celulares, de forma que facilita que os discentes do mini-curso tenha contato como conteúdo trabalhado. Salientamos também que existem vários níveis de dificuldades desse jogo.

Assim, pretendemos por meio da resolução de problemas e dos jogos facilitar o desenvolvimento do raciocínio lógico, de modo que sejam possível a compreensão de alguns conceitos de lógica e como utilizá-lo na resolução de situações problemas, principalmente porque conceitos de lógicas têm sido pouco trabalhado no âmbito da educação básica.

Graduandos(as) em matemática, professores(as) do ensino fundamental e médio, e a comunidade em geral que deseja adquirir um conhecimento sobre a lógica da resolução de problemas

MATERIAIS NECESSÁRIOS Um kit de projetor multimídia ou um retroprojetor.

NÚMERO DE VAGAS 20 vagas.

FIORENTINI, Dario. Alguns modos de ver e conceber o ensino de matemática no Brasil. Revista Zetetiké. Ano 3, n. 4, 1995. ISSN 0104-4877.

Polya, George. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático; tradução e adaptação Heitor Lisboa de Araujo. Rio de Janeiro, 1995. Interciência, 196p.

Comentários