Demonstrações contabeis. williams

Demonstrações contabeis. williams

(Parte 1 de 2)

Eunápolis 2010

2 WILLIAMS GENNIGS LIMA GARCIA SANTOS

Trabalho apresentado Pós-Graduação M.B.A Executivo em Negócios. UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina Contabilidade Gerencial

Profº: José Manoel da Costa

Eunápolis 2010

LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 – Fórmula DuPont ...................................................................................... 15

4 LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Demonstrativo do exercício do ano de 200717
Tabela 2 – Demonstrativo do exercício do ano de 200818

Tabela 3 – Demonstrativo do exercício do ano de 2009 .......................................... 19

1 INTRODUÇÃO06
2 PARTE TEÓRICA07
2.1 Balanço Patrimonial08
2.2 Cálculo e análise dos índices de liquidez10
2.3 Função e Disfunção da Liquidez10
2.4 Liquidez Corrente10
2.5 Liquidez Seca1
2.6 Liquidez Imediata1
2.7 Liquidez Geral1
2.8 Análise dos índices12
3. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS13
3.1 objetivos da análise das demonstrações financeiras13
3.2 Análise das demonstrações financeiras vertical e horizontal13
3.3 Formula Dupont14
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS21

SUMÁRIO REFERÊNCIAS ................................................................................................... 2

6 1. INTRODUÇÃO.

Nesse breve trabalho iremos analisar a importância das demonstrações contábeis nas empresas. O trabalho será baseado na analise financeira da empresa Americanas S/A. Onde através do uso da formula Dupont será possível mensurar os resultados financeiros obtidos pela empresa que está servindo de referencial para esta análise. O trabalho será embasado pela disciplina de contabilidade financeira I, a qual aborda todo o conteúdo ligado a questão da parte de Gestão Financeira e Contábil. Sabe-se que no mundo corporativo a informação é um dos itens mais valiosos. O poder da informação é algo inquestionável. Neste momento a informação contábil aparece como a mais confiável das fontes de informação organizacional. O sistema contábil abrange o processo de registro dos eventos econômicos com a principal finalidade de organizar, resumir informações que possam ser consultadas a qualquer tempo e que forneçam o perfil econômico em um determinado período ao longo do ciclo de vida do negócio. Dessa forma esse trabalho tem como objetivo não somente analisar a situação financeira da empresa em questão, mais sim traçar um panorama da introdução, desenvolvimento da contabilidade nas instituições.

7 2. PARTE TEORICA

Apurar ou calcular índices é uma tarefa bastante simplista, tendo em vista que as fórmulas já se encontram padronizadas. O que se precisa é meramente um conhecimento de matemática básica ou financeira e saber classificar e extrair as contas das demonstrações a fim de se aplicá-las às fórmulas, atividades estas estudadas. O grande desafio do problema em questão é justamente a análise ou interpretação destes cálculos ou dos índices extraídos. Calcular é muito simples, mas não é uma atividade que se encerra em si. Indispensável é reforçar a necessidade de bem interpretar os dados e informações.

Partindo-se da hipótese de que parte do elenco de informações que as empresas utilizam para tomar decisões está nas demonstrações contábeis, especialmente no suplemento de análise destas demonstrações, há que se afirmar que a importância em se proceder a análise financeira e de balanços é de um grau de relevância extremamente alto. Partindo desses pressupostos através de uma analise bem feita dos dados contábeis, teremos afirmações como estas;

Se bem manuseada, pode se constituir num excelente e poderoso "painel de controle" da administração;

Se não for feita a partir de uma contabilidade manipuladora ou normatizante, pode trazer resultados bastante precisos;

É uma poderosa ferramenta à disposição das pessoas que se relacionam ou pretendem relacionar-se com a empresa, ou seja, os usuários da informação contábil ou financeira sejam eles internos ou externos;

Permite diagnosticar o empreendimento, revelando os pontos críticos e permitindo apresentar um esboço das prioridades para a solução dos problemas;

Permite uma visão estratégica dos planos da empresa, bem como estimar o seu futuro, suas limitações e suas potencialidades.

8 2.1 Balanço Patrimonial.

o balanço patrimonial é o registro contábil resumido do ativo, do passivo e do patrimônio líquido de uma empresa, ou seja, é uma demonstração financeira que tem como objetivo mostrar a situação patrimonial de uma empresa em certo momento, após a contabilização de todos os atos e fatos relacionados na escrituração contábil, sendo considerada assim, um demonstrativo estático. O balanço encerra a seqüência dos procedimentos contábeis, apresentando de forma ordenada, os três elementos que compõem o patrimônio da empresa que são bens, direitos e obrigações.

Para Drumond (1995) a Contabilidade é um das ciências mais antigas e não surgiu em função de qualquer tipo de legislação fiscal ou societária, nem embasada em princípios filosóficos, ou em regras estipuladas por terceiros, mas pela necessidade prática do próprio gestor do patrimônio, normalmente seu proprietário, preocupado em elaborar um instrumento que lhe permitisse, entre outros benefícios, conhecer, controlar, medir resultados, obter informações sobre produtos mais rentáveis, fixar preços e analisar a evolução de seu patrimônio. Esse gestor passou a criar rudimentos de escrituração que atendessem a tais necessidades.

No Brasil, a análise de balanço só foi difundida em 1970. Naquela época os banqueiros passaram a solicitar balanços às empresas tomadoras de empréstimos, tornando-se assim, os bancos seu principal usuário. É provável que nesse mesmo período, os balanços apresentassem dados que eram examinados apenas de uma forma bem simples. No transcorrer dos anos e o sucessivo recebimento de balanços foi-se desenvolvendo a noção de comparação de diversos itens, sendo a mais comum a do Ativo Circulante com o Passivo Circulante.

Pelo Código Civil, todo o empresário ou entidade empresária, está obrigado a levantar balanço patrimonial anualmente, e esta obrigatoriedade justifica a importância deste demonstrativo contábil. E após seu levantamento, estará sujeito a uma análise de balanço, onde se podem extrair orientações úteis para um objetivo econômico em mente, e podendo ainda identificar as tendências, composições de cada conta e sua influência quantitativa e qualitativa em uma organização.

As ferramentas de análise passaram a ser mais relevantes no Brasil após a implantação do plano real em meados de 1994, devido a mudanças na política econômica que modificaram elementos como: o imposto inflacionário e o poder de compra da população, que no início beneficiaram as classes sociais (c e d), que após décadas a fins tendo seus numerários corroídos pela inflação, puderam se inserir como agentes ativos no mercado consumidor, na ordem de 20 milhões de pessoas.

Ferreira (2006) comenta que de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade, o Balanço Patrimonial pode ser assim conceituado: O balanço patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, quantitativa e qualitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da entidade. O Balanço Patrimonial é constituído pelo Ativo, pelo Passivo e pelo Patrimônio Líquido:

O Ativo compreende as aplicações de recursos (destino dos recursos) representados pelos bens e direitos

O Passivo compreende as origens de recursos (de onde vêm os recursos), representados pelas obrigações para com terceiros (dívidas).

O Patrimônio Líquido compreende os recursos próprios da Entidade e seu valor é a diferença entre o valor do Ativo e do Passivo (Ativo menos Passivo). Portanto, o valor do Patrimônio Líquido pode ser positivo, negativo ou nulo. O Patrimônio Líquido negativo pode ser também denominado de Passivo a Descoberto.

2.2 Cálculo e análise dos índices de liquidez

Os índices de liquidez avaliam a capacidade de pagamento da empresa frente a suas obrigações. Sendo de grande importância para a administração da continuidade da empresa, as variações destes índices devem ser motivos de estudos para os gestores. As informações para o cálculo destes índices são retiradas unicamente do Balanço patrimonial, demonstração contábil que evidência a posição patrimonial da entidade, devendo ser atualizadas constantemente para uma correta análise. Atualmente estuda-se 4 índices de liquidez:

2.3 Função e Disfunção da Liquidez

A Função básica da liquidez é transformar meios patrimoniais em numerário para suprir a necessidade de pagamento da riqueza da célula social. É a de pagar em dia o compromisso assumido com terceiros. Objetivo essencial, pois, do comportamento sistemático, no caso, é o do suprimento da necessidade de realizar pagamentos, nos locais e tempos certos, na quantidade e com as qualidades pertinentes. A eficácia da liquidez depende da condicionante referida. Não ocorrendo o pagamento dentro das dimensões referidas, não se satisfaz a necessidade e, então, o que ocorre é a ineficácia.

2.4 Liquidez Corrente:

Calculada a partir da Razão entre os direitos a curto prazo da empresa (Caixas, bancos, estoques, clientes) e a as dívidas a curto prazo (Empréstimos, financiamentos, impostos, fornecedores). No Balanço estas informações são evidenciadas respectivamente como Ativo Circulante e Passivo Circulante.

Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante

A partir do resultado obtido podemos fazer a seguinte análise: Maior que 1: Resultado que demonstra folga no disponível para uma possível liquidação das obrigações. Se igual a 1: Os valores dos direitos e obrigações a curto prazo são equivalentes Se menor que 1: Não haveria disponibilidade suficientes para quitar as obrigações a curto prazo, caso fosse preciso.

2.5 Liquidez Seca:

Similar a liquidez corrente a liquidez Seca exclui do cálculo acima os estoques, por não apresentarem liquidez compatível com o grupo patrimonial onde estão inseridos. O resultado deste índice será invariavelmente menor ao de liquidez corrente, sendo cauteloso com relação ao estoque para a liquidação de obrigações.

2.6 Liquidez Imediata:

Índice conservador considera apenas caixa, saldos bancários e aplicações financeiras de liquidez imediata para quitar as obrigações. Excluindo-se além dos estoques as contas e valores a receber. Um índice de grande importância para análise da situação a curto-prazo da empresa.

2.7 Liquidez Geral:

Este índice leva em consideração a situação a longo prazo da empresa, incluindo no cálculo os direitos e obrigações a longo prazo. Estes valores também são obtidos no balanço patrimonial. Observação: A partir de 31.12.2008, em função da nova estrutura dos balanços patrimoniais promovida pela MP 449/2008, a fórmula da liquidez geral será:

Liquidez Seca = (Ativo Circulante - Estoques) / Passivo Circulante

Liquidez Imediata = Disponível / Passivo Circulante

2.8 Análise dos índices:

Para uma ampla e correta análise de liquidez da empresa é aconselhável o estudo dos 4 índices de forma simultânea e comparativa, sempre observando quais são as necessidades da empresa, qual o ramo do mercado em que ela está inserida e quais as respostas que os gestores procuram ao calcular estes índices. Um balanço patrimonial bem estruturado com a correta classificação das contas pela contabilidade irá gerar índices de qualidade para uma melhor tomada de decisão dos gestores.

3. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

A análise das demonstrações financeiras visa relatar, a partir das informações contábeis fornecidas pelas empresas, a posição econômico financeira atual, as causas que determinaram a evolução apresentada, e as tendências futuras. Extrai a informação sobre a posição passada, presente e futura (projetada) de uma empresa.

3.1 objetivos da análise das demonstrações financeiras

(Parte 1 de 2)

Comentários