[Gestão da Produção] Aula 17 - Gestão da Produção IV-Projetos do Processo de produção

[Gestão da Produção] Aula 17 - Gestão da Produção IV-Projetos do Processo de...

(Parte 1 de 2)

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Projetar o processo de produção envolve uma série de decisões que devem ser tomadas no âmbito da gestão da produção.

O agrupamento dos recursos de produção precisa estar de acordo com o que a empresa pretende produzir.

Mas quando é que a empresa precisa planejar um processo?

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Além do planejamento de novos processos, uma empresa pode necessitar atualizar aqueles vigentes.

Isso acontece quando a capacidade de produção precisa ser modificada, quando a importância relativa de um objetivo de desempenho se altera ou quando máquinas tecnologicamente superiores se tornam disponíveis.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

Nas primeiras etapas do planejamento do processo, o gerente de produção deve decidir o tipo básico de organização do processamento para cada produto.

Os tipos comuns de organização de processamento da produção são:

•focalizado no produto; •focalizado no processo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

Projetar o processo de produção para uma fábrica de carteiras escolares padronizadas é completamente diferente de projetar o processo de produção para confeccionar móveis sob encomenda.

As operações produtivas podem ter alto volume de um único tipo de output ou baixo volume de produtos bastante diferenciados entre si.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

O fabricante de carteiras terá um projeto de processo dedicado a um único tipo de produto.

A produção deve se dar em grande quantidade.

Para isso, será necessário contar com modernos equipamentos e rapidez na movimentação do produto em processo.

Neste caso, o fluxo é contínuo, seguindo sempre a mesma seqüência de tarefas.

Um processo de produção com essas características costuma ser considerado do tipo “foco no produto”.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

Para fabricar produtos semelhantes exigem-se processos semelhantes. Portanto, a seqüência em que os recursos são agrupados é claramente definida e as atividades são repetitivas.

Já um fabricante de móveis sob encomenda pode ter um jeito próprio de cortar a madeira. Entretanto, para cada cliente ele deverá seguir medidas e desenhos diferentes.

O seu processo precisa ser altamente flexível, pois um móvel dificilmente vai ser igual ao outro. Cada encomenda é única.

Além disso, um armário de cozinha pode exigir uma seqüência de atividades totalmente diferente de uma estante para sala.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

Dessa forma, os recursos não serão agrupados especialmente, nem para produzir móvel de cozinha, nem para produzir móvel de sala.

Se há diversidade de produtos, haverá diversidade de fluxos na fábrica.

A expressão “focalizado no processo” é usada para descrever uma forma de produção na qual as atividades são agrupadas de acordo com o tipo de processo.

As atividades de pintura de todas as peças serão agrupadas num setor.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

O foco no processo é uma característica das operações que produzem alta variedade de produtos

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

O foco do processo deve ser determinado de acordo com as características do mercado consumidor. Sendo a satisfação do cliente um dos objetivos principais da gestão da produção, os volumes e variedades de produto devem ser oferecidos de acordo com as necessidades.

Portanto, acima de qualquer coisa, o processo produtivo precisa estar focalizado no mercado em que a empresa atua.

O foco definido pela operação poderá influenciar também as decisões sobre equipamentos e recursos humanos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Volume, Variedade e Projeto

Percebe-se que o fabricante de carteiras precisa se preocupar com uma movimentação de materiais mais intensa devido ao volume. Assim, modernos equipamentos, como esteiras e robôs, se fazem necessários.

Por outro lado, a operação focalizada no processo empreende maior esforço para treinar os funcionários, planejar e controlar o CHÃO DE FÁBRICA.

O fluxo de materiais em processo não segue uma seqüência padronizada.

O fabricante de móveis sob encomenda tem uma atividade pouco repetitiva. Assim, o investimento na tecnologia de movimentação e robotização tende a ser menor de que na operação focalizada no produto.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Exercício

Observe as figuras a seguir. A figura da esquerda representa uma fábrica da Rolls Royce, uma marca luxuosa de veículos, sediada na Inglaterra. O profissional demora até três horas para pintar milimetricamente as listras laterais dos veículos.

A figura da direita ilustra a linha de produção de uma montadora, um formato semelhante à maioria dos fabricantes nacionais.

Analise o foco do processo de cada tipo de fábrica e identifique as diferenças principais de cada um.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Resposta

O volume diário de veículos produzidos pela Rolls Royce é muito inferior ao volume produzido pelas montadoras tradicionais. Por outro lado, a Rolls Royce oferece ao cliente a possibilidade de personalizar seu produto, exigindo um processo com alta flexibilidade de mix.

A figura da esquerda ilustra uma operação produtiva focalizada no processo. Conseqüentemente, temos uma participação maior do trabalho humano no processo produtivo da Rolls Royce.

A figura da direita mostra uma linha de produção focalizada no produto. Já nas linhas convencionais de produção de automóvel, o grau de automatização do processo é muito maior.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipo de Resposta à Demanda

A resposta à demanda está relacionada ao foco da operação produtiva. O atendimento à demanda pode se dar através de estoque de produtos acabados para pronta entrega.

Por exemplo, uma marca de sabão em pó não pode se dar ao luxo de esperar pelo pedido do cliente para produzir. Seu processo é focado no produto e visa a garantir o volume necessário para realizar o abastecimento das lojas.

Já o mercado consumidor de carteiras escolares pode mudar. As escolas podem começar a pedir algumas variações do produto. Alguns clientes podem desejar carteiras envernizadas, outros podem querer o produto pintado de branco. Poderá haver clientes necessitando de carteiras para canhotos e também aqueles dispostos a pagar um pouco mais por uma carteira acolchoada.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipo de Resposta à Demanda

A resposta para essas perguntas chama-se postergação do acabamento da produção. As madeiras podem seguir por um processo padrão nas fases de corte, colocação de parafusos e montagem da base.

Afinal, todos os tipos de carteiras vendidas passam pela mesma seqüência básica de atividades. As diferenças começam a surgir quando o “esqueleto” da carteira está pronto para pintura e acabamento final.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipo de Resposta à Demanda

Um fabricante de carteiras cujo mercado demanda algumas variações de produto pode produzir o esqueleto da carteira num processo focalizado no produto padrão.

Em seguida, as atividades que vão diferenciar cada encomenda serão realizadas de acordo com as quantidades pedidas por cada cliente.

A empresa poderá até optar por manter estoques de carteiras semi prontas, aguardando o pedido para realização das atividades finais do processo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipo de Resposta à Demanda

Os projetos focalizados no processo geralmente envolvem produtos feitos de acordo com a especificação de cada cliente, ou seja, fabricados por encomenda.

Uma fábrica desse tipo pode aplicar três políticas de estoques diferentes:

•comprar as matérias-primas somente quando o pedido do produto acabado acontece;

•manter estoque de matérias-primas e começar a fabricação do produto após a efetivação do pedido;

•iniciar o processo de montagem dos elementos básicos do produto e finalizar o processo após a chegada do pedido (postergação do acabamento da produção).

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipo de Resposta à Demanda

O processo de produção influenciará diretamente os níveis de estoque da empresa.

Os fabricantes de produto sob encomenda não mantêm estoques de produtos acabados, mas podem possuí-los na forma de matéria-prima ou produto semi-acabado.

Os fabricantes de produtos padronizados necessitam de estoque de produto acabado para garantir a disponibilidade do produto ao cliente. Seu estoque de matéria-prima vai depender do tipo de negócio e da relação com fornecedores.

Considerando a influência que o foco da operação causa no processo produtivo, os autores dos principais livros de gestão da produção, estabeleceram uma classificação dos tipos de processo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

Os quatro tipos de processo de produção nas operações de manufatura são:

•produção Job shop; •produção em lotes;

•produção em massa;

•produção contínuo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

A figura anterior mostra a localização de cada tipo de processo na matriz volume-variedade.

Já foi visto que quanto maior o volume menor é a variedade de produtos. E, quanto maior for a variedade, menor o volume produzido.

Não se pode confundir a distinção feita sobre o foco da operação produtiva (focalizada no processo e focalizada no produto) com os tipos de processo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

O processo de produção do tipo Job shop é voltado para a produção de grande variedade de produtos e baixos volumes. Neste tipo de processo, a variedade é tão grande que cada produto é único.

O produto que está sendo terminado agora é diferente daquele que foi produzido anteriormente. Imagine o quanto seria difícil uma operação produtiva com essas características atingir volumes elevados.

O tempo para fazer cada produto pode ser longo (produção de um navio) ou médio (produção de um alfaiate).

Cada navio será produzido dentro das especificações transmitidas por cada cliente. Um mesmo cliente pode necessitar de modelos de navios diferentes. Da mesma forma, o alfaiate produzirá um terno de acordo com as medidas previamente pesquisadas diante de cada cliente.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

O processo de produção em lotes é um pouco diferente. Essa diferença começa pelas quantidades produzidas. Sempre que você ouvir falar num processo de produção em lotes saiba que é produzida mais de uma unidade de cada produto por vez.

Diferentemente da Job shop, um lote de bens iguais é manufaturado em seqüência.

Neste tipo de processo, um lote de determinado item é produzido. Em seguida, ocorre uma preparação das máquinas para o processamento de um lote de outro produto diferente.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

O tamanho do lote de produção pode ser de apenas duas ou três unidades; segundo alguns autores, o processo em lotes diferiria pouco do processo tipo Job shop.

Mas o tamanho do lote de produção também pode ser grande, gerando uma maior quantidade produzida de cada produto por vez.

Um fabricante de tintas que possui uma linha de produção deverá fabricar uma certa quantidade de litros de cada cor por vez. O tamanho do lote das diversas cores será compatível com a demanda de cada uma.

Esse é um exemplo de processo de produção em lotes.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

No processo de produção em massa, o volume produzido de cada produto é maior que na produção em lotes.

A variedade de produtos manufaturados é reduzida. Numa fábrica que utiliza o processo de produção em massa as atividades são repetitivas e previsíveis.

Imagine uma linha de montagem de veículos como a da maioria das montadoras no Brasil. Existem variações de cor e acessórios entre as unidades produzidas de cada modelo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

Mas se você observar o fluxo do processo, verá que as atividades executadas em cada carro que passa pela linha de produção são praticamente idênticas.

Além disso, o volume produzido por uma fábrica desse tipo é muito elevado, pois é um processo de produção em massa. Não é à toa que nenhum fabricante processa veículos de passeio e caminhões na mesma linha de montagem.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Manufatura

O processo de produção contínuo praticamente não apresenta variedade entre os produtos manufaturados.

Os volumes são superiores a qualquer outro tipo de processo. Muitas vezes essas operações funcionam vinte e quatro horas por dia, sendo literalmente contínuas.

Exemplos de processos contínuos são as refinarias petroquímicas e instalações de geração de energia.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Serviços

Assim como as operações de manufatura, as operações de serviço também possuem uma classificação própria dos seus tipos de processo.

Os recursos transformados na manufatura são matérias-primas, enquanto nos serviços podem ser materiais, pessoas ou informações.

O processamento de materiais nas operações de serviço não visam a alterar sua natureza física, mas sim a localização ou a posse, por exemplo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Serviços

Seguindo o mesmo critério, os processos de serviço podem ser planejados para atender a um volume pequeno, médio ou grande de recursos transformados.

As operações de serviço que processam maiores volumes geralmente oferecem baixa diferenciação.

Os serviços poderão ser mais CUSTOMIZADOS se a operação se detiver a volumes limitados.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Serviços

Na figura abaixo, os processos de produção de serviços se classificam em três tipos:

•serviços profissionais; •lojas de serviço;

•serviços de massa.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Serviços

Os serviços profissionais se situam no canto superior esquerdo da figura. Isso significa que eles lidam com baixo volume e alta variedade.

A variedade se deve ao fato de esses clientes exigirem um serviço mais personalizado, o que demanda um tempo maior de processamento, uma relação mais longa entre o cliente e o prestador do serviço e um alto grau de contato entre eles.

Comparando com o Job shop da manufatura, nenhum serviço prestado será igual a outro.

Serviços profissionais compreendem consultores, advogados, médicos, dentre outros.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Tipos de Processos de Serviços

As lojas de serviço situam-se numa posição intermediária dentro da matriz volume-variedade.

(Parte 1 de 2)

Comentários