O corpo humano é uma estrutura complexa e um instrumento fundamental para locomoção, comunicação e desenvolvimento de qualquer atividade física.

  • O corpo humano é uma estrutura complexa e um instrumento fundamental para locomoção, comunicação e desenvolvimento de qualquer atividade física.

É conjunto de esforços coordenados dos sistemas músculo-esquelético e nervoso; para manter o equilíbrio, a postura e o alinhamento corporal durante o levantar, curvar, mover e realizar as atividades da vida diária (POTTER, 2009).

  • É conjunto de esforços coordenados dos sistemas músculo-esquelético e nervoso; para manter o equilíbrio, a postura e o alinhamento corporal durante o levantar, curvar, mover e realizar as atividades da vida diária (POTTER, 2009).

  • O uso da mecânica corporal reduz o risco de dano ao sistema músculo-esquelético, facilita o desenvolvimento do movimento corporal e permite o uso de energia mais eficiente (POTTER, 2009).

Alinhamento corporal: o alinhamento correto reduz a distensão das articulações, tendões, ligamentos e músculos.

  • Alinhamento corporal: o alinhamento correto reduz a distensão das articulações, tendões, ligamentos e músculos.

  • Equilíbrio do corpo: contribui para a estabilidade.

  • Movimento Corporal Coordenado: as forças físicas de peso e atrito podem refletir o movimento corporal e quando corretamente usadas, aumentam a eficiência do trabalho do profissional, caso contrário, pode prejudicar a sua saúde.

A enfermagem entende que para atuar na NHB, precisa conhece o paciente a nível psicobiologico, psicossocial e ter o conhecimento cientifico para intervir e aplicar seu plano de ação.

  • A enfermagem entende que para atuar na NHB, precisa conhece o paciente a nível psicobiologico, psicossocial e ter o conhecimento cientifico para intervir e aplicar seu plano de ação.

  • ex: mudança de decúbito acertadamente proporcionando conforto e ativação da circulação do paciente evitando ulcerações

Bom Equilíbrio / Aparência atraente

  • Bom Equilíbrio / Aparência atraente

  • Aumento da eficiência muscular

  • Menor fadiga

  • Menor índice de traumatismo ao sistema músculo-esquelético

Use os músculos maiores e mais fortes dos braços e pernas;

  • Use os músculos maiores e mais fortes dos braços e pernas;

  • Centralize cargas pesadas;

  • Flexione os joelhos;

  • Use a cintura escapular interna e alongue o diafragma;

  • Sempre que possível empurre, puxe e role em vez de erguer;

Use o peso do corpo como alavanca para auxiliar a empurrar ou puxar objetos;

  • Use o peso do corpo como alavanca para auxiliar a empurrar ou puxar objetos;

  • Manter os pés afastados para oferecer ampla base de apoio;

  • Flexionar os joelhos e manter as costas retas sempre que erguer um objeto;

  • Evite girar e alongar os músculos durante o trabalho;

  • Descanse entre os períodos de esforço.

É um procedimento que requer grande esforço físico e utilização de boa mecânica corporal pelo pessoal de enfermagem;

  • É um procedimento que requer grande esforço físico e utilização de boa mecânica corporal pelo pessoal de enfermagem;

• Examinar o local e remover os obstáculos.

  • • Examinar o local e remover os obstáculos.

  • • Observar a disposição do mobiliário.

  • • Obter condições seguras com relação ao piso.

  • • Colocar o suporte de soro ao lado da cama, quando necessário.

  • • Elevar ou abaixar a altura da cama, para ficar no mesmo nível da maca.

  • • Travar as rodas da cama, maca e cadeira de rodas ou solicitar auxílio adicional.

  • • Adaptar a altura da cama ao trabalhador e ao tipo de procedimento que será realizado.

Diretrizes gerais para qualquer procedimento de transferência:

  • Diretrizes gerais para qualquer procedimento de transferência:

  • 1-Elevar a grade lateral do lado oposto ao do profissional evita que o doente caia do leito;

  • 2-Elevar o nível do leito para uma altura adequada;

3-Avaliar a mobilidade e força do doente para determinar quanto ele pode ajudar durante a transferência;

  • 3-Avaliar a mobilidade e força do doente para determinar quanto ele pode ajudar durante a transferência;

  • 4-Explicar o procedimento e descrever especificamente o que se espera do doente.

  • Rolamento de paciente com trauma na coluna com o auxílio de dois ou três enfermeiros

Decúbito dorsal horizontal;

  • Decúbito dorsal horizontal;

  • Decúbito ventral ou prona;

  • Decúbito lateral direito;

  • Decúbito lateral esquerdo;

  • Fowler;

  • Posição de Sims;

  • Posição sentado;

  • Posição supina.

  • Outras posições: Ginecológica; Litotomia; Genu-Peitoral; Trendelemburg; Ereta.

Fazer uma avaliação cuidadosa para verificar se o cliente tem condições de deambular;

  • Fazer uma avaliação cuidadosa para verificar se o cliente tem condições de deambular;

  • A pessoa deve permanecer bem próxima do paciente, do lado em que ele apresenta alguma deficiência;

  • Colocando um braço em volta da cintura e o outro apoiando a mão;

As duas pessoas devem ficar do mesmo lado da cama, de frente para o paciente;

  • As duas pessoas devem ficar do mesmo lado da cama, de frente para o paciente;

  • Permanecer com uma das pernas em frente da outra, com os joelhos e quadris fétidos, trazendo os braços ao nível da cama:

  • A primeira pessoa coloca um dos braços sob a cabeça e, o outro, na região lombar;

  • A segunda pessoa coloca um dos braços também sob a região lombar e, o outro, na região posterior da coxa;

  • Trazer o paciente, de um modo coordenado, para este lado da cama.

Permanecer do lado para o qual você vai virar a pessoa;

  • Permanecer do lado para o qual você vai virar a pessoa;

  • • Cruzar seu braço e sua perna no sentido em que ele vai ser virado, flexionando o joelho. Observar o posicionamento do outro braço;

  • • Fazer o paciente virar a cabeça em sua direção;

  • • Rolar a pessoa gentilmente, utilizando seu ombro e joelho como alavancas.

Se o paciente tem condições físicas, ele pode mover-se sozinho, com a ajuda de um trapézio.

  • Se o paciente tem condições físicas, ele pode mover-se sozinho, com a ajuda de um trapézio.

  • O cliente flexiona os joelhos e dá um impulso, tendo como apoio um plástico antiderrapante sob seus pés ou uma pessoa segurando

  • Pode-se também colocar um plástico deslizante sob as costas e a cabeça do paciente

Colocar o cliente para a frente da cadeira, puxando-o alternadamente pelo quadril.

  • Colocar o cliente para a frente da cadeira, puxando-o alternadamente pelo quadril.

  • Permanecer ao lado da cadeira, olhando do mesmo lado que o paciente.

  • O cliente deve colocar uma mão no braço mais distante da cadeira e a outra é apoiada pela mão do trabalhador de enfermagem. Com o outro braço, o trabalhador circunda a cintura do paciente, segurando no cinto de transferência

  • Levantar de uma forma coordenada, com movimentos de balanço.

  • Dependendo das condições do cliente, pode ser necessária a participação de uma outra pessoa, do outro lado da cadeira

Pode-se utilizar, pranchas e os plásticos resistentes de transferências nesse caso, o paciente deve ser virado para que se acomode o material;

  • Pode-se utilizar, pranchas e os plásticos resistentes de transferências nesse caso, o paciente deve ser virado para que se acomode o material;

  • Volta-se o paciente para a posição supina, puxando-o para a maca com a ajuda do material ou do lençol;

  • Devem participar desse procedimento quantas pessoas forem necessárias, dependendo das condições e do peso do cliente.

  • Nunca esquecer de travar as rodas da cama e do leito e de ajustar sua altura.

O paciente deve ser estimulado a movimentar-se de uma forma independente, sempre que não existir contra-indicações;

  • O paciente deve ser estimulado a movimentar-se de uma forma independente, sempre que não existir contra-indicações;

  • Colchões apropriados;

  • O ideal que as camas tenham altura regulável, que possam ser ajustadas, dependendo do procedimento que será realizado;

  • Durante a movimentação, se possível, utilizar elementos auxiliares como: barra tipo trapézio no leito, plástico antiderrapante para os pés, plástico facilitador de movimentos etc.

Organizações e autores têm procurado despertar a atenção sobre a importância das orientações, com um enfoque ergonômico, sobre os procedimentos de movimentação e transferência de pacientes.

  • Organizações e autores têm procurado despertar a atenção sobre a importância das orientações, com um enfoque ergonômico, sobre os procedimentos de movimentação e transferência de pacientes.

  • A implementação de treinamentos e reciclagem é parte obrigatória de programas de prevenção de lesões músculo-esquelético entre trabalhadores da saúde. Esses procedimentos devem ser aprendidos e praticados de uma forma planejada e sistemática.

Comentários