CENTRO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE TERESINA

FRANCISCO ALVES DE ARAUJO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE TERESINA – CET

CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM

TRÍPLICE REAÇÃO DE LEWIS

Lucélia Carvalho da Silva

TERESINA (PI)

ABRIL/2011

Lucélia Carvalho da Silva

TRÍPLICE REAÇÃO DE LEWIS

Relatório apresentado à Disciplina de Farmacologia, Orientador Profº Jefferson, com o pré-requisito necessário para obtenção parcial de nota.

TERESINA (PI)

ABRIL/2011

Sumário

Introdução 4

Materiais e métodos 5

Resultados 6

Discussão 7

Conclusão 8

Referências 9

Apêndice

Anexo

Introdução

A histamina é uma amina biogênica encontrada em numerosos tecidos. Trata-se de um autacóide isto é, uma molécula secretada localmente para aumentar ou diminuir a atividade das células adjacentes. A histamina é um importante mediador dos processos inflamatórios: desempenha também funções significativas na regulação da secreção de ácido gástrico e na neurotransmissão.

Após sua liberação dos grânulos de armazenamento, como resultado da interação do antígeno com anticorpos constituídos por imunoglobulinas E (IgE) presentes na superfície do mastocito, a histamina exerce um papel central na hipersensibilidade imediata e nas resposta alérgicas (GOODMAN & GILMAN, 2010).

A histamina está presente no plasma humano em concentrações relativamente baixas (C 0,5 ng/mL), em contraste com o sangue total, em que as concentrações podem ser até 30 vezes maiores, refletindo o conteúdo dos basófilos, células que armazenam essas substâncias. Todos os tecidos humanos que contêm histamina são capazes de sintetizá-la a partir da histidina, graças à enzima L-histidina descarboxilase, em presença do fosfato de piridoxal. Na maioria dos tecidos, o principal local de deposito da histamina é o mastócito ou, no sangue, o basófilo (SILVA,2006).

Objetivo desta prática foi observar as reações alérgicas através da atuação sobre as terminações nervosas sensíveis na pele atua diretamente na musculatura vascular onde a vasodilatação e o aumento da permeabilidade capilar, formando-se fibrina, que ajuda a isolar o local infectado do resto do corpo.

Material e Métodos

  • Placa de petri

  • Agulha 25x80

  • Algodão

  • Álcool 70%

  • Histamina (solução aquosa 3 gôtas);

Durante a aula prática sobre a Tríplice Reação de Lewis realizou-se a escarificação no membro superior na região do antebraço direito onde houve uma aplicação de um agente lesivo. Após 20 minutos observou-se uma reação caracterizada por uma mancha vermelha, rubor, edema, dor e prurido. O rubor apresenta devido à estimulação induzida pela histamina de reflexos axônicos que indiretamente provoca a vasodilatação. A mancha torna-se avermelhada por causa da dilatação local dos vasos sanguíneos ingurgitados (cheios, inchado) com hemácias, o edema ocorre rapidamente como resultado da permeabilidade ao plasma das vênulas. Esse edema suave é chamado de pápula urticariforme e pode envolver uma área da pele de vários centímetros de diâmetro. Posteriormente, os vasos sanguíneos nas margens da placa se dilatam e se torna ingurgitado com hemácias, produzindo então uma borda vermelha característica chamada de exacerbação.

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Quadro 1. Alterações provocadas pela aplicação histamina após escarificações da pele de uma região da parte anterior do antebraço.

ALTERAÇÕES

INTENSIDADE

PAPULAS

+

ERIDEMA

++

PRURIDO

++

Legenda: (+) Intensa; (++) Muito Intensa; (±) Leve; () Ausente.

Fonte: Laboratório de Farmacologia, alunos de Enfermagem do 4º período, 2011.

Discussão

Na prática foi observada que os antagonistas bloqueiam fortemente o aumento da permeabilidade capilar e a formação de edema e placas de urticária produzida pela histamina. Segundo DeLucia et al (2007), os anti-histamínicos bloqueadores de receptores H¹ antagonizam de forma eficiente o aumento de permeabilidade vascular induzido pela histamina, mas bloqueiam apenas parcialmente a vasodilatação devida a essa amina, uma vez que ambos os receptores histamínicos H¹ e H² estão implicados em sua vasodilatadora.

O componente de resplandecência da resposta tríplice e purido causado pela injeção intradérmica de histamina são duas manifestações diferentes da sua ação sobre as terminações nervosas. Em seres humanos, a formação de edema e o prurido são eficazmente suprimidos. A vasodilatação é de longe, o mais importante efeito vascular da histamina em seres humanos (GOODMAN & GILMAN, 2010).

Segundo Silva (2006), a histamina em alta dose provoca queda acentuada e progressiva da pressão sangüínea à medida que se dilatam os pequenos vasos sangüíneos represam grandes quantidades de sangue e, como sua permeabilidade aumenta, o plasma escapa do espaço intravascular. Na lesão tecidual a histamina liberada causa a vasodilatação local e vazamento de plasma contendo mediadores da inflamação, anticorpos e células inflamatórias (neutrófilos, e osinófilos, basófilos, monócitos e linfócitos) e quando injetada por via intradérmica, desencadeia-se uma tríade de fenômenos característicos, denominada tríplice reações de Lewis, que compreende: uma pequena mancha vermelha, localizada, estendendo-se por poucos milímetros em volta da local da injeção, de aparecimento rápido, atingindo um máximo em cerca de 1 minuto e logo adquirido uma tonalidade arroxeada, Isso é o resultado do efeito vasodilatador direto da histamina sobre os vasos de pequeno calibre; uma zona de rubor de contornos irregulares estendendo-se por cerca de 1 cm além da mancha vermelha inicial e de desenvolvimento mais lento. Essa segunda fase é devida a reflexos axonais induzidos pela histamina que causam vasodilatação por via indireta; e uma zona de edema localizado que ocupa a área da lesão inicial e é perceptível em 1 a 2 minutos. Essa terceira etapa é resultado do aumento da permeabilidade vascular induzida pela histamina.

Conclusão

Identificou-se que a histamina é um importante mediador das reações alérgicas imediatas e inflamatórias e os efeitos adversos após a aplicação da histamina, no local ocorreu resposta característica de eritema, edema e rubor, devido a dilatação dos pequenos vasos, seguido, em breve, de pápula edematosa no local de injeção e rubor irregular ao redor.

Referências Bibliográficas

DELUCIA, et al. Farmacologia Integrada, 2007. 3ª edição. Editora Revinter. Rio deJaneiro/ RJ.

GOODMAN & GILMAN: as bases farmacológicas da terapêutica / editoras: Laurence L Brunton, John S. lazo, Keith L. Parker; tradução: Carlos Henrique de Araujo Cosendey... [et al.]. - 11. Ed.- Porto Alegre: AMGH, 2010.

SILVA, PENILDON, 1921- Farmacologia / Penildon. -7. ed. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006 il.

Apêndice

Questões

1- Quais os sinais evidentes da “Tríplice Reação de Lewis”?

Aparecimento de pápula localizada dilatação arteriolar (eritema) na região de lesão.

2-Como se formam as pápulas quando a pele é submetida a contato com histamina?

Através do estravamento do plasma para o tecido formando pápulas.

3-Como a histamina pode causar prurido?

Através da atuação das terminações nervosas sensíveis da pele, a histamina pode provocar prurido.

ANEXOS

Comentários