Como elaborar um Relatorio Tecnico-cientifico

Como elaborar um Relatorio Tecnico-cientifico

Como elaborar um Relatório Técnico-Científico (RTC)

1 CONCEITO DE RELATÓRIO

"É a exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados mediante pesquisas ou se história a execução de serviços ou de experiências. É geralmente acompanhado de documentos demonstrativos, tais como tabelas, gráficos, estatísticas e outros." (UFPR, 1996)

2 OBJETIVOS 

De um modo geral, podemos dizer que os relatórios são escritos com os objetivos de:

  1. divulgar os dados técnicos obtidos e analisados;

  2. registrar os dados em caráter permanente.

3 TIPOS DE RELATÓRIOS

Existem diversos tipos de relatórios tais como:

a) técnico-científicos;

b) de viagem;

c) de estágio;

d) de visita;

e) administrativos;

f) e fins especiais.

4 RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO

É o documento original pelo qual se faz a difusão da informação corrente, sendo ainda o registro permanente das informações obtidas. É elaborado principalmente para descrever experiências, investigações, processos, métodos e análises.

5 ESTRUTURA DO RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO 

Os relatórios técnico-científicos constituem-se dos seguintes elementos:

6. Capa

Deve conter os seguintes elementos:

  1. Nome da organização responsável, com subordinação até o nível da autoria;

  2. Título;

  3. Subtítulo se houver;

  4. Local;

  5. Ano de publicação, em algarismo arábico.

6.1 Sumário

Denominado Contents em inglês, Table des Metières em francês, Contenido em espanhol, é a relação dos capítulos e seções no trabalho, na ordem em que aparecem. Não deve ser confundido com:

6.2 Resumo

RESUMO

Segundo a ABNT (NBR 10719) um resumo deve conter os seguintes itens: a) condensação do relatório, que delineia e/ou enfatiza os pontos mais relevantes do trabalho, resultados e conclusões; b) deve ser informativo, dando uma descrição clara e concisa de conteúdo de forma inteligível e suficiente para que o usuário possa decidir se é ou não necessária a leitura completa do trabalho; c) nos relatórios, o resumo deve conter no máximo 500 palavras e sua elaboração deve corresponder ao disposto na NBR 6028; d) na dissertação do resumo, não se utilizam ilustrações; e) o resumo deve aparecer em página de frente (anverso); f) em trabalhos de grande vulto, o resumo deve vir na língua original do texto, acompanhado de uma tradução em uma ou mais línguas estrangeiras (inglês, francês, italiano e espanhol, conforme o trabalho assim o exigir e na ordem apresentada); g) no caso de um relatório ser dividido em volumes, o resumo deve figurar somente no primeiro volume; h) quando em partes, cada uma tem seu próprio resumo; i) por motivo de economia, o resumo pode ser colocado na página de rosto quando não for muito extenso.

Palavras-chave: Retificador; Tiristor; Diodos; Medições.

6.3 Texto

Parte do relatório em que o assunto é apresentado e desenvolvido. Conforme sua finalidade, o relatório é estruturado de maneira distinta.

O texto dos relatórios técnico-científicos contém as seguintes seções fundamentais:

  1. Introdução: parte em que o assunto é apresentado como um todo, sem detalhes. INTRODUÇÃO: Segundo a ABNT (NBR 10719) a introdução é a primeira seção do texto, que define brevemente os objetivos do trabalho e as razões de sua elaboração, bem como as relações existentes com outros trabalhos. A introdução não deve repetir ou parafrasear o resumo, nem dar detalhes sobre a teoria experimental, o método ou os resultados, nem antecipar as conclusões e as recomendações.

b) Desenvolvimento: parte mais extensa e visa a comunicar os resultados obtidos. Segundo a ABNT (NBR 10719) o desenvolvimento do assunto é a parte mais importante do texto, onde é exigível raciocínio lógico e clareza. Deve ser dividida em tantas seções e subseções quantas forem necessárias para o detalhamento da pesquisa e/ou estudo realizado (descrição de métodos, teorias, procedimentos experimentais, discussão de resultados, etc.). As descrições apresentadas devem ser suficientes para permitir a compreensão das etapas da pesquisa; contudo, minúcias de provas matemáticas ou procedimentos experimentais, se necessários, devem constituir material anexo. Todas as ilustrações ou quadros essenciais à compressão do texto devem ser incluídas por parte do relatório.

c) Resultados e conclusões: consistem na recapitulação sintética dos resultados obtidos, ressaltando o alcance e as conseqüências do estudo.

Segundo a ABNT (NBR 10719) as conclusões e/ou recomendações devem ser apresentadas de forma clara e ordenada, as deduções tiradas dos resultados do trabalho ou levantadas ao longo da discussão do assunto. Dados quantitativos não devem aparecer na conclusão, nem tampouco resultados comprometidos e passíveis de discussão. Recomendações são declarações coisas de ações, julgadas necessárias a partir das conclusões obtidas, a serem usadas no futuro. As conclusões e recomendações constituem uma seção (capítulo) à parte, a qual deve finalizar a parte textual do relatório. Dependendo da extensão, as conclusões e recomendações podem ser subdivididas em várias subseções, tendo em vista manter a objetividade e clareza.

É preciso ter espírito crítico, verificar se os resultados são razoáveis. Por isso é necessário o estudo teórico prévio, antes da aula prática, no qual deve ocorrer a determinação teórica de todas as grandezas envolvidas no experimento. A este estudo denomina-se memorial do cálculo da experiência. Portanto é importante que se tenha um estudo teórico prévio para reconhecer se o experimento esta se realizando a contento ou não. Não se deve desculpar pelos resultados experimentais obtidos eles devem ser confrontados com os resultados teóricos e as discrepâncias devem ser explicitadas e discutidas de forma a estabelecer as suas razões.

d) recomendações: contêm as ações a serem adotadas, as modificações a serem feitas, os acréscimos ou supressões de etapas nas atividades.

6.10 Anexo (ou Apêndice)

É a matéria suplementar, tal como leis, questionários, estatísticas, que se acrescenta a um relatório como esclarecimento ou documentação, sem dele constituir parte essencial. Os anexos são enumerados com as letras do alfabeto maiúsculas, seguidos do título, conforme MDT, 2006.

Ex.: ANEXO A - FOTOGRAFIAS...... ANEXO B - QUESTIONÁRIOS

A paginação dos anexos deve continuar a do texto. Sua localização é no final da obra.

6.11 Referências Bibliográficas

É a relação das fontes bibliográficas utilizadas pelo autor. Todas as obras citadas no texto deverão obrigatoriamente figurar nas referências bibliográficas.

A padronização das referências é seguida de acordo com aNBR-6023/ago.1989 da ABNT - AssociaçãoBrasileira de Normas Técncias. Algumas pessoas utilizam as normas americanas da APA - American Psychological Association, diferenciando-se uma da outra em alguns aspectos da estruturação.

Segundo a ABNT (NBR 10719) as citações bibliográficas textuais servem para dar maior clareza e autoridade ao texto, relacionando as idéias expostas com idéias defendidas em outros trabalhos, por outros autores. É indispensável que seja indicada a fonte de onde foi extraída a citação, através da utilização de um sistema de chamada (numérico ou alfabético). As referências bibliográficas relativas às citações textuais devem ser apresentadas de acordo com o método de citação escolhido.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA. Português. A Bíblia de Jerusalém. Nova edição rev. São Paulo: Paulinas, 1989.

BOLETIM DA ASSESSORIA DE IMPRENSA DA CNBB. V CELAM. Aparecida. mai. 2007, n. 13. Disponível em: <http://www.cnbb.org.br/documento_geral/BolVCG_13.doc>.

Acesso em: 24 de jun. de 2007. p. 3.

CANÇÃO Nova Notícias. Disponível em: < http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=234101>.

Acesso em: 24 de jun. de 2007.

CORBELLINI, Vital. A Visão da Eucaristia no Período Pré-Niceno. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 35, n. 150, p. 739-755, dez. 2005.

CORBELLINI, Vital. História da Igreja Antiga. [200-?]. 29 f. Notas de Aula da Disciplina de Historia da Igreja I–Faculdade de Teologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

CORPUS Christi. In: WIKIPEDIA A Enciclopédia Livre. Disponível em:

<http://pt.wikipedia.org/wiki/Corpus_Christi>.

Acesso em: 24 de jun. de 2007.

MARCIONISMO. In: WIKIPEDIA A Enciclopédia Livre. Disponível em:

<http://pt.wikipedia.org/wiki/Marcionismo>.

Acesso em: 24 de jun. de 2007.

FRANÇA, J. L. et al. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 3.ed. rev. aum. Belo Horizonte : Ed. UFMG, 1996. SANTOS, Gildenir C., SILVA, Arlete I. Pitarello da. Norma para referências bibliográficas : conceitos básicos : (NBR-6023/ABNT-1989). Campinas, SP : UNICAMP-FE, 1995.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas para apresentação de trabalhos : teses, dissertações e trabalhos acadêmicos. 5.ed. Curitiba : Ed. UFPR, 1996.

 

FORMATAÇÃO GERAL DO TEXTO

· Margens:

o Superior e esquerda: 3 cm

o Inferior e direita: 2 cm.

· Papel A4 cor branca

· Fonte para itens: Arial tamanho 12 com negrito e caixa alta

· Fonte para subitens: Arial tamanho 12 caixa alta

· Fonte para sub-subitens: Arial tamanho 12 itálico

· Fonte para corpo do texto: Arial tamanho 12 normal

· Paginação: inicia-se a contagem a partir da folha de rosto, mas se começa a

numerar a partir da introdução. O número deve ser colocado no canto

superior direito da página.

· Espaçamento entrelinhas: 1,5

· Espaçamento entre parágrafos: 0 pt

· Recuo de parágrafo: 1,25 na primeira linha

Comentários