[Desenho Técnico] Aula 07 - Projeções Ortogonais IV - Superfícies Curvas e Linhas de Centro

[Desenho Técnico] Aula 07 - Projeções Ortogonais IV - Superfícies Curvas e...

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

As figuras abaixo mostram as projeções ortogonais de superfícies planas, circulares e paralelas a um dos três planos de projeção.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

Observe que no plano paralelo à superfície, a projeção resultante mantém a forma e a verdadeira grandeza do círculo, enquanto nos outros dois planos a projeção resultante é um segmento de reta, cujo comprimento corresponde ao diâmetro do círculo.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

Se a superfície circular não possuir paralelismo com nenhum dos três planos de projeção, mas for perpendicular em relação a um deles, as projeções resultantes terão dimensões em função do ângulo de inclinação da superfície.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

No plano cuja superfície circular é perpendicular, a projeção resultante é um segmento de reta, cujo comprimento é igual ao diâmetro do círculo.

Nos outros planos, a projeção ortogonal diminui um dos eixos da superfície inclinada e, conseqüentemente, a figura circular é representada por uma elipse.

Na Figura ao lado, além das três vistas, é mostrada uma projeção auxiliar, executada em um plano de projeção paralelo à superfície inclinada, com a representação da forma e da verdadeira grandeza da superfície circular, onde foram identificados 12 pontos no contorno do círculo.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

Na vista de frente, a superfície é representada por um segmento de reta, cujo comprimento corresponde à verdadeira grandeza do eixo central AB.

O eixo central CD aparece na vista de frente representado por um ponto, localizado no meio do segmento AB.

Nas vistas superior e lateral o eixo central CD aparece em sua verdadeira grandeza, enquanto o eixo central AB aparece reduzido, em conseqüência da projeção ortogonal e da inclinação da superfície.

Todas as cordas ( EF, GH, IJ e KL), que são paralelas ao eixo central CD, também aparecem nas suas verdadeiras grandezas nas vistas superior e lateral.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

A partir das projeções ortogonais dos planos circulares executa-se co facilidade as projeções ortogonais de corpos cilíndricos

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Superfícies Curvas

Como regra para representação, pode-se dizer que, quando não houver arestas, uma superfície curva gera linha na projeção resultante quando o raio da curva for perpendicular ao sentido de observação.

Se houver interseção da superfície curva com qualquer outra superfície, haverá aresta resultante e, onde tem interseção tem canto (aresta) e onde tem canto na peça, tem linha na projeção ortogonal.

A forma cilíndrica é muito comum de ser encontrada como furos.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Linhas de Centro

Nos desenhos em que aparecem as superfícies curvas é utilizado um novo tipo de linha, composta de traços e pontos que é denominada linha de centro.

As linhas de centro são usadas para indicar os eixos em corpos de rotação e também para assinalar formas simétricas secundárias.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Linhas de Centro

As linhas de centro são representadas por traços finos separados por pontos (o comprimento do traço da linha de centro deve ser de três a quatro vezes maior que o traço da linha tracejada).

É a partir da linha de centro que se faz a localização de furos, rasgos e partes cilíndricas existentes nas peças.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Linhas de Centro Exemplo 1:

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Linhas de Centro Exemplo 2:

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico brenno.senai@sistemafieg.org.br

Fonte:

Ribeiro, A.C. Peres, M. P. Izidoro, N. Leitura e Interpretação de Desenho Técnico. Escola de Engenharia de Lorena. Lorena: EEL-USP.

Comentários