[Curso Votorantim Metais] Programação, Planejamento e Controle de Manutenção - Parte 01 de 04

[Curso Votorantim Metais] Programação, Planejamento e Controle de Manutenção -...

(Parte 1 de 2)

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Apresentação

Brenno Ferreira de Souza, graduado Bacharel em

Administração pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ e em Engenharia Metalúrgica pela Universidade Federal Fluminense – UFF. Atualmente cursa MBA em Gerenciamento de Projetos.

Atuou em indústrias do setor metal mecânico, além de ser professor do Consórcio de Educação à Distância do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é Instrutor de Educação Profissional no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI do Departamento Regional de Goías, unidade de Niquelândia.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Apresentação

Os funcionários de manutenção estão recebendo, cada vez mais, maiores responsabilidades e, em muitos casos, com uma estrutura “enxuta”, devido à redução de gastos, na busca à resposta de novas exigências dos consumidores, ou clientes.

Assim as empresas têm que se aperfeiçoar e buscar aperfeiçoamento de seu pessoal através da maior capacitação e intercâmbio de informações.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Apresentação

Confirma-se que a atenção das empresas para a área de manutenção está cada vez mais ativa através dos investimentos em:

• capacitação, • implantação de sistemas automatizados,

• modernização de estrutura,

• aquisição de novas ferramentas e instrumentos,

• terceirização e,

• aquisição de sensores ou medidores para permitir melhorar o desenvolvimento desta atividade.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Apresentação

Os prestadores de serviço buscam além de sua maior capacitação, o aumento de criatividade buscando responder às necessidades de seus clientes, em muitos casos, em processo de definição pela rapidez com que as exigências se apresentam.

Este curso é o momento adequado para agrupar e transmitir conhecimento acumulados de processos modernos de planejamento e controle de manutenção para atender a essas exigências, não só na Votorantim Metais, mas também em todas as áreas de serviços (hospitais, supermercados, edifícios inteligentes, comunicação, bancos, estradas etc.) onde esteja presente a Função Manutenção.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Objetivo

Capacitar, desenvolver e reciclar os participantes nos principais aspectos ligados ao Planejamento e ao Controle da

Manutenção, dentro de uma sistemática que inclui exposição e exercícios práticos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

A manutenção era o mal necessário da produção.

Atividade estratégica para a competitividade da empresa.

Globalização > Novo modelo de competitividade:

• Baixo custo • Qualidade

• Logística

• Relações com os stakeholders

• Relações de mercado

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Função da manutenção:

Otimizar recursos e processos, garantindo produto ou serviço de qualidade, adequados as expectativas e necessidades dos clientes.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Gestão da manutenção:

• Análise técnica • Análise econômica

• Análise financeira

Visa a melhoria do sistema, a avaliação do desempenho e a facilitação de investimentos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Atividade de Médio Prazo:

Tipificação da manutenção:

• Fatores Críticos, • Características de Processo

• Tipos de Equipamentos

• Fornecedores

• Intervenções

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Gestão da Manutenção Centro de Lucros na Indústria

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual 12

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

Sobrevivência:

Busca sistemática por desempenhos empresarias eficientes e eficazes, obtidos através da Melhoria Contínua de seus processos.

Revisão contínua da amplitude e âmbito da atuação, na busca por novos negócios e mercados atrativos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

Últimas duas décadas mudança da indústria • Abertura comercial

Evolução dos sistemas de produção: • Rápidos e eficientes

Sistema Empurrado

Sistema Puxado de Produção (Just in Time)

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

Abordagem Tradicional (sistema empurrado):

• Cada estágio no processo de produção envia os componentes que produz para um estoque no próximo estágio.

• Este próximo estágio irá (eventualmente) suprir-se dos componentes desse estoque, processá-los e enviá-los para o próximo estoque isolador.

Quanto maior o estoque isolador, maior é o grau de independência entre os estágios, portanto menor é o distúrbio causado quando ocorre o problema.

Esse isolamento é conseguido:

• à custa de estoque (capital investido)

• Com altos tempos de atravessamento (resposta lenta ao mercado).

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

Just In Time (JIT):

• Os componentes são produzidos e passados diretamente para o próximo estágio “justamente no momento” em que serão processados.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

Analogia do lago para Abordagem Tradicionalde Produção e Just in Time

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

O JIT requer alto desempenho nos fatores de competitividade para a produção:

• a qualidade deve ser alta porque distúrbios na produção devidos a erros de qualidade irão reduzir o fluxo de materiais, reduzir a confiabilidade interna de fornecimentos, além de gerar o aparecimento de estoque, caso os erros reduzam a taxa de produção em algum ponto da operação;

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

• a velocidade, em termos de rápido fluxo de materiais, é essencial caso se pretenda atender à demanda dos clientes diretamente com a produção, e não somente através dos estoques;

• a pontualidade é um pré-requisito para um fluxo rápido ou, vendo por outro lado, é muito difícil atingir fluxo rápido se o fornecimento de componentes ou os equipamentos não são pontuais;

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

• a flexibilidade é especialmente importante para que se consiga produzir em lotes pequenos, atingindo-se o fluxo rápido e lead times curtos. (flexibilidades de variedade e de volume).

Mudança na Gestão da Produção

Mudança na Gestão de Manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual 21

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

São características básicas das empresas e das organizações que têm a COMPETITIVIDADE como razão de sua sobrevivência.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual 23

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

História mundial da manutenção:

• década de 80: a indústria da maioria dos países ocidentais tinham um objetivo obter o máximo de rentabilidade para um investimento efetuado.

• dias atuais: o consumidor passou a considerar um complemento importante nos produtos a adquirir, ou seja, a qualidade dos produtos ou serviços fornecidos e esta exigência fez com que as empresas considerassem este fator, qualidade, como uma necessidade para se manter competitiva, particularmente no mercado internacional.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Cenário Atual

1975: Organização das Nações Unidas, segundo a UNITED NATIONS INDUSTRIAL

DEVELOPMENT ORGANIZATION, caracterizava a atividade fim de qualquer entidade organizada como:

Produção = Organização + manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

A manutenção são atribuídas as seguintes responsabilidades:

• Redução da paralisação dos equipamentos que afetam a Operação;

• Reparo, em tempo hábil das ocorrências que reduzem o potencial de execução dos serviços;

• Garantia de funcionamento das instalações, de forma que os produtos ou serviços atendam a critérios estabelecidos pelo controle da qualidade e a padrões pré-estabelecidos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Primeira Guerra Mundial e a implantação da produção em série, instituída por Ford:

• As fábricas passaram a estabelecer programas mínimos de produção,

• Necessidade de criar equipes que pudessem efetuar reparos em máquinas operatrizes no menor tempo possível.

• Surgimento de um órgão subordinado à operação, cujo objetivo básico era de execução da manutenção, hoje conhecida como Corretiva.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

28 Posicionamento da manutenção até as décadas de 30.

Diretoria

Operação Manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Percebe-se que essa situação se manteve até a década de 30.

Em função da Segunda Guerra Mundial e da necessidade de aumento de rapidez de produção:

• A alta administração industrial passou a se preocupar, não só em corrigir falhas, mas evitar que elas ocorressem,

• O pessoal técnico de manutenção passou a desenvolver o processo de Prevenção de avarias que, juntamente com a correção, completavam o quadro geral de manutenção, formando uma estrutura tão importante quanto a de operação.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

30 Posicionamento da manutenção nas décadas de 30 e 40.

Diretoria Operação Manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Por volta de 1950, com o desenvolvimento da indústria para atender aos esforços pós- guerra, a evolução da aviação comercial e da indústria eletrônica:

Os Gerentes de manutenção observaram que, em muitos casos, o tempo gasto para diagnosticar as falhas era maior do que o despendido na execução do reparo.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Tempos de diagnóstico e reparo de equipamentos em função de suas naturezas construtivas

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Foram selecionadas equipes de especialistas para compor um órgão de assessoramento que se chamou Engenharia de Manutenção:

• Planejamento e controle da manutenção preventiva

• Análise das causas e efeitos das avarias.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

34 Desmembramento organizacional da manutenção.

Diretoria

Operação Manutenção

Engenharia de

Manutenção

Execução de Manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

A partir de 1966, com a difusão dos computadores, o fortalecimento das Associações Nacionais de Manutenção, criadas no fim do período anterior, e a sofisticação dos instrumentos de proteção e medição:

• A Engenharia de Manutenção passou a desenvolver critérios de predição ou previsão de falhas, visando a otimização da atuação das equipes de execução de manutenção.

• Esses critérios, conhecidos como Manutenção Preditiva ou

Previsiva, foram associados à métodos de planejamento e controle de manutenção automatizados, reduzindo os encargos burocráticos dos executantes de manutenção.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Essas atividades acarretaram o desmembramento da Engenharia de Manutenção que passou a ter duas equipes:

• a de Estudos de ocorrências crônicas

• a de PCM – Planejamento e Controle de Manutenção

Esta última com a finalidade de desenvolver, implementar e analisar os resultados dos Sistemas Automatizados de Manutenção.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Diretoria

Operação Manutenção

Engenharia de Manutenção

Estudos PCM

Execução de Manutenção

Subdivisão da área de Engenharia de Manutenção

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

A partir de 1980, com o desenvolvimento dos microcomputadores, a custos reduzidos e linguagens simples:

• Órgãos de manutenção passaram a desenvolver e processar seus próprios programas, eliminando os inconvenientes da dependência de disponibilidade humana e de equipamentos para o atendimento as suas prioridades de processamento das informações pelo computador central, além das dificuldades de comunicação na transmissão de suas necessidades para o analista de sistemas, nem sempre familiarizado com a área de manutenção.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

É recomendável que esses microcomputadores sejam acoplados, como terminais inteligentes, ao Computador Central do Centro de Processamento de Dados, para composição de um “Banco de Dados de Manutenção”, possibilitando que suas informações fiquem disponíveis para os outros órgãos da Empresa.

Em algumas empresas esta atividade se tornou tão importante que o PCM – Planejamento e Controle de Manutenção, passou a compor um órgão de assessoramento à supervisão geral de produção, uma vez que influencia também a área de operação.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Diretoria

Operação Manutenção

Engenharia de Manutenção

Execução de Manutenção

Planejamento e

Controle da Manutenção,

Posicionamento do PCM assessorando a supervisão geral de produção.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Neste final de século, com as exigências de aumento da qualidade dos produtos e serviços pelos consumidores, a manutenção passou a ser um elemento importante no desempenho dos equipamentos em grau de importância equivalente ao que já vinha sendo praticado na operação .

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Estágios evolutivos da manutenção caracterizados por:

• Redução de Custos (menores gastos com manutenção dos equipamentos e com a falta de disponibilidade por máquina parada)

• Garantia da Qualidade (através da confiabilidade e produtividade dos equipamentos)

• Atendimento de Prazos (através da disponibilidade dos equipamentos).

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Os profissionais de manutenção passaram a ser mais exigidos no atendimento adequado a seus clientes.

• Equipamentos, obras ou instalações.

As tarefas que desempenham, resultam em impactos diretos ou indiretos no produto ou serviços que a empresa oferece a seus clientes.

A organização cooperativa é vista hoje como uma cadeia com vários elos ordem certamente, a manutenção é um dos mais importantes nos resultados da empresa.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

A manutenção também tem seus fornecedores, ou seja, os contratados que executam algumas de suas tarefas:

• a área de material que aprovisiona os sobressalentes e material de uso comum,

• a área de compras que adquire materiais e novos equipamentos etc.

Todos são importantes para que o cliente final da empresa se sinta bem atendido

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

45 Cadeia de relacionamento da manutenção com seus clientes e fornecedores

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Mudança de mentalidade nas organizações:

Má manutenção e falta de confiabilidade significam:

•lucros reduzidos, •mais custos de mão-de-obra,

•mais custos de estoques,

•clientes insatisfeitos e

•produtos de má qualidade.

Prof. Brenno Ferreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

A Manutenção

Para as empresas, o custo pode ficar nas dezenas ou até centenas de milhões de dólares.

A busca acirrada de vantagens competitivas tem mostrado que o custo de manutenção não está sob controle e é um fator importante no incremento do desempenho global dos equipamentos.

(Parte 1 de 2)

Comentários