Aula HPLC

Aula HPLC

(Parte 1 de 6)

CromatografiaLíquidade Alta Eficiência

“Cromatografia é uma técnica utilizada na separaçãodos componentesde uma amostra, osquaisse distribuemem2 fases, umaestacionáriae a outramóvel. A faseestacionáriapodeser um sólido, um líquidoretidosobreum sólido, ouum gel. A fasemóvelpodeser líquidaougasosa.”

CromatografiaLíquidade Alta Eficiência

Cr omatografia Líquida

Planar Coluna

CDD CP Alta eficiência Convecional

Adsorção Partição Iônica Exclusão

Cromatografia Líquido-sólido ou por adsorção (CLS)

¾O mecanismo de separação: competição entre moléculas da amostra e da fase móvel em ocupar os sítios ativos da fase estacionária, sólido.

¾Adsorventesmais utilizado: sílica.

¾É importante que as partículas da fase estacionária apresentemum grande número de sítios ativos ( grande área de superfície).

¾Fase estacionária (polar) é afetada com frequênciapela retenção de moléculas de alta polaridade como álcoois, água.

¾Acarreta mudança nas propriedades da coluna.

¾Pode dar origem a pobre eficiência. Assimetria dos picos compostos básicos

¾Diminuindo inclusive a vida útil.

Cromatografia Líquido-líquido ou por partição (CLL)

¾O mecanismo de separação: baseia-se nas diferentes solubilidades que apresentam os componentes da amostra na fase móvel e na fase estacionária.

9Fase estacionária: líquido adsorvido sobre um suporte sólido formando um leito não miscível com a fase móvel.

9Os componentes mais solúveis na fase estacionária são seletivamente retidos, enquanto os menos solúveis são transportados mais rapidamente pela fase móvel.

9Suporte sólido: sílica purificada.

9O maior inconveniente desta técnica é a solubilidade da fase estacionária na fase móvel.

Cromatografia Líquida com fase ligada (CLFL)

¾Surgiu como conseqüência de problemas associados a CLL.

¾A fase estacionária (FE) está quimicamente ligada à superfície de um suporte, elimina-se o problema da solubilidade FE na FM.

¾Variando a natureza dos grupos funcionais da fase estacionária,é possível diferentes tipos de seletividade.

o grupo Ciano(-CN), que funcionando similarmente às fases polares da CLS (SiOH), são chamadas deFASE NORMAL.

), são chamados deFASE REVERSA.

Cromatografia Líquida com fase ligada (CLFL)

¾FASE NORMAL: fase estacionária polar e fase móvel apolar.

¾FASE REVERSA: fase estacionária apolar e fase móvel polar.

¾Segundo o CDER,a maioria dos métodos de análises submetidos ao mesmo, são por cromatografia em fase reversa, detecção UV.

¾Cromatografia líquida por par iônico, é uma forma especial de CLFL.

¾A molécula da amostra iônica ou ionizável, forma um par de íonspor associação com um contra íon orgânico, da fase móvel.

¾O par de íons é então distribuído entre a fase estacionária, normalmente uma de fase reversa, e a fase móvel, normalmente aquosa-orgânica, que solubilizaas espécies ionizadas.

Cromatografia por troca iônica

¾A fase estacionária é, normalmente, uma resina de poliestireno e divinilbenzeno, a qual são ligados grupos iônicos, como por exemplo,

3 trocadores fortes de cátion

2

trocadores fracos de cátion

3 trocadores fortes de ânions

R+

trocadores fracos de ânions

¾As colunas catiônicas são adquiridas comercialmente na forma desais de Na

+ ou de íon hidroxônio(H+) as aniônicas na forma de cloreto (Cl-

Cromatografia por troca iônica

¾Os grupos iônicos têm um contra-íon (com carga oposta) que pode ser deslocado pelos íons da fase móvel de carga similar a ele.

¾Para uma resina trocadora de cátions, tem-se o equilíbrio entre o contra íon Na

Cromatografia por exclusão

¾ A separação é efetuada de acordo com o tamanho efetivo das moléculas.

¾A coluna é recheada com matéria inerte cujos poros têm tamanho control ado.

¾As moléculas pequenas podem penetrar na maioria dos poros da fase estacionária enquanto as maiores são excluídas.

¾Assim, moléculas grandes movem-se rapidamente através da coluna e as moléculas pequenas são eluídaslentamente pela fase móvel.

(Parte 1 de 6)

Comentários