[Ensaios Destrutivos e Não Destrutivos] Aula 07 - Ensaios de Dobramento e Flexão

[Ensaios Destrutivos e Não Destrutivos] Aula 07 - Ensaios de Dobramento e Flexão

(Parte 1 de 4)

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Imagine-se sentado à beira de uma piscina, numa bela tarde ensolarada, completamente relaxado, apenas observando o movimento. De repente, você vê alguém dando um salto do trampolim.

Se você prestar atenção, vai observar que a prancha se deforma sob o peso do atleta e depois volta à sua forma original.

Sem dúvida, um dos fatores que contribuem para a beleza do salto é a capacidade da prancha do trampolim de suportar o esforço aplicado.

Agora, pense no que aconteceria se a prancha do trampolim se dobrasse em vez de voltar à sua forma original. Seria catastrófico!

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

Neste caso e em muitos outros, é importante conhecer o comportamento dos materiais frente a esse tipo de esforço.

Por exemplo, já lhe aconteceu de estar parado sobre uma ponte, num congestionamento, sentindo o chão tremer sob as rodas do seu carro enquanto os veículos ao seu lado se movem?

Sorte sua o fato de a ponte balançar. Isso significa que a estrutura estava suportando o esforço produzido pelo peso dos veículos. 3

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Introdução

São situações como essas que mostram a importância de saber como os corpos reagem aos esforços de flexão e dobramento, assuntos que serão tratados nesta aula.

Além disso, você ficará conhecendo os procedimentos para a realização dos ensaios de dobramento e flexão e saberá identificar as propriedades avaliadas em cada caso.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

Observe as duas figuras a seguir: a da esquerda mostra um corpo apoiado em suas duas extremidades e a da direita mostra um corpo preso de um lado, com a extremidade oposta livre.

Os dois corpos estão sofrendo a ação de uma força F, que age na direção perpendicular aos eixos dos corpos.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

A força F leva uma região dos corpos a se contrair, devido à compressão, enquanto que outra região se alonga, devido à tração.

Entre a região que se contrai e a que se alonga fica uma linha que mantém sua dimensão inalterada - a chamada linha neutra.

Em materiais homogêneos, costuma-se considerar que a linha neutra fica a igual distância das superfícies externas inferior e superior do corpo ensaiado.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

Quando esta força provoca somente uma deformação elástica no material, dizemos que se trata de um esforço de flexão.

Quando produz uma deformação plástica, temos um esforço de dobramento.

Isso quer dizer que, no fundo, flexão e dobramento são etapas diferentes da aplicação de um mesmo esforço, sendo a flexão associada à fase elástica e o dobramento à fase plástica.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

Em algumas aplicações industriais, envolvendo materiais de alta resistência, é muito importante conhecer o comportamento do material quando submetido a esforços de flexão.

• Nesses casos, o ensaio é interrompido no final da fase elástica e são avaliadas as propriedades mecânicas dessa fase.

Quando se trata de materiais dúcteis, é mais importante conhecer como o material suporta o dobramento.

• Nesses casos, é feito diretamente o ensaio de dobramento, que fornece apenas dados qualitativos.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

O ensaio de flexão e o ensaio de dobramento utilizam praticamente a mesma montagem, adaptada à máquina universal de ensaios:

• dois roletes, com diâmetros determinados em função do corpo de prova, que funcionam como apoios, afastados entre si a uma distância preestabelecida;

• um cutelo semi-cilíndrico, ajustado à parte superior da máquina de ensaios.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento 10

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

Da flexão ao dobramento

Esses ensaios podem ser feitos em corpos de prova ou em produtos, preparados de acordo com normas técnicas específicas.

Embora possam ser feitos no mesmo equipamento, na prática esses dois ensaios não costumam ser feitos juntos.

É por isso que, nesta aula, abordaremos cada um deles separadamente.

Prof. BrennoFerreira de Souza –Engenheiro Metalúrgico

O Ensaio de Dobramento

Experimente dobrar duas barras de um metal: por exemplo, uma de alumínio recozido e outra de alumínio encruado.

(Parte 1 de 4)

Comentários