Identificação e Análise de Riscos em Levantamentos Topográficos em Barragens Hidrelétricas: Estudo de Caso na UHE Salto Caxias

Identificação e Análise de Riscos em Levantamentos Topográficos em Barragens...

(Parte 3 de 8)

- prevenção: eliminação e redução;

- financiamento: retenção.

Conforme o autor, em análise de riscos existem as séries, que consistem na relação de todos os riscos capazes de contribuir para a ocorrência de danos, podendo ser divididas em risco: - Inicial: o que dá origem à série;

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

- Principal: pode causar lesão, degradação da capacidade funcional dos trabalhadores, mortes, danos ao patrimônio; - Contribuinte: todos os demais riscos que compõem a série.

2.3.2. Estrutura de um Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR)

A primeira etapa de um PGR está voltada à elaboração e implementação, com a antecipação dos riscos ambientais, denominada prevenção, que significa “chegar antes, antecipar”, originada do latim praevenire (PROTEÇÃO, 2009, p. 17). A antecipação envolve a análise de projeto de novas instalações, métodos ou processos de trabalho, ou de modificações das já existentes, objetivando a identificação de riscos potenciais e a introdução de medidas de proteção para sua redução ou eliminação.

manutenção dos dados e avaliação periódica do programa

A etapa seguinte refere-se ao reconhecimento dos riscos existentes nos locais de trabalho, estabelecendo prioridades, avaliando fatores de risco e exposição dos trabalhadores, acompanhamento das medidas de controle implementadas, monitorização da exposição aos fatores de riscos, registro e

Dessa forma, o PGR deve contemplar alguns aspectos, como por exemplo, riscos físicos, químicos e biológicos, ventilação, investigação e análise de acidentes do trabalho, ergonomia e organização do trabalho, riscos decorrentes do trabalho em espaços confinados, equipamento de proteção individual (EPI) e plano de emergência, onde está inserida a prestação de primeiros socorros.

Esquematicamente, o gerenciamento de acidentes de trabalho pode ser visualizado conforme a FIGURA 3.

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

Figura 3 – Gerenciamento de acidentes Fonte: Carneiro (2009)

2.3.3. Riscos em Levantamentos Topográficos

Conforme Glassey (2004), os levantamentos topográficos apresentam riscos de acidentes de trabalho constantes. Segundo o autor, os dados estatísticos indicam 20 acidentes fatais a cada 50.0 levantamentos realizados nos Estados Unidos, sendo uma parcela considerável devido aos acidentes de trajeto e trabalhos ao longo de rodovias.

Quando se realizam trabalhos nessa área, alguns riscos estão presentes, tais como:

• Queda de pessoa de mesmo nível;

• Queda de materiais, equipamentos;

• Queda de nível diferente;

• Exposição à poeira;

• Impacto de objeto projetado;

• Queda de ferramentas e materiais;

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

• Corte. Dentro dos programas de gestão de segurança estão contempladas algumas ferramentas de prevenção, como o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO) e APR.

O PPRA é parte integrante de um conjunto de medidas mais amplas, contidas nas demais Normas Regulamentadoras (NR 09, 1978), articulando-se principalmente com a NR 07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e de Prevenção de Perdas Auditivas (PPPA). Seu principal objetivo é fazer da prevenção de acidentes e doenças ocupacionais uma forma de eliminar ou minimizar os riscos para os trabalhadores, melhorando o desempenho dos negócios e auxiliando as organizações em geral, estabelecendo uma imagem responsável da empresa no mercado (SESI, 2009).

Conforme o autor, para o desenvolvimento do PPRA deve ser realizado uma abordagem com a finalidade de aplicar técnicas de higiene e segurança ocupacional com recursos disponíveis, atribuindo responsabilidades e integrando o Serviço de Segurança e Saúde do Trabalhado em toda organização, envolvendo e comprometendo os trabalhadores através de documentações e treinamentos em serviços especializados. Dentre as vantagens do PPRA, destacam-se:

• Prevenção de acidentes de trabalho;

• Redução de perdas de material e de pessoal;

• Otimização dos custos;

• Redução dos gastos com saúde;

• Aumento da qualidade, produtividade e competitividade. A elaboração e implementação deste programa é única e total do empregador, devendo zelar pela sua eficácia, sendo sua profundidade e abrangência dependentes das características dos riscos ambientais e necessidades de controle.

Riscos ambientais são entendidos como tudo o que tem potencial para gerar acidentes no trabalho, em função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de exposição, dividindo-se em agentes físicos, químicos,

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco biológicos e ergonômicos, sendo que em levantamentos topográficos em áreas de barragens, os agentes que estão mais presentes são os físicos e os ergonômicos.

São representados pelas condições físicas no ambiente de trabalho, como por exemplo, vibração, ruído, calor, frio, podendo causar danos à saúde.

A vibração pode ser entendida como o movimento oscilatório de um corpo, devido a forças desequilibradas de componentes rotativos e movimentos alternados de uma máquina ou equipamento.

De acordo com OSHA (2009 apud PESSA, 2008), ruído é um som indesejado, que traz uma sensação auditiva desagradável e perturbadora, cuja intensidade é medida em decibéis (dB). A Norma de Higiene Ocupacional 1 - Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído - preconiza que o tempo máximo de exposição diário permissível em função do nível de ruído de 85 db é de 8 horas (NHO, 2001, p. 18).

As normas internacionais ISO 7243/89 - Ambientes quentes – e ISO/TR 11079/93 - Ambientes frios, apud Pessa (2008), são adotadas para verificar se os ambientes de trabalho podem ocasionar estresse térmico em virtude do calor e do frio, sendo necessário utilizar o termômetro de globo para estas verificações.

São encontrados em forma gasosa, líquida, sólida e pastosa. A poeira é um exemplo de partícula sólida, que por ação do vento, e dependendo do tamanho da partícula, pode causar pneumoconiose - doença respiratória provocada pela inalação de partículas suspensas no ar por períodos prolongados - tumores pulmonares, alergias e irritações nas vias respiratórias.

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

São microorganismos patógenos presentes no ambiente de trabalho, como bactérias, fungos, vírus, bacilos, parasitas, capazes de produzir doenças, deterioração de alimentos, entre outros, e que apresentam facilidade de reprodução, além de contarem com diversos processos de transmissão.

2.3.3.4. Agentes Ergonômicos

É o conjunto de conhecimentos sobre o homem e o ambiente de trabalho, fundamentais ao planejamento de tarefas, postos e ambientes de trabalho, ferramentas e máquinas, a fim de que sejam utilizados com o máximo de conforto, segurança e eficiência. Dentre os casos mais comuns de problemas ergonômicos têm-se esforço físico intenso, levantamento e transporte manual de peso, monotonia e repetividade.

Trabalhos repetitivos podem ocasionar lesão por esforço repetitivo (LER) e distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT), caso não sejam considerados os agentes ergonômicos presentes no ambiente de trabalho.

Exemplo disso é que em 2008 foram concedidos 117353 auxílios-doença acidentáricos devido à LER/DORT, contra 95473 em 2007 e 19556 em 2006, significando um aumento superior a 500% em apenas dois anos. (PROTEÇÃO, 2009, p. 19).

2.3.4. Análise de Riscos e Identificação de Perigos

Existem diferenças entre as definições de risco e perigo. Conforme a OSHA 18001 apud Costella (2009):

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

- risco é a combinação entre probabilidade e severidade da ocorrência de uma situação de perigo específica; e - perigo é uma fonte ou situação com potencial de causar danos à saúde, prejuízos à propriedade, ao ambiente de trabalho ou combinação entre eles.

De acordo com Souza (2009, p. 19), os elementos chaves na identificação e reconhecimento de riscos são: - identificação: onde são reconhecidos todos os riscos inerentes às atividades; - avaliação: que classifica os riscos conforme a sua gravidade;

- comunicação: cujo objetivo é a tomada de decisões sobre os riscos constatados; e - controle: constitui a fase final quando o risco é controlado. Dentro das técnicas de análise de riscos encontra-se a Análise Preliminar de Riscos (APR), as quais estão classificadas em:

- Convencionais: constituídas por reuniões da Comissão Interna de

(Parte 3 de 8)

Comentários