Identificação e Análise de Riscos em Levantamentos Topográficos em Barragens Hidrelétricas: Estudo de Caso na UHE Salto Caxias

Identificação e Análise de Riscos em Levantamentos Topográficos em Barragens...

(Parte 4 de 8)

Prevenção de Acidentes (CIPA) e de segurança, inspeções, relatos, análises e divulgação de acidentes, análise de tarefas e listas de verificações; - Não convencionais: divididas em análises:

- Iniciais: destaca-se nessa análise a APR, cujo objetivo é o estudo dos riscos que podem estar presentes na fase operacional de um projeto, sendo uma revisão superficial de problemas gerais de segurança;

- Operacionais: cujo objetivo é conhecer todas as operações que o trabalhador realiza, identificando os riscos e as medidas preventivas e corretivas;

- Detalhadas: possibilita analisar as falhas dos componentes de um equipamento ou sistema, estimando taxas de falhas, determinando os efeitos provenientes e estabelecendo medidas de correção ou prevenção; e

- Quantitativas: determina a seqüência crítica mais provável de eventos, identificando as falhas localizadas mais importantes no sistema, e determinando os elementos de controle das falhas encontradas.

A análise de riscos busca discutir o que pode dar errado, e a possibilidade de desvios de projeto, operacionais ou manutenção transformarem-se em acidentes maiores. Assim, devem ser consideradas as questões: - O que pode dar errado;

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

- Quais as causas básicas dos eventos indesejados; - Quais as freqüências de ocorrência dos acidentes;

- Quais as conseqüências; e

- Se os riscos são toleráveis. Esta análise não tem caráter determinístico, e sendo assim, não há uma resposta exata para cada pergunta. Ainda assim, exerce importante papel no gerenciamento de riscos.

2.3.4.1. Avaliação de Riscos

Conforme Cardella (1999), o risco associado a um evento é resultado da sua freqüência e conseqüência. A freqüência pode ser entendida como o número de ocorrências na unidade de tempo, tendo por unidades a ocorrência/ano ou ocorrência/hora.

De acordo com o autor, nas avaliações de freqüências podem ocorrer multiplicações da freqüência com que um evento ocorre pela probabilidade deste ocorrer, resultando em um quadro de avaliação de freqüência (QUADRO 1).

Quadro 1.Avaliação de Frequência Categoria Probabilidade Característica 0 Extremamente baixa Possível teoricamente, mas altamente improvável.

1 Muito baixa Pode ocorrer em situações muito especiais; sua ocorrência não é esperada.

2 Baixa Pode ocorrer raramente 3 Média Pode ocorrer com relativa facilidade 4 Alta Pode ocorrer com muita facilidade Fonte: Adaptado de Cardella (1999)

Na avaliação das consequências o objetivo é avaliar a área de abrangência do agente agressivo, calculando-se a capacidade agressiva em cada ponto. Conforme o autor, deve-se escolher o evento perigoso de nível adequado para enquadrar a conseqüência do evento (QUADRO 2).

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

Quadro 2. Avaliação de Consequência Categoria Probabilidade Característica das Lesões 0 Desprezível Incômodos passageiros 1 Muito leve Recuperação muito rápida

2 Leve Provocam sofrimentos passageiros, não incapacitando para o trabalho

3 Média baixa

Não resultam em danos permanentes; provocam incapacidade temporária por períodos menores que uma semana

4 Média

Não resultam em danos permanentes; provocam incapacidade temporária por períodos maiores que uma semana

5 Média Alta Resultam em perda permanente de funções; não afetam acentuadamente a vida normal

6 Grave Incapacitam para o trabalho ou outras atividades 7 Muito grave Morte

8 Extremamente grave Algumas mortes

9 Catastrófica Grande número de mortes Fonte: Adaptado de Cardella (1999)

Assim, para a análise qualitativa dos riscos, realiza-se a combinação do QUADRO 1 e QUADRO 2, obtendo-se as categorias de riscos (QUADRO 3).

Quadro 3. Categorias de Riscos

Categoria de frequência

Categoria de consequência 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Assim, é possível avaliar qualitativamente os riscos inerentes às atividades realizadas, inferindo sobre as medidas de controle a serem adotadas, visando a minimização das conseqüências (QUADRO 4).

Daniel C. Granemann UTFPR - Pato Branco

Quadro 4. Avaliação Qualitativa de Riscos Categoria Qualitativo Controle 0 Extremamente baixo Basta ser identificado 1 Muito baixo Verificação das possibilidades de ocorrência

2 Baixo

Requer ações integrantes de um programa tipo sinalização – ordem – limpeza (SOL), e boas práticas de trabalho (BPT)

3 Médio baixo Requer ações de SOL e BPT 4 Médio tolerado Requer ações de melhoria contínua 5 Médio não tolerado Programa específico de controle de riscos 6 Elevado Ações urgentes

7 Médio Elevado Intervenção urgente com cessação das atividades que geram o risco

Individual extremamente elevado Intervenção imediata com cessação das atividades que geram o risco

9 Social extremamente elevado

Fonte: Adaptado de Cardella (1999)

2.3.4.2. Categorias de Riscos

De acordo com a APR realizada, os riscos podem ser classificados conforme o QUADRO 5.

Quadro 5. Categorias de Riscos Categoria Falha

1. Desprezível Não resultará em degradação maior do sistema, nem produzir danos funcionais ou lesões, ou mesmo contribuir com um risco ao sistema

2. Limítrofe Degradação do sistema em uma certa extensão, porém sem causar danos maiores ou lesões

3. Crítica

Degradação do sistema causando lesões, danos substanciais, resultando em risco inaceitável, necessitando ações corretivas imediatas

4. Catastrófica Degradação severa do sistema, resultando em perda total, lesões ou morte

(Parte 4 de 8)

Comentários