PROVA DE CONCURSO

PROVA DE CONCURSO

(Parte 2 de 6)

C) Uma visão da criança como um ser completo, total e íntegro, em posição de aprender a ser e de conviver consigo próprio e com os demais e no próprio ambiente, de maneira articulada e gradual.

D) Uma visão da criança como um sujeito consciente de seu dever de aprender novos conhecimentos e de internalizar e seguir as regras e limites para a organização da sua vida.

E) Uma visão da criança como um sujeito que recebe as influências culturais e sociais, mas que não é capaz de produzir cultura e de implicar em modificações sociais.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Prefeitura Municipal de Curitiba Pág. 5

12. Uma das funções da professora na composição do espaço de aprendizagem é selecionar e dispor o material no ambiente. Porém, alguns aspectos muito importantes devem ser observados:

1. O material precisa oferecer segurança às crianças, sem representar riscos. É importante observar se não é tóxico, corante e frágil. 2. A variedade do material determina a capacidade do espaço de estimular e encorajar determinadas experiências. 3. O potencial pedagógico do material, ou seja, as habilidades que podem ser desenvolvidas, bem como a facilidade de manejo devem ser observadas, porém, sem muito critério. 4. A qualidade estética do material, dos recipientes que o abrigam e de sua disposição, além de ser atraente, deve gerar o sentimento de acolhimento, sendo uma forma de receber bem as crianças.

São CORRETAS:

A) Apenas as assertivas 1, 3 e 4. B) Apenas as assertivas 1, 2 e 3. C) Apenas as assertivas 2 e 4. D) Apenas as assertivas 1, 2 e 4. E) Apenas as assertivas 1 e 3.

13. Na ação pedagógica é importante que o professor tenha clareza do seu papel diante da aprendizagem dos alunos, oportunizando situações de interação de qualidade durante o desenvolvimento infantil. O desenvolvimento infantil foi objeto de estudos de autores como Jean Piaget, Lev S. Vygotsky e Henry Wallon. Com base nos autores mencionados, avalie as assertivas abaixo:

1. Para Vygotsky, o professor deve atuar como mediador. Isso significa que o papel de mediador limita-se à figura do professor para que então o conhecimento da criança se torne real. Nesse sentido, não existem outros mediadores. 2. Piaget afirma que para o construtivismo não é o mundo que age sobre o sujeito e sim a criança que age sobre o mundo. Dessa forma, para o autor, não há uma relação de interação entre o sujeito e o meio social. 3. Wallon estudou a criança como sujeito integral, focando, como influência central para o desenvolvimento infantil, a afetividade e a motricidade.

Está(ão) CORRETA(S):

A) Somente as assertivas 2 e 3. B) Somente as assertivas 1 e 3. C) Somente a assertiva 3. D) Somente a assertiva 1. E) Somente a assertiva 2.

14. As propostas pedagógicas das instituições de

Educação Infantil promovem as práticas de cuidado e educação na perspectiva da integração dos aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivo/linguísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível. Assim, é função do professor na Educação Infantil:

A) Organizar atividades livres para as crianças, sem preocupar-se com os objetivos a serem cumpridos.

B) Prever a intervenção das professoras e dos professores visando somente ao conteúdo a ser trabalhado.

C) Considerar que o trabalho ali desenvolvido é de responsabilidade somente da escola.

D) Preocupar-se com educação formal dissociada de princípios éticos.

E) Promover a interação entre as diversas áreas de conhecimento e os aspectos da vida cidadã, contribuindo para o provimento de conteúdos básicos necessários à constituição de conhecimentos e valores.

Considere o texto a seguir para responder às questões 15 a 21.

"Bullying" e incivilidade

Rosely Sayão

O "bullying" não é um fenômeno moderno, mas hoje os pais estão bem preocupados porque parece que ele se alastrou nos locais onde há grupos de crianças e jovens, principalmente na escola. Todos têm receio de que o filho seja alvo de humilhação, exclusão ou brincadeiras de mau gosto por parte dos colegas, para citar exemplos da prática, mas poucos são os que se preocupam em preparar o filho para que ele não seja autor dessas atividades.

Quando pensamos no "bullying", logo consideramos os atos violentos e agressivos, mas é raro que os consideremos como atos de incivilidade. Vamos, então, refletir a respeito desse fenômeno sob essa ótica.

Por que é que mesmo os adultos que nunca foram vítimas de atos de violência, como assalto ou furto, sentem uma grande sensação de insegurança nos espaços públicos? Simples: porque eles sentem que nesses locais tudo pode acontecer. A vida em comunidade está comprometida, e cada um faz o que julga o melhor para si sem considerar o bem comum.

Outro dia, vi uma cena que exemplifica bem essa situação. Em uma farmácia repleta de clientes, só dois caixas funcionavam, o que causou uma fila imensa. Em dado momento, um terceiro caixa abriu e o atendente chamou o próximo cliente. O que aconteceu? Várias pessoas que estavam no fim da fila e outras que aguardavam ainda a sua vez correram para serem

Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Prefeitura Municipal de Curitiba Pág. 6 atendidas. Apenas uma jovem mulher reagiu e disse que estavam todos com pressa e aguardando a sua vez. Ela se tornou alvo de ironias e ainda ouviu um homem dizer que "a vida é dos mais espertos".

Essa cena permite uma conclusão: a de que ser um cidadão responsável e respeitoso promove desvantagens. É esse clima que, de um modo geral, reina entre crianças e jovens: o de que ser um bom garoto ou aluno correto não é um bem em si.

Além disso, as crianças e os jovens também convivem com essa sensação de insegurança de que, na escola, tudo pode acontecer. Muitos criam estratégias para evitar serem vistos como frágeis e se tornarem alvo de zombarias. Tais estratégias podem se transformar em atos de incivilidade.

A convivência promove conflitos variados e é preciso saber negociá-los com estratégias respeitosas e civilizadas. Muitos pais ensinam seus filhos a negociarem conflitos de modo pacífico e polido, mas muitos não o fazem. É preciso estar atento a esse detalhe. Aliás, costumo dizer que é nos detalhes que a educação acontece. Faz parte também do trabalho da escola esse ensinamento.

Aprender a não cometer atos de incivilidade diminuiria muito o "bullying". Para tanto, não se pode abandonar crianças ou jovens à própria sorte: é preciso a presença educativa e reguladora dos adultos. Isso vale, principalmente, nos horários escolares em que o fenômeno mais ocorre: na entrada, na saída e no recreio.

Autor: Rosely Sayão é psicóloga e autora de “Como educar meu filho?”. Fonte: http://cronicasbrasil.blogspot.com/2008/04/bullying-e-incivilidade-roselysayo.html. Acesso: 29/06/2010.

15. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma informação interpretável a partir da leitura do texto.

A) À escola e aos pais cabe ensinar todos os detalhes da convivência civilizada.

B) O cotidiano aponta para casos de incivilidade, que comprometem o bem coletivo e permitem concluir que ter responsabilidade e respeito pelo outro não é vantajoso.

C) Atos de incivilidade tanto por parte de adultos quanto por parte de crianças podem ser explicados pela falta de segurança que sentem nos espaços públicos.

D) O “bullying” raramente é considerado ato de falta de civilidade.

E) A preocupação de muitos pais em relação ao “bullying” está voltada mais ao fato de seu filho ser paciente desse fenômeno que ao de ele ser agente.

16. Em relação ao texto, considere as seguintes assertivas:

I. O texto é predominantemente expositivo, isto é, a autora não defende um ponto de vista sobre o “bullying”.

I. A presença repressiva, mas educada dos adultos nos horários escolares – entrada, saída e recreio – diminuiria totalmente as práticas de “bullying”.

I. O “bullying” é tratado no texto sob a ótica da barbárie, isto é, da não civilidade.

IV. De acordo com a autora, a vida em comunidade está comprometida pela forma como o “bullying” se alastrou na sociedade.

Assinale a alternativa CORRETA:

A) Somente as assertivas I e IV são verdadeiras. B) Somente as assertivas I e I são verdadeiras. C) Somente a assertiva I é verdadeira. D) Somente a assertiva I é verdadeira. E) Somente as assertivas I e IV são verdadeiras.

17. Assinale a alternativa INCORRETA em relação ao emprego do vocabulário e seu significado.

A) A palavra “exemplifica” (4º parágrafo) pode ser substituída por “ilustra”, por funcionar, nesse contexto, como palavra sinônima.

B) A palavra “estratégias”, empregada duas vezes no mesmo parágrafo (6º), significa a “arte militar” de escolher quando e com quem travar um combate no ambiente escolar.

C) Em “O “bullying” não é um fenômeno moderno...” (1º parágrafo), “fenômeno” pode ser substituído por “fato de natureza social”, sem comprometer o sentido da oração.

D) Em “Essa cena permite uma conclusão: a de que ser um cidadão responsável e respeitoso promove desvantagens” (5º parágrafo), “promove desvantagens” equivale a “não é vantajoso”.

(Parte 2 de 6)

Comentários