UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE – UFCG

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL DO SEMIARIDO – CDSA

ENGENHARIA DE BIOTECNOLOGIA E BIOPROCESSOS

DICIPLINA: USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE

PROFª. ALECKSANDRA

ALUNO: CÁSSIO DE OLIVEIRA ALMEIDA

SÍNTESE DO SEMINÁRIO DE ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA CAATINGA

JUNHO

2011

O termo Caatinga é originário do tupi-guarani e significa mata branca. Localizada em área de clima semi-árido, apresenta temperaturas médias anuais que oscilam entre 25ºC e 29ºC. A fauna é rica, com 148 espécies de mamíferos, das quais dez são endêmicas. Entre as 348 espécies de aves, quinze são endêmicas e 20 encontram-se ameaçadas de extinção.

As características deste tipo de vegetação são muito bem definidas: árvores baixas e arbustos que, em geral perdem as folhas na estação das secas (caducifólias), além de muitas cactáceas. O aspecto geral da vegetação, na seca, é de uma mata espinhosa e agreste.

A Caatinga - Ocupa uma área de 895 mil quilômetros quadrados (semelhante a do estado de Mato Grosso), englobando parte do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais, além de ocorrer de forma fragmentada em outros estados. Rica em biodiversidade e espécies únicas, a Caatinga abriga animais e plantas muito adaptadas à escassez de água.

Em razão da semi-aridez e do predomínio de rios temporários, era de se esperar que a biota aquática da Caatinga fosse pouco diversificada. Mas já foram identificadas pelo menos 185 espécies de peixes, distribuídas em mais de cem gêneros. A maioria delas (57,3%) é endêmica.

Como único bioma exclusivamente brasileiro, grande parte do seu patrimônio biológico não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do planeta. A Caatinga também pode ser considerada a mais densamente povoada entre as regiões semi-áridas, com uma população de aproximadamente 20 milhões de pessoas e densidade demográfica de 22 habitantes por quilômetro quadrado.

Por outro lado, o desmatamento e a caça de subsistência são os principais responsáveis pela extinção da maioria dos animais de médio e grande porte nativos do semi-árido. O hábito de consumir animais da fauna autóctone é antigo, vindo desde antes da colonização e, ainda hoje, é grande a importância social da fauna nativa nordestina. As principais fontes de proteína animal das populações sertanejas continuam sendo a caça e a pesca predatórias. Durante as grandes secas periódicas, quando as safras agrícolas são frustradas e os animais domésticos dizimados pela fome e pela sede, a caça desempenha importante papel social na região, por fornecer carne de alto valor biológico às famílias famintas do sertão.

Caatinga é hoje uma das regiões mais ameaçadas do globo pela exploração predatória. As áreas protegidas ocupam apenas 2% do Semi-Árido Brasileiro, e a maioria delas não está na Caatinga. As principais causas da degradação ambiental no bioma são a caça, as queimadas e o desmatamento para retirada de lenha. No Nordeste, mais de 30% da matriz energética tem como base a lenha, e a grande maioria da madeira vêm de áreas sem planos de uso sustentável.

Realmente, a forma de exploração adotada através dos tempos contribuiu fortemente para que o Nordeste se tornasse, hoje, a área mais vulnerável do país à incidência da degradação ambiental: meio ambiente frágil, fundamentado em grande parte sobre um embasamento cristalino, com solos rasos, com amplas zonas tropicais semi-áridas e forte pressão demográfica.

Além disso, a questão econômico-social da grande parcela da população nordestina, residente no semi-árido de dominação da caatinga é, sem dúvida, a causa principal de degradação do ecossistema. O uso dos recursos da flora e da fauna pelas necessidades do homem nordestino é uma constante, já que ele não encontra formas alternativas para o seu sustento.

A lenha e o carvão vegetal, juntos, são a segunda fonte de energia na região, perdendo somente para a eletricidade. Em 1992, a lenha e a estaca destacaram-se como os principais produtos de origem florestal. No Ceará 91% das Unidades de Produção Rural (UPR) extraíram lenha, enquanto 46% produziram estacas. A cobertura vegetal está reduzida a menos de 50% da área dos estados e a taxa anual de desmatamento é de aproximadamente meio milhão de hectare.

Comentários