(Parte 1 de 13)

(Coriolanus) William Shakespeare

ATO I Cena I

Cena I

Cena I

Cena IV

Cena V

Cena VI Cena VII

Coriolano file:///C|/site/LivrosGrátis/coriolano1.htm (1 of 76) [10/04/2001 23:07:35]

Cena VIII

Cena IX

Cena X

ATO I Cena I

Cena I

Cena I

ATO I Cena I

Cena I

Cena I

ATO IV Cena I

Cena I

Cena I

Cena IV

Cena V

Cena VI Cena VII

Coriolano file:///C|/site/LivrosGrátis/coriolano1.htm (2 of 76) [10/04/2001 23:07:35]

ATO V Cena I

Cena I

Cena I

Cena IV

Cena V

CAIO MÁRCIO, depois Caio Márcio Coriolano. TITO LÁRCIO, General contra os volscos. COMÍNIO, General contra os volscos. MENÊNIO AGRIPA, amigo de Coriolano. SICÍNIO VELUTO, Tribuno do povo. JÚNIO BRUTO, Tribuno do povo, O jovem Márcio, filho de Coriolano. Um arauto romano. Tulo Aufídio, general dos volscos. Tenente de Aufídio. Conspiradores com Aufídio. Nicanor, um romano. Um cidadão de Ântio. Adriano, um volsco. Dois guardas volscos. VOLÚMNIA, mãe de Coriolano. VERGÍLIA, mulher de Coriolano. VALÉRIA, amiga de Vergília. Damas, ao serviço de Vergília. Senadores romanos e volscos, patrícios, edis, lictores, soldados, cidadãos, mensageiros, criados de Aufídio e outros servidores.

Cena I

Entra um grupo de cidadãos amotinados, com bastões, varas e outras armas. PRIMEIRO CIDADÃO - Antes de irmos adiante, ouvi-me. TODOS - Falai! Falai!

Coriolano file:///C|/site/LivrosGrátis/coriolano1.htm (3 of 76) [10/04/2001 23:07:35]

PRIMEIRO CIDADÃO - Estais mesmo decididos a morrer, de preferência a passar fome? TODOS - Estamos! Estamos! PRIMEIRO CIDADÃO - Inicialmente, sabeis que Caio Márcio é o principal inimigo do povo. TODOS - Sabemos! Sabemos!

PRIMEIRO CIDADÃO - Matemo-lo, portanto, e teremos trigo pelo preço que bem entendermos. Resolvido?

TODOS - A esse respeito, nem mais uma palavra. Passemos à ação. Vamos! Vamos! SEGUNDO CIDADÃO - Uma palavra, bons cidadãos.

PRIMEIRO CIDADÃO - Somos tidos na conta de cidadãos pobres; só os patrícios é que são bons. O que deixa fartos os dirigentes bastaria para aliviar-nos. Se nos cedessem apenas as sobras deles, que ainda estivessem em boas condições, poderíamos imaginar que eles nos aliviavam humanamente. Mas acham que somos por demais caros. A magreza que nos aflige, retrato de nossa miséria, é como que o inventário minucioso da riqueza de todos eles. Para eles nosso sofrimento é lucro. Vinguemo-nos, portanto, com nossos bastões, antes de ficarmos reduzidos a ripas; pois os deuses sabem que o que me faz dizer isso é a fome de pão, não a sede de vingança.

SEGUNDO CIDADÃO - Quereis agir especialmente contra Caio Márcio? PRIMEIRO CIDADÃO - Contra ele em primeiro lugar; é um verdadeiro cão para o povo. SEGUNDO CIDADÃO - Já pensastes nos serviços que ele prestou ao país?

PRIMEIRO CIDADÃO - Perfeitamente, e com muito gosto lhe faria por isso boas referências; mas ele se apaga com o próprio orgulho.

SEGUNDO CIDADÃO - Ora! falai sem maldade.

PRIMEIRO CIDADÃO - É o que vos digo. O que ele fez de glorioso foi apenas para esse fim. Muito embora as pessoas de consciência delicada possam dizer com suficiência que ele fez tudo isso pela pátria, fê-lo para agradar a mãe e por causa do seu próprio orgulho, que, sem dúvida, vai de par com seu merecimento.

SEGUNDO CIDADÃO - Considerais vício nele o que é inerente à sua natureza. Pelo menos não podereis dizer que ele seja cúpido

PRIMEIRO CIDADÃO - Se não posso dizê-lo, nem por isso fico sem acusações contra ele. Tem defeitos de sobra, que cansaria enumerar. (Gritos ao longe.) Que gritos serão esses? O outro lado da cidade já se revoltou. E nós que fazemos aqui, a tagarelar? Ao Capitólio!

TODOS - Vamos! Vamos!

PRIMEIRO CIDADÃO - Silêncio! Quem vem aí?- (Entra Menênio Agripa.)

SEGUNDO CIDADÃO - É o digno Menênio Agripa. Sempre se mostrou amigo do povo.

Coriolano file:///C|/site/LivrosGrátis/coriolano1.htm (4 of 76) [10/04/2001 23:07:35]

PRIMEIRO CIDADÃO - É muito honesto. Quem nos dera que todos fossem como ele. MENÊNIO - Que tendes, meus concidadãos, em mira? Para onde ides com paus e cachaporras? Que se passa? Dizei-me, por obséquio.

PRIMEIRO CIDADÃO - Nossa causa não é desconhecida do senado; nestes quinze dias eles já farejaram o que pretendemos fazer e que vamos mostrar-lhes agora com os próprios fatos. Eles dizem que os suplicantes pobres têm fôlego comprido; mas hão de ver que nossos braços também são compridos.

MENÊNIO - Mestres, caros amigos, bons vizinhos, quereis arruinar-nos? PRIMEIRO CIDADÃO - Isso não será possível, senhor; já estamos arruinados.

(Parte 1 de 13)

Comentários