[Hidrometalurgia] Aula 15 - Metalurgia do Níquel IV

[Hidrometalurgia] Aula 15 - Metalurgia do Níquel IV

(Parte 1 de 3)

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Processos de Obtenção

De acordo com o tipo de minério, a obtenção do níquel pode ser feita pelo:

•Processo Garnier (minérios sulfetados) •FerroNickel Smelting (pirometalurgia)

•Processo Caron (Lixiviação Amoniacal)

•Processo PAL (Pressure Acid Leach)

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Minérios Lateríticos

No caso do processamento dos minérios lateríticos , muitas opções apresentam-se disponíveis para aplicação.

Entretanto, a seleção do melhor processo a ser implantando em determinada planta depende inicialmente do minério disponível.

De um modo geral, pode-se estabelecer alguns critérios, como observa-se no quadro a seguir.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

As lateritas de níquel, em especial aquelas em que o aproveitamento é feito através de rotas de lixiviação ácida sob pressão, são a maior fonte potencial para o crescimento da oferta do metal e os projetos em desenvolvimento e implementação que utilizam essa tecnologia constituem a parcela mais expressiva da capacidade a ser colocada no mercado nos próximos anos.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Introdução

O aproveitamento de níquel laterítico através de rotas de lixiviação ácida sob pressão (em inglês:

pressure acid leaching - PAL, também, high- pressure acid leaching - HPAL, HiPAL) foi desenvolvido no final da década de 50 e, primeiramente, aplicado em Moa Bay, Cuba, que permaneceu, por muitos anos, como a única operação a utilizar esta rota de processo.

A tecnologia foi retomada no final da década de

90 com a implementação de três operações na Austrália Ocidental.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Planta da Minara Resources, na Austrália Ocidental

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Processo PAL/HPAL

O processo PAL inicia-se com a preparação do minério que é levado a um funil de carga, passando em seguida por um lavador e finalmente conduzido para a britagem.

Após esta fase, o minério britado e molhado é levado para a seção de lixiviação, onde é condensado e lixiviado a uma temperatura de 250 °C, para em seguida passar por sete estágios de decantação onde se obtém o licor clarificado, sendo o refugo levado para locais adequados como depósito.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Processo PAL/HPAL

Em seqüência, o licor clarificado entra em contato com solventes para a recuperação do cobalto.

Uma vez feito isso, o licor recebe uma nova dose de novos solventes para, finalmente, recuperar o níquel.

Este níquel recuperado passa por um novo processo de eletrólise que gera os produtos finais níquel eletrolítico e o catodo de níquel.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Processo PAL/HPAL

O cobalto recuperado sofre um novo processo através de solventes a base de sódio e enxofre, gerando o cobalto refinado.

Na seqüência, utilizando o processo SX–EW se obtém finalmente o catodo de cobalto.

•SX-EW (solvent extraction and eletrowinning)

Fluxograma do processo PAL 12

Fluxograma do Processo PAL

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico 13

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Lixiviação Ácida

O minério é alimentado na planta esegue para a lixiviação ácida em autoclaves sob alta temperatura e pressão.

O ácido sulfúrico dissolve o Ni e Co em conjunto com uma série de outros metais.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico 15

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Neutralização

Na neutralização primária, a adição de calcário à temperatura e pressão ambientes aumenta o pH da solução, precipitando Fe, Al e Cr através de decantação em contracorrente.

É feita uma neutralização secundária, com cal, para a remoção de Fe residual e Cu e correção do pH, e os rejeitos são enviados à barragem.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico 17

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

(Parte 1 de 3)

Comentários