Comparação de crianças com o desenvolvimento da aprendizagem

Comparação de crianças com o desenvolvimento da aprendizagem

COMPARAÇÃO DE CRIANÇAS COM O DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM

ALUNO: LUIS CARLOS MENEZES VICTOR

CURSO: LICENCIATURA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

DISCIPLINA: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM

COMPARAÇÃO DE CRIANÇAS COM O DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM

Introdução

Nos dias de hoje, observar crianças, mesmo que sejam parentes (sobrinhos), filhos de amigos ou vizinhos, é uma situação complexa, pois devido a muitos noticiários de pedofilia na “mídia”, não é uma boa idéia ficar andando por aí com um lápis e papel anotando os comportamentos de crianças e suas ações. Portanto, farei uma explanação do desenvolvimento de minhas filhas e afilhados, ao qual, ainda tenho algumas recordações, tanto em fotos de alguns eventos importantes quanto em comemorações festivas, e outras recordações ainda trago em minha mente à qual estarei explanando nesse trabalho.

Como temos (eu e minha esposa) duas filhas e criamos as duas nas mesmas circunstâncias e ambientes, haja vista que suas idades têm uma diferença de 3 anos, então em todas às vezes estarei referindo-me às duas, mas estarei sempre me dirigindo como se fosse uma única criança.

Fases de desenvolvimento do 0 a 2 anos

O reflexo de sugar desenvolveu-se logo após o nascimento e nos primeiros seis meses sua única alimentação era o leite materno, portanto alimentos sólidos e líquidos foram iniciados após os seis meses. Nas amamentações (leite materno) que durou até um pouco mais que 2 anos de idade e no uso de chupeta com muita freqüência. Todos os seus brinquedos eram levados a boca, então ficando bem evidente a fase oral.

Nas interações com objetos e pessoas, as falas das pessoas eram seguidas pelos ouvidos e olhos, dando a atender que ela queria participar das conversas. Já os brinquedos, davam importância aos coloridos, sonoros ou com movimentos.

Fases de desenvolvimento dos 2 a 7 anos

O esquema sócio-motor foi muito bem desenvolvido, pois aos três anos de idade ela já sabia andar de patins de três rodas. Portanto, nesse brinquedo, além de se equilibrar tinha que andar, pois este equipamento só tinha as rodas centrais. O interessante era vê-la andando de patins e chupando chupeta.

Nesta mesma fase (três anos) foi marcado com a entrada na pré-escola e sua interação com outras crianças foi muito bem aceita, pois participava de todas as atividades escolares tais como desenhos, brincadeiras, representações, leituras, imitações, etc.

Além de uma “explosão” de aprendizagens eu era bombardeado de uma porção de porquês.

A programação de televisão que mais gostava eram todas programações infantis da TV EDUCATIVA, tais como, Castelo Ratimbum, Cocoricó, Ratimbum, etc.

Fases de desenvolvimento dos 8 a 12 anos

Nesta fase houve, infelizmente, uma influência grande de muitos programas de televisão que não pudemos selecionar para nossas filhas, pois devido às amigas da escola também assistirem e para serem aceitas no grupo, elas viviam as personagens desses programas, por exemplo, novelas Rebeldes e Malhação. Observamos também, uma maior agressividade com seus amigos e eram freqüentes queixas de brigas e discursões na escola, apesar de que nessa fase estava iniciando seus estudos na rede pública de ensino, pois antes dos oitos anos ela estudava na rede particular. Nessa fase vemos a predominância da fase de latência, pois por ser do sexo feminino houve um apego maior ao pai (eu). Em tudo que eu fazia minha filha queria me acompanhar, inclusive ela falava que queria seguir a minha profissão, que atualmente, não se concretizou, essa é a evidência do complexo de Édipo que pelos estudos do Dr. Freud se manifesta nessa fase.

Conclusão

“Ser pai e educador é um processo difícil e ninguém o desempenha a seu inteiro contento e ninguém o atravessa incólume.”

Salvador Minuchin – Terapeuta de casal e família.

Os desafios de hoje na educação infantil é por em prática as teorias educacionais, mesmo que o professor (educador) tenha ou não experiência no ensino. Por isso, nós, pais (educadores) e professores (educadores), temos que unirmos para abraçar essa causa, por exemplo, os pais se fazem presentes nas reuniões escolares e saberem como andam os comportamentos de seus filhos e pedirem orientações psicológicas, caso tenham dificuldades em educar seus filhos. Já os professores, mesmo que os salários não sejam compatíveis, ensinar com o amor e paixão à profissão que abraçou, pois se estamos com déficit de professores em várias escolas é que muitos professores não seguiram a carreira de educador.

Pais, professores, religiosos e autoridades, com certeza, não ficam feliz em ler esses dados estatísticos que são divulgados na mídia (omiti os números):

Hoje em dia as crianças criadas na base da diplomacia começam a fumar e a beber aos 12 anos. Perdem a virgindade aos 13. E aos 15, as meninas já são mães. Aos 16, muitos já usam drogas e até trabalham para o tráfico a fim de sustentar seu vício. Aos 17 já tem várias passagens pela polícia. E aos 18 estão presos ou mortos pelo crack.

Bibliografia:

http://www.acidezmental.xpg.com.br/maes_de_antigamente.html

A Educação da Alma – Como lidar com nossos filhos – José Carlos Leal

Psicologia Educacional – Uma crônica do desenvolvimento humano – Marlene Rodrigues

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem – Apostila – Prof. Vera Lúcia Soares

ALUNO: LUIS CARLOS MENEZES VICTOR. CURSO: LICENCIATURA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

Comentários