[Hidrometalurgia] Aula 18 - Metalurgia do Ouro

[Hidrometalurgia] Aula 18 - Metalurgia do Ouro

(Parte 3 de 4)

foram amalgamadas com mercúrio

moído a úmido, sobre placas de cobre que

O mercúrio se separa do ouro por destilação à

à pressão normal)

vácuo (temperatura de ebulição do Hg - 357ºC

de 30% de Au

O amálgama obtido, após prensagem, contém 21

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Lixiviação

O ouro, apesar de resistência ao ataque ácido, se dissolve facilmente numa solução diluída de ácido cianídrico ou num produto mais estável, o cianeto de sódio ou de potássio, em condições oxidantes.

Lixiviação do ouro por Cianeto de Sódio:

4 Au + 8 NaCN + 2 H2O + O2 4 Na[Au(CN)2] + 4 NaOH

•Se ainda tem sulfetos adiciona-se Pb(NO3)2 para precipitá-los

(solução resultante)

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Cementação

A cementação do ouro é feita com zinco em pó no filtrado de Na[Au(CN)2] obtido na lixiviação:

2 Na[Au(CN)2] + Znpó ZnNa2(CN)4 + 2 Au**

•**precipitação do ouro nas partículas de Zn, não atacadas

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Cementação

decantação dos resíduos insolúveis

Os sulfetos de Fe, Cu, Sb, As e Ag, devem ser evitados (ustulação prévia), pois levam à perda de cianetos (cianicidas), outra alternativa é a adição de cal que promove uma alcalinidade protetora e ajuda na •0,5kg a 1,0kg de cal / ton de minério tratado.

ativado e agita-se a solução

Além da adição de Zn, para extrair mais ouro da solução (melhorar o rendimento), adiciona-se carvão

O carvão ativado, carregado com ouro, é peneirado e separado do ouro eletroliticamente. (carvão de casca de coco de 6# a 12#).

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Beneficiamento

químico é levado à fundição

O ouro obtido por gravimetria ou por processo

escorificação

Então é fundido a 1200ºC e purificado por

O boullion contém em torno de 85% de Au, 13% de Ag e impurezas.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Refino

O processo consiste no borbulhamento de cloro no boullion fundido (acima de 1063ºC), as principais reações são:

2 Ag + Cl2 2 AgCl (Tfusão = 455ºC e Teb= 1550ºC)

2 Cu + Cl2 2 CuCl (Tfusão = 430ºC e Teb= 1490ºC)

Zn + Cl2 ZnCl2 (Tfusão = 283ºC e Teb= 732ºC) Ni + Cl2 NiCl2 (sublima a 973ºC)

Au e Pt não são atacados pelo cloro.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Refino

Os cloretos de Zn e Ni vaporizam e são em seguida condensados.

Os cloretos de Ag e Cu vão para a superfície e são escorificados com bórax. (Borato de Cálcio decahidratado)

Restam Au e Pt com 9,98% de pureza

Pode-se chegar ao Au 9,9%, por dissolução em água régia, seguida de deposição eletrolítica

(voltagem 0,8V a 2,6V e 300 a 600 kwh/ton, eletrólito a 40ºC e 1500 A/m2).

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Água Régia

A água régia (do latim "aqua regia" que significa "água real"), é uma mistura de ácido clorídrico (HCl) e ácido nítrico (HNO3) concentrado numa proporção de 3:1.

É um líquido altamente corrosivo de coloração amarela. O nome desta mistura vem da propriedade de dissolver os metais nobres ("regius”).

A solução água régia, deve ser utilizada logo que se mistura os dois ácidos, pois esta, perde sua força rapidamente.

Os vapores exalados são constituídos por uma mistura em equilíbrio de cloreto de nitrosila, cloro e óxido nítrico.

À medida que estes vapores vão se perdendo para a atmosfera, o poder reagente da água régia vai perdendo sua validade.

Prof. Brenno Ferreira de Souza – Engenheiro Metalúrgico

Célula de Moébius

Ânodos: Placas fundidas de “boullion”, recobertas por tecido para reter os fragmentos de ouro durante a eletrólise,

Cátodos: Titânio ou aço inoxidável, a prata depositada é facilmente destacada,

(Parte 3 de 4)

Comentários