Manual de Hematologia

Manual de Hematologia

(Parte 7 de 9)

Negativo: nenhuma ou no máximo seis petéquias puntiformes no limite onde foi colocado o manguito.

Positivo +: de 6 a 50 petéquias puntiformes isoladas localizadas na região da fossa antecubital.

Positivo ++ : inúmeras petéquias puntiformes isoladas e localizadas na fossa antecubital, antebraço e raras na mão.

Hematologia 26

Wanessa Lordêlo P. Vivas

Positivo +++ : petéquias de dois a quatro milímetros com a mesma localização anterior e confluente em algumas áreas. Positivo ++++ : petéquias maiores que as anteriores localizadas em to a área de estase, confluentes em alguns pontos, dando ao membro coloração violácea.

7.5. Determinação do Tempo de Protrombina (TP)

Ao plasma descalcificado pelo citrato, é adicionado um excesso de tromboplastina. Considerando que protrombina é convertida em trombina num tempo uniforme, a recalcificação com qualidade conhecida de cloreto de cálcio produz a coagulação do plasma.

O tempo, em segundos, anotado desde a recalcificação até a coagulação é o tempo de protrombina. A prova determina a atividade da protrombina no sangue.

1. Colocar o tubo com 0,2 ml de tromboplastina cálcica em banho-maria a 370C marcando 2 min. 2. Colocar outro tubo 0,2ml de plasma citratado marcando mais 2 min.

3. Acrescentar 0,1ml do plasma aquecido no tubo contendo a tromboplastina também aquecida., adicionar imediatamente o cronômetro e ao mesmo tempo agitar o tubo no banho até 7 segundos

4. Retirar o tubo do banho e invertê-lo a cada segundo até verificar o momento da recalcificacão do plasma através da formação do coágulo e parar imediatamente o cronômetro. O tempo gasto em segundos para ocorrer a coagulação é o Tempo de Protrombina.

Interpretação: A determinação do TP constitui prova de grande valor na avaliação da hemostasia, analizando os fatores extrínsecos da coagulação. Diagnóstico da coagulação intravascular disseminada. Comtrole de terapêutica heparínica e fibrinolítica. O seu tempo está prolongado em paciente em uso de heparina, depleção do fibrinogênio, doenças hepáticas, paraproteínas e disfibrinogenemias

Em princípio esta prova é semelhante ao tempo de protrombina. Envolve a recalcificação do plasma, porém em presença de uma cefalina proveniente de um extrato etéreo de cérebro. A cefalina é uma lipoproteína. Funciona como substituto das plaquetas, fornecendo uma concentração ótima de fosfolípede.

O tempo de tromboplastina parcial corresponde ao tempo gasto para ocorrer a coagulação do plasma recalcificado em presença de um fosfolípede ou tromboplastina parcial.

Hematologia 27

Wanessa Lordêlo P. Vivas

1. Em um tubo de ensaio de 12 x 75mm aquecido a 370C, colocar 0,1ml de plasma normal e 0,1ml de cefalina-caolin.

3. Após os 3 min. adicionar 0,1 ml da solução de cloreto de cálcio rapidamente e ao mesmo tempo fazer funcionar o cronômetro. O cloreto de cálcio tem que estar pré aquecido por pelo menos 5 min. 4. Agitar no banho por 25 segundos. Retirar o tubo do banho-maria e invertê-lo a cada segundo, observando o momento em que houver a coagulação. Neste instante parar o cronômetro. O tempo gasto em segundos para ocorrer a coagulação é o tempo de tromboplastina parcial. 5. Expressão dos resultados.

Interpretação: É o melhor dos testes para ser usado nas triagens de defeitos da coagulação (via intrínseca). Controle de heparinização. O tempo está prolongado nas deficiências de um ou mais fatores (I,I, V, VI, IX, XI e XI) e no uso terapêutico de heparina ou na presença de anticoagulantes circulantes.

Devido ao seu pequeno tamanho, sua tendência a aderir a superfícies estranhas ao endotélio vascular e sua rápida desintegração, a contagem de plaquetas torna-se problemática por qualquer método. As plaquetas são contadas por métodos diretos e indiretos. Nos métodos diretos elas são visualizadas em uma diluição do sangue e contadas na câmara de Neubauer através da microscopia ótica comum ou de contraste de fase. No primeiro caso, temos o método de Rees-Ecker e no segundo o de Brecher-Gronkite. Esse último é considerado um método de referência para contagem de plaquetas. No método indireto de Fônio, plaquetas são contadas no esfregaço.

Contagens eletrônicas, exigindo um aparelho de alto custo, porém é através deste método de contagem que obtemos os resultados mais próximos da realidade do paciente.

É econômico e de fácil execução técnica. Na mesma preparação examinam-se plaquetas, leucócitos e hemácias. Defeitos qualitativos das plaquetas, como formas gigantes e bizarras, são identificados.

O sulfato de magnésio impede a aglutinação das plaquetas cujo nº pode ser avaliado grosseiramente pelo exame do microscópio do esfregaço corado comum.

1.Através da lâmina de esfregaço preparada na sala de coleta, é realizada a coloração pelo Método de May-Grunwald-Giemsa. Secar e examinar sob imersão.

Hematologia 28

Wanessa Lordêlo P. Vivas

2.Contar mil hemácias e, ao mesmo tempo, as plaquetas encontradas, anotando seu nº.A contagem é feita em vários campos sucessivos seguindo linhas longitudinais em relação à lâmina.

Cálculos:

P/1.0 Hm. x Hm/ml Plaquetas por micro-litro de sangue =

P = plaquetas Hm = hemácias

No sangue convenientemente diluído, as plaquetas são contadas por microscopia ótica comum na câmara de Neubauer.

1. Pipetar 4,0 da solução diluidora no tubo

2. Com micropipeta aspirar 20ml de sangue com EDTA. Limpar sua parede externa com papel de filtro, externamente o volume.

3. Transferir os 20ml de sangue para o tubo com solução diluidora, lavando com ele o interior da pipeta por aspiração e expulsão do líquido. A diluição é de 1:200.

4. Agitar por inversão 2 minutos, no máximo. 5. Encher os retículos da câmara de Neubauer.

6. Sedimentar as plaquetas, repousando a preparação por 15 minutos em uma placa de Petri, contendo um pedaço de algodão umedecido em água (câmara úmida) e em local isento de vibrações.

7. Fazer a contagem microscópica com aumento de 400x em 1/5 de mm2, conforme indicado para hemácias.. É necessário ter experiência para distinguir as plaquetas de sujidade. Aquelas aparecem como corpos arredondados, ovais ou alongados, totalmente refringentes, com 1,5 mícrons de diâmetro. O ajuste do contraste na microscopia é indispensável para uma boa visualização das plaquetas.

Cálculos:

Plaquetas por ml de sangue = Pc x 5 x 10 x 200, ou seja,: nº de plaquetas contadas em 1/5 de mm2 x 10.0.

Quanto maior o nº de elementos contados menor será o erro. Pode ser desejável contar

plaquetas em todos os 25 quadrinhos do retículo central, quando o fator final de multiplicação será de 2.0.O retículo oposto poderá ser contado, totalizando em torno de 300 plaquetas contadas.

Hematologia 29

Wanessa Lordêlo P. Vivas

Interpretação: A trombocitopenia, que é a redução nas plaquetas circulantes (abaixo de 150.0), surge na maioria das vezes de uma ou duas causas gerias. Formação deficiente de plaquetas (como em estados aplásticos, efeito de quimioterapia mielotóxica e por sensibilidade a droga), e uma destruição aumentada de plaquetas na circulação e no baço (originária geralmente de uma sensibilização auto-imune das plaquetas, tornando-as sujeitas a fagocitose por macrófagos). Um aumento do número de plaquetas é denominado trombocitose, e correlaciona-se com formação de trombos intravasculares.

8. OUTROS EXAMES EM HEMATOLOGIA

8.1. Contagem de Reticulócitos

Os reticulócitos são precursores das hemácias. Contêm no seu interior material reticular, provavelmente uma ribonucleoproteína que não apresenta afinidades pelos corantes comuns. Sua demonstração é feita por coloração supravital. Os reticulócitos presentes no sangue retirado do organismo sofrem morte somática, sendo, porém corados antes que toda atividade vital seja extinta. As anemias que cursam com o reticulócito normal refletem a incapacidade da medula em responder ao estímulo por carência de um fator específico para a formação de eritrócitos (ferro na anemia ferropriva e eritropoetina na insuficiência renal crônica).

O corante usado é o azul de cresil brilhante, associado a um anticoagulante e um preservativo.

1. Colocar no tubo 2 a 3 gotas da solução corante. Em seguida acrescentar 2 a 3 gotas do sangue colhido por punção digital ou sangue colhido com EDTA.

4. Secar e examinar ao microscópio sob imersão. 5. Contar 10 campos, anotando o número de reticulócitos encontrados. Expressar o resultado em percentagem e número absoluto.

(Parte 7 de 9)

Comentários