INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

(Parte 2 de 7)

O transistor Q3 funciona como uma chave eletrônica, exercendo a mesma função da chave SH2 mostrada no esquema da Figura 3.

FIG. 7

Ao pressionar a tecla correspondente ao dígito 2, os pinos 16 e 1 ficam interligados, o que provoca o surgimento de dois pulsos negativos quadrados no pino 14 do mesmo CI.

Desta forma pode-se concluir o que acontece quando se pressiona as demais teclas. Os cortes do transistor Q3, devido aos pulsos que surgem no pino 14 do IC1, geram o sinal decádico que é aplicado na linha telefônica. Este sinal é exibido na figura 8.

Nos grandes centros urbanos, devido ao acúmulo de uma enorme quantidade de aparelhos telefônicos, foi necessário introduzir computadores para executar tarefas em grandes sistemas de controle.

Trata-se das centrais CPA.

Este tipo de central telefônica informatizada pode prestar diversos tipos de serviços aos assinantes, dentre os quais se destacam os seguintes:

Pode-se estabelecer uma linha direta com o número do telefone que se chama com maior freqüência e falar com ele sem precisar teclar nenhum numero, só levantando o fone do gancho.

Quando o assinante não quiser ser importunado, ele pode programar o telefone para avisar que não está recebendo chamadas.

Assim, se alguém ligar para seu número telefônico, será informado através de mensagem gravada de que não está recebendo chamadas temporariamente.

É a facilidade que permite ao telefone impedir a execução de chamadas interurbanas.

Na solicitação da facilidade "bloqueador de interurbanos”, deve-se definir um código secreto (senha): número de 4 algarismos de livre escolha do assinante.

É a facilidade que permite com um simples apertar de duas teclas fazer uma chamada, programada anteriormente.

Pode-se programar a "discagem abreviada", de até 10 números de telefones utilizados com freqüência, inclusive interurbanos e internacionais.

Podem-se programar o telefone para transferir, automaticamente, para outro número telefônico prédeterminado, de preferência do assinante, todas as chamadas que forem feitas para o seu número.

O telefone programado com esta facilidade, após o terceiro toque da campainha, efetuará a transferência das chamadas a ele destinadas para um outro número pré-determinado, de escolha do assinante, onde será feito o atendimento.

Até o terceiro toque da campainha, a chamada poderá ser atendida no próprio telefone.

Quando o telefone estiver ocupado com alguma ligação, as chamadas a ele destinadas serão, automaticamente, transferidas para outro número de telefone de escolha do assinante, onde será feito o atendimento.

Assim, evita a perda de chamadas, possibilitando o contato telefônico.

Através do telefone programado com facilidade "consulta e conferência", pode-se falar com dois telefones diferentes ao mesmo tempo, fazer uma conferência ou ainda falar com um de cada vez, consultar um para depois falar com outro.

Esta facilidade não precisa ser programada, uma vez adquirida, ela já é automaticamente programada na central telefônica.

É a facilidade que permite programar o telefone para reter uma ligação que está feita (primeira ligação), fazer uma segunda ligação sem desligar a primeira, depois pode ainda conectar a primeira ligação com a segunda e, a seguir desconectar-se, resultando na transferência. A programação e a desprogramação desta facilidade são efetuadas pela central telefônica.

É a facilidade que permite ao assinante, durante uma chamada telefônica, atender a uma segunda chamada sem desligar a primeira, através de um sinal acústico característico (bip, bip, bip...).

O tipo de sinal de discagem apropriado para uma central CPA é multifrequencial (MF). Este sinal é constituído por duas freqüências situadas dentro da faixa de áudio.

A figura 9 exibe um teclado digital com as freqüências envolvidas no sistema de sinalização multifrequencial. Pode-se ver que ao pressionar a tecla correspondente ao dígito "1", são geradas, no circuito integrado que esta ligado ao teclado, as freqüências de 697 Hz e 1209 Hz. Estes sinais gerados simultaneamente, são amplificados e aplicados na linha telefônica. Ao se pressionar a tecla correspondente ao dígito "2" é gerada freqüências de 697 Hz e 1336 Hz.

Observando atentamente a figura, podem-se ver quais são as freqüências que correspondem aos demais dígitos, incluindo as funções indicadas com os símbolos “*” e “#”.

As centrais CPA decodificam estes pares de freqüência, obtendo a seqüência de dígitos necessários para se efetuar a conexão com uma outra linha.

FIG. 9

Uma das grandes vantagens de se utilizar o sistema multifrequencial é a alta velocidade obtida no processamento de discagem.

As teclas indicadas com os símbolos “*” e “#”, em conjunto com teclas de dígitos, servem para programar algumas funções auxiliares em centrais "CPA", tais como:

- Bloqueio de interurbanos, consulta conferência, discagem abreviada, transferências de chamadas e outros que já foram mencionados anteriormente.

Observando o esquema da Figura 7, pode-se ver que o sinal multifrequencial sai pelo pino 12 do IC1, é amplificado pelo circuito do transistor Q2, sendo então aplicado na linha telefônica.

Uma central do tipo CPA deve ser compatível, ou seja, deve aceitar também um sinal decádico emitido por um aparelho comum ou por um telefone eletrônico.

Normalmente, um telefone eletrônico, possui uma chave que permite a comutação para o sistema decádico ou para o sistema multifrequencial.

TELEFONE S/ FIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES MODELO PHC 702

Para que se possam entender os detalhes do funcionamento do telefone sem fio, modelo PHC 702 fazse necessário tecer algumas considerações básicas.

É fácil imaginar que o telefone sem fio é constituído por duas partes, uma que é ligada à linha telefônica, conhecida como “Unidade Base”, e outra, que são transportadas livremente pelo usuário, para discagem e conversação, conhecida como "Unidade Móvel".

Cada uma destas partes constitui um transceptor, ou seja, a unidade base possui um circuito transmissor e um receptor, e a unidade móvel também possui um circuito transmissor e um receptor.

O circuito receptor da unidade móvel está preparado para receber o sinal emitido pelo circuito transmissor da unidade base e, o circuito receptor da unidade base está preparado para receber o sinal emitido pelo transmissor da unidade móvel.

Para a conversação ou para a discagem, o usuário lança mão da unidade móvel, que pode ser deslocada dentro de uma área correspondente à um raio de 30 metros (em média, sujeito à variações).

Como não existem fios ligando a unidade móvel à linha telefônica, surge aqui uma pergunta: Como chega à unidade móvel o sinal de áudio ou o sinal correspondente ao tom que estão presentes na linha telefônica? A resposta a esta indagação pode ser entendida observando-se o diagrama mostrado na Figura 1.

FIG. 1 A

O sinal de áudio ou o sinal de tom de linha, presente na linha telefônica, são aplicados nos circuitos do transmissor da unidade base, onde passam a modular em freqüência, um sinal de radiofreqüência (portadora), gerado por um circuito oscilador.

O sinal de radiofreqüência modulado pelo sinal de áudio, ou então pelo sinal de tom de linha, depois devidamente amplificado, é irradiado pelo circuito de antena em formas de ondas eletromagnéticas.

A potência irradiada possibilita as ondas eletromagnéticas, atingirem uma distância de até trinta metros aproximadamente.

As ondas eletromagnéticas transmitidas pela unidade base, serão captadas pela antena do circuito receptor da unidade móvel, convertendo-se assim, novamente em sinal elétrico (sinal de radiofreqüência modulado pelo sinal de áudio ou tom de linha).

Nos circuitos do receptor da unidade móvel, o sinal de radiofreqüência sofre os processos de conversão de freqüência, de amplificação e de demodulação, resultando no sinal de áudio ou o sinal de tom de linha, que são convertidos em som pelo fone.

Já se sabe como o sinal de áudio ou o sinal de tom de linha chega até a unidade móvel. À esta altura da explanação, cabe uma outra pergunta: Como o sinal de áudio, correspondente à voz do usuário, presente na unidade móvel, chega até a linha telefônica ?

Pode-se imaginar que se trata de um processo semelhante ao que acaba de ser descrito. A observação do diagrama da Figura 2 ajudará a entender melhor o assunto.

FIG. 2 A

(Parte 2 de 7)

Comentários