INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

(Parte 5 de 7)

Quando a chave SW1 (Talk, Stand By, Off), está na posição Stand By ou Talk, os circuitos do receptor ficam alimentados. Os circuitos do amplificador de RF (Q1), do conversor (Q2) e do oscilador local (Q3), recebe alimentação através do resistor R14. O circuito integrado IC1 recebe alimentação no seu pino 4 através de R19.

A saída de áudio, da qual faz parte o transistor Q4, se encarrega de fornecer o sinal de áudio com nível adequado para acionar o fone de ouvido. A transferência de sinal do emissor de Q4 para o fone de ouvido é efetuada pelo capacitor C30.

Como se pode ver no esquema, a alimentação do circuito de saída de áudio é estabelecida somente quando a chave SW1 está na posição "Talk", pois desta forma, o resistor R33 que polariza a base do transistor Q8, tem uma das suas extremidades aterradas, fazendo com que este transistor venha a conduzir e passe a alimentar a saída de áudio, bem como outros circuitos que serão vistos posteriormente.

O sinal da campainha ou então o sinal de Page, podem se apresentar no pino 9 do IC1. Estes sinais seguem um caminho diferente daquele seguido pelo sinal de áudio.

Através do resistor R17 e do capacitor C25, os referidos sinais chegam até um filtro, passa banda que está em paralelo com o circuito inversor.

A ação em conjunto do filtro passa banda com o circuito inversor, possibilita atenuar o sinal de áudio, para evitar que o mesmo possa acionar o transdutor de cristal e assim produzir ruídos desagradáveis.

O filtro passa banda é constituído pelos resistores R20, R21, R22, e pelos capacitores C26, C27 e C 28.

Quanto ao circuito inversor, pode-se dizer que faz parte do IC3 e possui a sua entrada no pino 1 e a saída no pino 2 deste circuito integrado.

Este circuito inversor é também amplificador, cujo ganho pode ser reduzido, através de uma realimentação negativa. Sendo assim, haverá uma redução de ganho no amplificador, somente para o sinal de áudio, pois o filtro passa banda propicia uma realimentação negativa, graças à baixa impedância do mesmo para o referido sinal. Quanto ao sinal do page, ou da campainha, estes praticamente não sofrem o efeito da realimentação negativa, sendo então amplificados pelo circuito inversor.

Após passar pelo circuito inversor, o sinal do page ou da campainha chegam à entrada de outro circuito inversor, através do capacitor C52 e do resistor R51. Este outro circuito inversor também faz parte do IC3 e tem a sua entrada no pino 3 e saída no pino 4 deste circuito integrado.

Do pino 4 do IC3, o sinal do page ou da campainha são transferidos para o pino 5 de IC3 através do resistor R53. O pino 5 deste circuito integrado é à entrada de outro circuito inversor, sendo que a saída se acha no pino 6.

Através do resistor R54 os referidos sinais são transferidos do pino 6 do IC3 para a base do transistor Q9.

O transistor Q9 faz parte do amplificador de saída do sinal do page ou da campainha. Este circuito proporciona a amplificação suficiente para que os referidos sinais possam acionar o transdutor de cristal.

Quando a chave da unidade móvel está na posição talk, é aplicado tensão no pino 5 do IC3 através do diodo D6. Este nível alto no pino 5 faz com que o nível no pino 6 deste circuito integrado fique baixo, cortando o transistor Q9, garantindo assim que nenhum barulho seja produzido no transdutor de cristal (ressonador) durante a reprodução do sinal de áudio pelo fone de ouvido.

Quando a chave da unidade móvel está na posição stand by e, não havendo sinal do page ou da campainha, o transistor Q10 fica em corte, pois não tem polarização de base.

O transistor Q10 em corte determina nível alto no pino 5 do IC3 e em conseqüência, nível baixo no pino 6 do mesmo circuito integrado, determinando o corte do transistor Q9 e garantindo silêncio no transdutor de cristal (ressonador).

Ao aparecer o sinal do page ou da campainha, estes, além de serem aplicados no pino 5 do IC3, são aplicados também num circuito retificador, através do capacitor C53.

Este circuito retificador é constituído pelos diodos D8 e D9. A tensão retificada, depois de filtrada pelo capacitor C54, é aplicada na base de Q10 levando-o à saturação.

O transistor Q10 saturado determina nível baixo no pino 5 do IC3 e em conseqüência, nível alto no pino 6, o que garante o funcionamento do transistor Q9 e a conseqüente reprodução, pelo transdutor de cristal (ressonador), do sinal page ou da campainha.

O sinal de áudio é gerado por um microfone de eletreto de dois terminais.

Como este microfone possui um amplificador interno, ele necessita de um resistor de carga externo o que é conseguido por meio do R44.

O sinal do microfone chega até o pino 1 do IC3 através do capacitor C50. Este pino 1 constitui a entrada de um inversor, cuja saída está no pino 10. Deste pino, o sinal de áudio é transferido para o pino 9 do mesmo circuito integrado, passando pelo resistor R41.

O pino 9 deste Cl faz parte de outro inversor, cuja saída está no pino 8. Estes dois inversores propiciam a amplificação adequada ao sinal de áudio, para que possa ser aplicado no modulador.

O diodo varicap D4 faz parte do circuito oscilador encarregado de gerar a portadora do transmissor

O sinal de áudio presente no pino 8 do IC3 é aplicado no cátodo do diodo varicap D4, através do capacitor C44 do resistor R39. Como no cátodo deste diodo está presente o sinal de áudio, há uma variação de capacidade do mesmo de acordo com o citado sinal. Isto implica na variação da freqüência da portadora. Este efeito é chamado de Modulação em Freqüência.

O elemento ativo do oscilador gerador da portadora é o transistor Q7. Fazendo parte também deste circuito encontra-se o cristal CF7, encarregado de determinar a freqüência da portadora.

A freqüência deste cristal, para o aparelho que opera no canal 5, é de 16.625 kHz (16,625 MHz). Para um aparelho que opera em outro canal a freqüência é diferente.

A tabela exibida à seguir, mostra as freqüências do citado cristal para os 10 canais utilizados no sistema de telefonia.

A bobina T9 que também faz parte do circuito oscilador permite obter o máximo de amplitude de sinal, através do ajuste de seu núcleo.

AMPLIFICADOR DE RF DA 3ª HARMÔNICA

O sinal de RF, gerado pelo oscilador e que está presente no emissor de transistor Q7 é transferido para a base do transistor Q6, através do capacitor C64.

O transistor Q6 que faz parte de um circuito amplificador tem como carga de coletor a bobina T8, que forma com o capacitor C61, um circuito ressonante paralelo, sintonizado na 3ª harmônica do sinal do oscilador. Assim se o aparelho opera no canal 5, esta freqüência é de 49875 kHz (16625 x 3 = 49875), (vide tabela).

Pode-se concluir desta forma, que o sinal presente na saída do circuito do transistor Q6, é o sinal da portadora da unidade móvel e, que para o caso do canal 5, é de -5575 kHz (49,875 MHz). Este sinal é aplicado na base do transistor Q5, através do capacitor C34.

O transistor Q5 faz parte de um circuito amplificador de RF, encarregado de propiciar o nível adequado de potência para a irradiação da portadora.

O acoplamento entre o coletor de Q5 e o circuito de antena é conseguido pelo transformador T7, cujo secundário, constitui um circuito ressonante, sintonizado na freqüência da portadora.

Como se pode ver pelo esquema, a alimentação dos circuitos de áudio (Q4) do microfone, bem como dos circuitos do transmissor, é efetuada através do transistor Q8. Portanto, para que estes circuitos fiquem alimentados, é necessário que a chave SW1 esteja colocada na posição Talk.

O transistor Q11 que é o elemento ativo deste oscilador tem como carga de coletor o resistor R46

O oscilador do sinal piloto é encarregado de gerar um sinal de aproximadamente 5 kHz que, juntamente com o sinal de áudio, modulam a portadora do transmissor da unidade móvel. Trata-se de um oscilador por desvio de fase, que gera um sinal senoidal. A freqüência deste sinal pode ser variada através do trimpot VR1. O sinal piloto, presente no coletor do transistor Q11, é aplicado no trimpot VR2 através do capacitor

C70. O citado trimpot, permite um ajuste adequado de amplitude para o sinal piloto.

Do terminal do cursor do trimpot VR2, o sinal piloto é transferido para o ânodo do diodo varicap, através do resistor R45 e do capacitor C40.

O sinal piloto, presente no ânodo do diodo varicap, provoca variações na sua capacidade e, em conseqüência, na freqüência do oscilador gerador da portadora.

A alimentação deste oscilador é efetuada através do transistor Q8 e do resistor R 59. Isto significa que o seu funcionamento só acontece quando a chave SW1 está na posição talk.

A discagem, tanto no modo pulse quanto no modo tone, é propiciada pelo circuito integrado IC2. Este Cl é encarregado ainda de proceder a rediscagem, ou seja, memorizar o último número discado e liberá-lo quando a tecla "redial" for apertada.

A alimentação deste circuito integrado é feita no pino 10 através do diodo D15. Entre os pinos 8 e 9 do IC2 encontra-se o cristal CF6 de 3,58 MHz encarregado de gerar um sinal para que o circuito integrado possa exercer suas funções.

A chave SW2 permite escolher os modos de discagem: tone ou pulse. Com a chave na posição tone, o pino 7 do IC2 fica ligado na massa e, com a chave na posição pulse, o pino 7 fica desligado da massa.

Estando a chave SW2 na posição pulse ao se apertar uma das teclas, um trem de pulsos com forma quadrada, se apresenta no pino 14 do IC2.

Como este pino está ligado ao coletor de Q11, através do diodo D1, este trem de pulsos irá interromper o sinal piloto, uma ou diversas vezes, dependendo da tecla acionada.

Ao se apertar a tecla nº. 1, o pino 15 do IC2 fica ligado com o pino 1. Assim no pino 14 do mesmo circuito integrado, surge um pulso negativo com forma quadrada e com duração de aproximadamente 66ms.

Este pulso determina um nível baixo de tensão no pino 14 e também no coletor de Q11, cortando assim o sinal piloto durante a duração do pulso.

O acionamento da tecla correspondente ao dígito 2, permite ligar o pino 16 com o pino 1. Assim, no pino 14 surgem dois pulsos negativos com forma quadrada, com duração de 6 ms aproximadamente cada um e com um intervalo entre eles de aproximadamente 3 ms. Desta forma, o sinal piloto é interrompido duas vezes.

Não cabe aqui tecer considerações detalhadas sobre o que acontece quando se aperta as outras teclas, pois se trata de dedução lógica, convém lembrar, porém, que estas interrupções do sinal piloto são responsáveis pelas aberturas correspondentes do relê da unidade base, constituindo-se assim no sinal de discagem.

Estando a chave SW2 na posição "tone", ao se apertar uma das teclas, um par de freqüências sai pelo pino 12 do IC2 e chega ao pino 9 do IC3, através do capacitor C48 e do resistor R42.

(Parte 5 de 7)

Comentários