INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

(Parte 6 de 7)

Este par de freqüências passa pelo circuito inversor, cuja entrada está presente no pino 9, e chega até no cátodo do diodo varicap D4 através do capacitor C44 e do resistor R39, passando assim, a modular a portadora do transmissor. Recomenda-se aqui, rever o assunto sobre discagem multifrequencial, analisada na parte sobre telefonia básica.

Os circuitos do receptor da unidade base, são idênticos aos circuitos do receptor da unidade móvel, o que dispensa o detalhamento dos mesmos.

Cabe apenas fazer alguns comentários sobre as freqüências envolvidas, uma vez que são diferentes.

Os circuitos ressonantes de T101, T102 e T 104 estão sintonizados na freqüência da portadora da unidade móvel. Se o aparelho opera no canal 5, esta freqüência é de 49875 kHz (49,875 MHz) (vide tabela já apresentada).

O circuito oscilador local do qual faz parte o transistor Q5, gera um sinal cuja freqüência e 10,7 MHz abaixo da freqüência da portadora do transmissor da unidade móvel.

Assim, se o aparelho opera no canal 5, esta freqüência é de 39175 kHz (39,175 MHz).

Sendo assim, o cristal utilizado neste oscilador, deve ter esta freqüência e o circuito ressonante do transformador T103 deve estar sintonizado nesta freqüência.

No circuito conversor, do qual faz parte o transistor Q2, ocorre o batimento entre o sinal da portadora da base (49875 kHz) e o sinal do oscilador local (39175 kHz) dando como resultado a Fl de 10,7 MHz (49875 - 39175 = 10700).

FIG. 6

No pino 9 do IC1 encontra-se o sinal de áudio e também o sinal piloto, que seguem caminhos diferentes. O sinal de áudio presente no pino 9 do IC1 é levado até um filtro passa banda, através do resistor R17 e do capacitor C78. Este filtro é constituído pelos resistores R71, R72, R73 e pelos capacitores C75, C76 e C77. A função deste filtro passa banda é atenuar o sinal piloto em relação ao sinal de áudio. Depois de passar pelo filtro passa banda, o sinal de áudio é aplicado no pino 10 do IC1, onde se localiza a entrada de um pré-amplificador. Este circuito tem a sua saída ligada ao pino 1 do mesmo circuito integrado, assim o sinal de áudio presente neste pino, é levado até outro filtro passa banda que propicia uma nova atenuação do sinal piloto em relação ao sinal de áudio. Este filtro passa banda é constituído pelos resistores R14, R15, R16 e pelos capacitores C20, C21 e C22. Na saída deste filtro temos sinal de áudio, praticamente livre do sinal piloto, que é então aplicado na base do transistor Q3 através do trimpot VR1 e do capacitor C23. A função do trimpot VR1 é permitir um ajuste de nível para o sinal de áudio que é aplicado na linha telefônica. O transistor Q3 faz parte de um circuito amplificador, encarregado de excitar a base do transistor Q4, através de um acoplamento direto. Por seu turno, o transistor Q4 amplifica o sinal de áudio à um nível suficiente para aplicar na linha telefônica através do transformador de linha T1.

A freqüência deste sinal deve ser igual à freqüência do sinal piloto que entra no pino 3 do mesmo Cl

O sinal piloto, presente no pino 9 do IC1 é aplicado no pino 3 do IC2 através do resistor R13 e do capacitor C19. O circuito integrado IC2 é do tipo PLL (phase locked loop), ele possui um oscilador, cujo sinal está presente no pino 5. Isso justifica a presença do trimpot VR2 que permite ajustar a freqüência do citado oscilador. Quando o sinal piloto chega ao pino 3 do IC2 a sua fase é comparada com a fase do oscilador interno do Cl, havendo coincidência, há uma alteração de nível alto para baixo no pino 8 do mesmo circuito integrado.

Este nível baixo é levado até os pinos 12 e 13 do IC5 através dos resistores R90 e R33. Os pinos 12 e 13 do IC5 constituem as duas entradas de uma porta "nor", como está interligadas, esta porta passa a atuar como um inversor.

O nível baixo aplicado nos pinos 12 e 13 do 1C5 fazem o pino 1 do mesmo Cl ficar com nível alto, pois este pino é à saída do inversor. Através dos resistores R35 e R36, este nível alto é levado até os pinos 1 e 2 do IC5, que constituem a entrada do outro inversor. Assim, no pino 3 do mesmo Cl, que é a saída deste outro inversor, tem-se nível baixo. Este nível baixo é aplicado na base do transistor Q6, através do resistor R38, levando-o a saturação. O transistor Q6 saturado leva alimentação à bobina do relê, o que provoca o fechamento da chave deste relê, colocando assim, o secundário do transformador Tl na linha telefônica.

O transistor Q6 alimenta também o LED IN USE e os circuitos de áudio onde se encontra os transistores Q3 e Q4.

Através do diodo D11, a tensão do coletor do transistor Q6 é aplicada no pino 9 do IC4, este pino constitui a entrada de um inversor. Sendo assim, na saída deste inversor pino 8 do mesmo Cl, tem-se nível baixo que é levado até a base do transistor Q9, através dos resistores R53, R49 e R48.

O nível baixo presente na base do transistor Q9, leva-o à saturação, permitindo assim, a alimentação dos circuitos do transmissor, dos quais fazem parte os transistores Q10 eQ11.

Fazendo um resumo da ação do sinal piloto, pode-se dizer que, na ausência do mesmo, ficam alimentados apenas os seguintes circuitos: os circuitos do receptor, todos os circuitos integrados e também o amplificador de saída de RF do transmissor. Já na presença do sinal piloto, além dos circuitos citados, passa a ser alimentados os seguintes circuitos: amplificadores de áudio (Q3 e Q4), bobina do relê, led in use e transmissor (Q10 e Q11).

pelo resistor R25, isto provoca o acendimento do referido led, indicando que a bateria está se carregando

Quando se coloca a unidade móvel sobre a base, no seu local apropriado, a fonte de alimentação da base passa a carregar a bateria da unidade móvel. A corrente de carga passa pelo diodo led "charge" e

A queda de tensão presente no led somada com a queda de tensão presente no resistor R25 determina uma diferença de potencial suficiente para fazer conduzir os diodos D1 e D2. Desta forma, o capacitor C30 fica com um de seus terminais ligados na massa através do diodo D1, sendo assim, este capacitor desvia para massa o sinal piloto.

A ausência do sinal piloto no pino 3 do IC2 faz subir a tensão no pino 8 do mesmo para aproximadamente 8 v. Este nível alto chega até a base do transistor Q6, passando por 2 inversores já mencionados. O nível alto na base do transistor Q6, faz com que o mesmo entre em corte e deixe de alimentar a bobina do relê, o led in use, os circuitos 29 áudio (Q3 e Q4) e os circuitos do transmissor (Q10 e Q11).

Convém salientar que todas as vezes que faltar sinal piloto no pino 3 do 1C2, o transistor Q6 deixa de alimentar os mencionados circuitos. Desta forma, as interrupções momentâneas do sinal piloto, durante a discagem, provocam interrupções de corrente na bobina do relê, fazendo com que o mesmo abra e feche a sua chave, gerando assim o sinal de discagem decádico, da forma como já foi explicado.

O sinal de áudio, presente na linha telefônica e que corresponde à voz da pessoa que esta no outro telefone, provoca variações na corrente da linha e, evidentemente, no enrolamento do transformadorT1, que está ligado na linha. Sendo assim, este enrolamento funciona como primário e transfere por indução, o sinal de áudio para o outro enrolamento que, neste caso/funciona como secundário.

O sinal de áudio, presente neste último enrolamento (secundário), é aplicado no trimpot VR3. Convém lembrar que o transformador T1 funciona como uma pista de mão dupla, ou seja, quando o sinal de áudio é aplicado na linha telefônica pelos circuitos de áudio (Q3 e Q4), o enrolamento do transformador T1 que possui o center tape (tomada central) funciona como primário e o outro como secundário, por outro lado, a transferência do sinal de áudio da linha telefônica para o transmissor faz os enrolamentos do transformador T1 inverterem as suas funções, o que antes era primário passa a ser secundário e o que era secundário passa a ser primário.

O trimpot VR3 permite ajustar o nível do sinal de áudio que modula a portadora do transmissor. O sinal de áudio, presente no terminal do cursor do trimpot VR3, chega até o circuito modulador, mais precisamente, no cátodo do diodo varicap D10, passando antes por dois circuitos inversores, pelos resistores R70, R63 e R62 e pelos capacitores C73eC66.

Os circuitos inversores citados fazem parte do IC4, um tem a entrada no pino 1 e saída no pino 10 e o outro tem a entrada no pino 13 e saída no pino 12.

Os circuitos do transmissor da unidade base, são idênticos aos circuitos do transmissor da unidade móvel, o que dispensa o detalhamento dos mesmos.

Convém apenas fazer algumas considerações com relação às freqüências: se o aparelho opera no canal 5, a freqüência do cristal que faz parte do oscilador-modulador deve ser de aproximadamente 15577 kHz, o que propicia uma terceira harmônica de 46730 kHz que é a freqüência da portadora da unidade base para o canal 5. A tabela apresentada a seguir mostra as freqüências para os cristais utilizados no transmissor da unidade base para os 10 canais do sistema de telefonia.

Quando se fala no microfone da unidade móvel, ouve-se no fone do mesmo, a própria voz. Isto acontece porque o transmissor da unidade base envia de volta o sinal de áudio gerado na unidade móvel, conforme se vê a seguir.

Já se sabe que o sinal de áudio, proveniente da unidade móvel é aplicado na linha telefônica através do transformador T1. A corrente de emissor do transistor Q4 passa por uma parte do enrolamento primário do transformador T1 e pelo resistor R41.

Como esta corrente contém variações correspondentes ao sinal de áudio, produz no citado enrolamento um campo magnético variável, que induz tensão no secundário e, que por seu turno aplica esta tensão alternada na linha telefônica.

Esta tensão alternada é o sinal de áudio gerado na unidade móvel. O campo magnético variável, gerado numa parte do enrolamento primário, a parte que se situa entre o resistor R41 e o emissor de Q4, além de induzir tensão no secundário, induz tensão também na outra parte do primário, aquela compreendida entre o resistor R41 e o trimpot VR3. Esta tensão induzida é o sinal de áudio gerado na unidade móvel e que chega nos circuitos do transmissor, da mesma forma que o sinal retirado da linha telefônica.

Fica fácil entender assim, como o sinal gerado na unidade móvel, além de ser aplicado na linha, volta para a própria unidade móvel, sendo então reproduzido no fone de ouvido.

Quando se deseja localizar a unidade móvel, deixada em algum lugar desconhecido, basta apertar a tecla “page” da unidade base e imediatamente se ouve um apito proveniente da unidade móvel, o que auxilia na sua localização.

Já se sabe como o sinal do “page” é processado e reproduzido na unidade móvel, porém, não se sabe ainda como o mesmo é produzido e transmitido pela unidade base.

Ao se apertar o botão do “page”, a chave “call” é fechada, determinando um nível baixo no pino 9 do

IC5, que constitui uma das entradas de uma porta lógica “nor”, a outra entrada desta porta está no pino 8 e a saída no pino 10. Esta porta “nor” forma com dois inversores, o circuito oscilador responsável pela geração do sinal do “page”.

Um destes inversores situa-se entre os pinos 3 e 4 do IC4 e o outro, entre os pinos 5 e 6. A constante do tempo do oscilador é determinada pelo resistor R68 e pelo capacitor C72.

O nível baixo, determinado pela chave "call" no pino 9 do IC5, faz o circuito entrar em oscilação. O sinal gerado por este oscilador é aplicado no pino 13 do IC4, através do resistor R67 e do capacitor

C71. A partir daí, o sinal percorrido pelo sinal do page já é conhecido, pois é o mesmo percorrido pelo sinal de áudio e já foi devidamente abordado.

Para que a unidade móvel possa responder ao page, é necessário que a sua chave esteja na posição stand by. Sendo assim os circuitos do transmissor da unidade bases estão sem alimentação.

Por isso, ao se apertar a tecla "page", a chave call é fechada, levando polarização à base do transistor Q9. Com isto, o referido transistor conduz e passa a alimentar os circuitos do transmissor.

Um dispositivo fotoacoplador, mais precisamente a parte correspondente ao diodo emissor de luz (led), está permanentemente ligado à linha telefônica através do capacitor C64 e do resistor R52.

Quando chega o sinal da campainha, o led do dispositivo fotoacoplador passa a emitir luz, levando o fototransístor à saturação. O fototransístor, juntamente com o led, forma o dispositivo fotoacoplador.

O fototransístor saturado determina um nível baixo no pino 5 do IC5. Este pino constitui a entrada de uma porta lógica "nor", a outra entrada desta porta está no pino 6 e a saída está no pino 4. Esta porta nor, forma com um inversor, um circuito oscilador. O circuito inversor que acaba de ser citado faz parte do IC4 e tem sua entrada no pino 1 e saída no pino 2. O capacitor C68 e o resistor R64 determinam a constante de tempo deste oscilador.

O nível baixo presente no pino 5 do IC5 faz o circuito entrar em oscilação. O sinal deste oscilador é levado até o pino 9 do IC4, através do resistor R65. Este pino é a entrada de um inversor e a saída do mesmo está no pino 8.

Através dos resistores R53 e R61, o sinal presente no pino 8 do IC4, é levado até outro circuito oscilador, mais precisamente, é aplicado no pino 9 do IC5. Este outro circuito oscilador, é de freqüência mais alta e, é o mesmo que gera o sinal do "page". Assim, o sinal deste último, fica modulado pelo sinal que é aplicado no pino 9 no IC5, proveniente do primeiro oscilador.

O sinal resultante é levado até o pino 13 do IC4 através do resistor R67 e do capacitor C71, ou seja, passa a fazer o mesmo caminho do sinal "page".

Convém salientar que a unidade móvel só responde ao sinal da campainha, se a sua chave funções estiver na posição stand by. Sendo assim, os circuitos do transmissor da unidade base estão sem alimentação.

Nesta situação, a unidade móvel não envia o sinal piloto. Portanto, durante o sinal da campainha é necessário restabelecer a alimentação dos circuitos do transmissor. Isto é conseguido da seguinte forma: o sinal presente no pino E -z IC4 é que é levado até o pino 9 do IC5, é levado também até a base do transistor Q9, através dos resistores R53, R49 e R48. Este sinal presente na base do transistor Q9 leva o mesmo à condução, que por seu lado, passa a alimentar os circuitos do transmissor (Q10 e Q11).

A fonte de alimentação do telefone PHC 702 é bastante simples, como se pode ver pelo esquema. O transformador T2 permite abaixar a tensão de 110 v para 9 v + 9 V. Os diodos D6 e D7 fazem parte do circuito retificador e o capacitor eletrolítico C47 propicia a filtragem.

(Parte 6 de 7)

Comentários