INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

(Parte 7 de 7)

O transistor Q7 funciona como regulador e a tensão de referência é fornecida pelo diodo zener D8 com

Vz = 9,5 volts. Uma filtragem adicional é proporcionada pelo capacitor eletrolítico C50 de 470 UE Na saída da fonte, temos uma tensão estabilizada de 9 volts.

PESQUISA DE DEFEITOS NO PHC 702

Um componente com defeito no telefone sem fio, pode ser facilmente encontrado desde que haja uma pesquisa correta, levando-se em consideração as informações sobre os circuitos do aparelho.

Algumas situações de defeitos serão apresentadas, acompanhadas de informações sobre as pesquisas que deverão ser feitas para se encontrar a peça defeituosa.

DEFEITO - 1

Esta situação dá uma indicação muito forte de que o transmissor da unidade base não está funcionando, pois o ruído no fone da unidade móvel denota falta de portadora nos circuitos de seu receptor e ainda, o fato do led (in use), estar apagado, vem confirmar a idéia de que os circuitos do transmissor da base estão sem alimentação. Diante disto, algumas verificações devem ser feitas. Os fluxogramas apresentados juntamente com estas informações, ajudam esclarecer melhor o assunto.

Primeiramente, é bom verificar com osciloscópio, na unidade base à presença do sinal piloto no pino 3 do IC2, cuja amplitude deve situar-se em torno de 500 mv.

Na ausência deste sinal, deve-se verificar se o mesmo está presente no pino 9 do IC1. Caso também se constate a ausência do sinal piloto, deve-se verificar presença do sinal de 10,7 MHz no pino 16 do IC1. A sua presença indica que o IC1 pode estar com defeito ou sem alimentação, ou ainda, pode ser que algum componente ligado ao circuito integrado, esteja avariado.

Convém salientar também, que o sinal piloto pode não estar sendo gerado na unidade móvel, neste caso, chega no pino 9 do IC1 apenas o sinal de áudio, evidentemente quando se produz som diante do microfone. A presença do sinal piloto no pino 9 do IC1 e a ausência do mesmo, do pino 3 do IC2 pode ser ocasionada pelos diodos D1 ou D2 em curto. Às vezes, uma fuga nestes diodos provoca a atenuação do sinal piloto no pino 3. Com amplitude insuficiente do sinal piloto, no pino 3, o IC2 não consegue abaixar o nível da tensão no pino 8.

Fluxograma unidade móvel

No caso de se encontrar o sinal piloto no pino 3 do IC2, o passo seguinte consiste em verificar o sinal de 5 kHz no pino 5 do 1C2.

Constatando-se a presença do mesmo deve-se verificar a tensão no pino 8 do IC2. Se esta tensão estiver em nível alto, aproximadamente 8 volts, procuram-se ajustar o trimpot VR2 até o nível abaixar (próximo de zero) e, aí então, toda a situação deve se normalizar.

Caso contrário, se o nível continuar alto deve-se substituir o IC2. Para saber se o defeito reside apenas no IC2, basta aterrar o pino 8 do mesmo, se com isso, o led (in use) acender, se o relê for acionado e se os circuitos do transmissor forem alimentados, significa que o defeito está apenas no IC2.

Havendo nível baixo no pino 8 do IC2, nos pinos 12 e 13 do IC5 o nível deve continuar baixo e, no pino 1 do mesmo Cl, o nível deve estar alto.

Alto também, deve estar nos pinos 1 e 2 do IC5 e em conseqüência o pino 3 deve estar baixo. Se estes níveis não estiverem corretos, deve-se substituir o IC5.

Constatado nível baixo no pino 3 do IC5, deve haver tensão alta (aproximadamente 8 v) no coletor do transistor Q6.

Não havendo esta tensão, devem se verificar o transistor Q6, suas ligações ou peças que possam afetar o seu funcionamento.

DEFEITO - 2

Inicialmente é aconselhável a verificação do sinal do "page" no pino 9 do IC1 da unidade móvel.

Havendo o referido sinal deve-se verificar a sua presença ao longo de todo caminho até chegar ao ressonador. Portanto, os circuitos inversores do IC3, que fazem parte deste caminho e, o transistor Q9 pode ser responsável pelo defeito.

O circuito do transistor Q10 também pode ser responsável pelo defeito, uma vez que o mesmo é utilizado para determinar o nível correio (alto ou baixo) no pino 5 do IC3.

Não havendo sinal do "page" no pino 9 do IC1, deve-se verificar se tem sinal de 10,7 MHz no pino 16 do IC1 da unidade móvel.

A presença do referido sinal no pino 16 do IC1, indica que o circuito integrado IC1 pode estar avariado, ou então, o defeito pode estar em algum componente ligado ao citado Cl.

Existe também a possibilidade do sinal do "page" não estar sendo transmitido pela unidade base. Não havendo o sinal de 10,7 MHz no pino 16 do IC1, devem-se verificar os estágios do amplificador de RF, do conversor e do oscilador (Q1, Q2 e Q3).

Não se deve esquecer a possibilidade do sinal da portadora da base não estar sendo irradiado pela unidade base.

Conforme foi citado linhas atrás, não havendo sinal do "page" no pino 9 do IC1 da unidade móvel e havendo o sinal de 10,7 MHz no pino 16, pode significar que o sinal page não está sendo transmitido.

Para saber se o sinal do "page" está sendo transmitido pela unidade base deve-se verificar a presença do mesmo no cátodo do diodo varicap D10 da unidade base.

Constatando-se esta presença, tem-se uma indicação muito forte de que o defeito está mesmo na unidade móvel.

Fluxograma unidade base

Não havendo o sinal do "page" no cátodo do diodo varicap D10 da unidade base, deve-se verificar a presença do mesmo no pino 13 do IC4. Em caso afirmativo, é provável que o IC4 esteja avariado ou então, o defeito pode residir num dos resistores (R62 e R63) ou num dos capacitores (C69 e C66), que se situam entre o pino 12 do IC4 e o cátodo do diodo varicap D10.

Não havendo sinal do "page" no pino 13 do IC4 deve-se verificar o capacitor C71, o resistor R67 e o oscilador gerador do page (IC4 e IC5).

Foi citado também linhas atrás, que a ausência do sinal de 10,7 MHz no pino 16 do IC1 da unidade móvel pode significar que a portadora não está sendo irradiada pela unidade base. Para saber se a unidade base está transmitindo, deve-se verificar a presença da portadora da antena da unidade base.

Em caso afirmativo, o defeito deve estar mesmo na unidade móvel. Na ausência de sinal da portadora na antena da unidade base, deve-se verificar os circuitos de Q8, Q9, Q10 e Q11.

DEFEITO - 3

Como o sinal da campainha nada mais é que o sinal do "page" picotado pelo sinal de um outro oscilador, basta apertar o botão do "page", para se ter uma primeira idéia a respeito do problema.

Se a unidade móvel não responder ao acionamento do botão do "page", deve-se fazer a verificação de acordo com o que já foi explicado linhas atrás.

Caso a unidade móvel responda ao acionamento do "page", o passo seguinte consiste em aterrar momentaneamente o pino 5 do IC5 da unidade base, se a campainha tocar, deve-se verificar o acoplador ótico, ou então o resistor R52 e o capacitor C64.

e 2 deste Cl (IC7). Havendo aí o sinal da campainha, significa que o acoplador ótico está com defeito

Para localizar se o defeito está no acoplador ótico, basta verificar o sinal da campainha entre os pinos 1

Não havendo sinal da campainha, nos referidos pinos do Cl, deve-se verificar o estado do resistor R52 e do capacitor C64.

Se ao aterrar o pino 5 do IC5, a campainha não tocar, deve-se verificar os Cls IC4 e IC5 e os resistores R65 e R53.

Fluxograma unidade móvel

(Parte 7 de 7)

Comentários