Telecurso 2000 Química Nível Médio - qui50

Telecurso 2000 Química Nível Médio - qui50

O que vocΠvai aprender

Cumprimos nossa missªo lO que Ø alfabetizaçªo científica fiFenômeno natural fi Substância fi CiŒncia

Nªo dÆ para contar o nœmero de substâncias jÆ sintetizadas e estudadas pelos cientistas, que cada vez mais tŒm certeza de que a disposiçªo dos Ætomos na substância ditam suas propriedades.

O conhecimento sobre as substâncias aumenta as possibilidades de se produzir novos materiais: plÆsticos, vidros, cerâmicas, borrachas, componentes eletrônicos etc. Sem dœvida, os produtos sintetizados nos trazem conforto material. Mas tambØm podem causar problemas. Queremos continuar fabricando esses produtos? Queremos que sua fabricaçªo nªo cause problemas ambientais? Queremos que a natureza seja preservada? Como?

Perguntas como essas, relacionadas com a atuaçªo da química na nossa vida, precisam ser respondidas por todos nós.

O ser humano faz parte da natureza e constantemente a transforma em busca de mais conforto material. Precisamos conhecer os fenômenos naturais e saber como estªo sendo modificados pelo homem, para que possamos formar uma opiniªo e influir conscientemente nas decisıes da sociedade.

lO que Ø alfabetizaçªo em ciŒncia?

Alfabetizaçªo científica Ø o conhecimento de fatos, vocabulÆrios, conceitos, história e filosofia relacionados às ciŒncias. Nªo Ø a matØria especializada que os profissionais da Ærea conhecem. É um conhecimento mais geral, menos preciso, usado pelos meios de comunicaçªo.

Se vocŒ consegue entender os textos sobre ciŒncias com a mesma facilidade com que entende qualquer outro assunto, entªo vocŒ Ø alfabetizado em ciŒncia.

Seria bom jÆ saber

Isto lhe interessa

AULA50

Para ser alfabetizado cientificamente, nªo Ø preciso conhecer todos os termos tØcnicos que os especialistas usam. É preciso entenderentenderentenderentenderentender os fenômenos. Quando vocŒ for prestar um exame de química, procure responder às questıes usando o raciocínio. Nªo Ø preciso utilizar termos tØcnicos. Por exemplo, como vocŒ responderia a esta questªo, apresentada numa prova de vestibular da FUVEST-SP:

Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1

Ferro na forma de palha de aço (palhinha que se usa para lustrar panelas) enferruja mais rapidamente do que na forma de prego. Por quŒ? (FUVEST-SP)

Responda a essa questªo usando palavras do seu dia-a-dia. Em linguagem tØcnica, a resposta seria: Na forma de palha de aço, o ferro apresenta superfície maior do que na forma de prego. Por isso, na palha de aço, hÆ maior contato entre as molØculas de oxigŒnio e os Ætomos de ferro. Portanto, a velocidade da reaçªo entre elas Ø maior.

Veja outros exemplos de questªo de vestibular. O Exercício 2 foi proposto pela Escola de Engenharia MauÆ-SP, e o Exercício 3, pela Faculdade de Engenharia Industrial-SP.

Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2

Cite trŒs propriedades dos metais que permitam diferenciÆ-los das substâncias simples nªo-metÆlicas.

Tente responder com suas palavras. A resposta com vocabulÆrio tØcnico seria: Propriedades dos metais: brilho, boa condutibilidade tØrmica, alta condutividade elØtrica, maleabilidade e ductilidade.

Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3 Dadas as reaçıes exotØrmicas abaixo:

a)a)a)a)a)A (s) + B (g) fi C (g) + D (g) + Q1 b)b)b)b)b)A (s) + B (g) fi C (g) + D (l) + Q2 qual das duas reaçıes libera mais energia? Justifique.

Observaçªo: (s) = sólido (l) = líquido (g) = gÆs

Confunde-se muito alfabetizaçªo científica com utilizaçªo de instrumentos modernos. Muitas pessoas nªo sabem utilizar um caixa automÆtico de banco ou um computador, mas isso nªo quer dizer que sejam analfabetas cientificamente. Afinal, existem atØ mesmo grandes cientistas que nªo tŒm nenhuma familiaridade com computadores.

AULA50

Alfabetizaçªo científicaAlfabetizaçªo científicaAlfabetizaçªo científicaAlfabetizaçªo científicaAlfabetizaçªo científica significa ter noçıes gerais de ciŒncias para entender assuntos variados, incluindo aqueles que nos ajudam a exercer a cidadania conscientemente. Símbolos, fórmulas, nomes de compostos complicados e de funçıes orgânicas, fórmulas e equacionamentos de reaçıes, a distribuiçªo de elØtrons de um Ætomo, nomes de ligaçıes químicas, sªo exemplos de conhecimentos específicos, que interessam somente aos químicos ou a profissionais de Æreas relacionadas com química. Nenhum desses conhecimentos Ø necessÆrio para vocŒ exercer sua cidadania conscientemente.

Para finalizar, se, na próxima vez que tiver um punhado de areia nas mªos, vocŒ conseguir: lexaminar cuidadosamente os grªos e distinguir suas diferentes cores: preto, verde, incolor, marrom etc; lperceber que alguns sªo opacos e outros, transparentes; lobservar que cada um tem uma forma: redonda, ovalada, angular. Se vocŒ puder, ainda, chegar à conclusªo de que os grªos de areia: ltŒm cores diferentes porque cada um vem de uma rocha diferente, de composiçªo diferente; ltŒm formas diferentes porque cada um teve seu próprio processo de formaçªo; lsªo parte de um ciclo que atua no nosso planeta. Entªo, teremos, nós e vocŒ, cumprido nossa missªo.

VocŒ precisa saber lCientificamente alfabetizadoCientificamente alfabetizadoCientificamente alfabetizadoCientificamente alfabetizadoCientificamente alfabetizado significa ser capaz de entender uma notícia ou um texto nªo especializado sobre ciŒncias.

lPrecisamos ter noçıes bÆsicas de ciŒnciasciŒnciasciŒnciasciŒnciasciŒncias para poder influir conscientemente nas decisıes da sociedade e, assim, exercer plenamente a cidadaniacidadaniacidadaniacidadaniacidadania.

lÉ importante saber traduzir para a linguagem comum os fatos e os conceitos científicos. Nªo Ø necessÆrio usar o palavreado tØcnico.

Alfabetizaçªo em ciŒnciasAlfabetizaçªo em ciŒnciasAlfabetizaçªo em ciŒnciasAlfabetizaçªo em ciŒnciasAlfabetizaçªo em ciŒncias requer o conhecimento de fatos, conceitos, vocabulÆrios, história e filosofia das ciŒncias. Contudo, nªo requer conhecimento especializado.

FatosFatosFatosFatosFatos sªo acontecimentos observÆveis, reais. Em Química, Ø preciso conhecer fatos como:

lO ponto de ebuliçªo da Ægua Ø 100o C.

lUma vela se apaga dentro de um copo emborcado. lFerro enferruja. lA massa de óxido de ferro Ø igual à soma das massas de ferro e de oxigŒnio que reagiram. lQuando hÆ passagem de corrente elØtrica por uma soluçªo de sal de cozinha, forma-se hidróxido de sódio. lO petróleo Ø uma mistura de muitas substâncias. lDetergentes dissolvem gorduras. lSal de cozinha se dissolve em Ægua.

Essa Ø apenas uma pequena lista de fatos que vocŒ observou ao longo deste curso.

Vamos pensar mais

AULA50

ConceitosConceitosConceitosConceitosConceitos sªo as idØias que se formam a partir dos fatos. Por meio deles, Ø possível dar explicaçıes.

Por exemplo, por que uma vela se apaga dentro de um copo emborcado?

Sabemos que a chama Ø resultado de uma combustªo que produz calor e luz. Para haver combustªo, Ø necessÆrio ter oxigŒnio, que Ø um dos componentes do ar. O fato que se observa Ø a chama apagar; a explicaçªo desse fato envolve o oxigŒnio do ar. Essa explicaçªo nªo veio do nada. Ela Ø fruto de uma sØrie de experiŒncias e observaçıes cuidadosas. Algumas dessas experiŒncias vocŒ viu nas Aulas 9 e 10.

Outro exemplo: a massa de óxido de ferro Ø igual à soma das massas de ferro e de oxigŒnio que reagiram. A comprovaçªo experimental Ø simples: basta pesar as substâncias. A explicaçªo desse fato envolve o conceito de Ætomo. Os Ætomos nªo se transformam numa reaçªo química. Eles só se ligam de outro jeito. Um Ætomo de oxigŒnio, que estava ligado a outro Ætomo de oxigŒnio, estarÆ ligado a um Ætomo de ferro depois da reaçªo. Mas os Ætomos ainda sªo os mesmos. É por isso que a massa nªo muda. Para chegar a essa explicaçªo, foram necessÆrias muitas observaçıes cuidadosas, pois os Ætomos sªo muito pequenos para serem vistos. Para se fazer entender, Ø preciso usar as palavras certas, Ø preciso ter o vocabulÆriovocabulÆriovocabulÆriovocabulÆriovocabulÆrio adequado. Nªo podemos chamar tudo de “coisa”, temos de ser mais precisos. Mas, para isso, nªo precisamos usar o vocabulÆrio tØcnico ou científico.

Por exemplo, dissemos que o ponto de ebuliçªoponto de ebuliçªoponto de ebuliçªoponto de ebuliçªoponto de ebuliçªo da Ægua Ø 100o C. Mas

poderíamos ter dito, sem erro, que a Ægua fervefervefervefervefervea 100o

C. Os cientistas preferem

Dissemos tambØm que a massamassamassamassamassade óxido de ferro Ø igual à soma dassoma dassoma dassoma dassoma das massasmassasmassasmassasmassas
de ferro e de oxigŒnio. Nesse caso, poderíamos dizer que os regentes pesampesampesampesampesamtanto

usar termos mais precisos, claramente definidos. Contudo, isso só Ø importante na comunicaçªo entre os próprios cientistas. quanto os produtos, jÆ que, para determinar massa, fazemos uma pesagem.

Falamos em hidróxido de sódiohidróxido de sódiohidróxido de sódiohidróxido de sódiohidróxido de sódio. Poderíamos ter usado o nome mais comum dessa substância, soda cÆusticasoda cÆusticasoda cÆusticasoda cÆusticasoda cÆustica. Por outro lado, quando falamos em sal desal desal desal desal de cozinhacozinhacozinhacozinhacozinha, poderíamos ter usado o nome químico, cloreto de sódiocloreto de sódiocloreto de sódiocloreto de sódiocloreto de sódio.

Novamente, esses sªo só alguns exemplos. O que deve ficar claro Ø que o importante Ø entender bem os fenômenos para poder descrevŒ-los ou explicÆ-los com as próprias palavras. Isso Ø muito melhor do que decorar uma sØrie de termos científicos, sem entender nada.

Por que Ø importante conhecer um pouco de história da ciŒnciahistória da ciŒnciahistória da ciŒnciahistória da ciŒnciahistória da ciŒncia? O conhecimento da história permite entender melhor o progresso da sociedade. É preciso perceber como o avanço da ciŒncia modificou a sociedade. VocŒ se lembra das aulas sobre metais, nas quais vimos que as antigas grades de ferro, pesadas e de difícil manutençªo, sªo hoje substituídas por grades de alumínio?

E, finalmente, a filosofiafilosofiafilosofiafilosofiafilosofia. Tentamos passar, ao longo deste curso, a preocupaçªo que os químicos tŒm para com o meio ambiente. Isso nem sempre foi assim. Antigamente havia pouca preocupaçªo com poluiçªo, e mesmo com segurança, tanto por parte dos cientistas como por parte de pessoas comuns. Mas foram ocorrendo mudanças de mentalidade ou de filosofia. A partir de certa Øpoca, a indœstria começou a tratar seus efluentes, para nªo poluir o ar e os rios. Hoje, jÆ se avançou um pouco mais: desenvolvem-se processos que simplesmente nªo causam poluiçªo.

Se vocŒ conhecer um mínimo de fatos de química, puder descrevŒ-los e explicÆ-los com suas próprias palavras, perceber como influem na nossa vida e como a reaçªo da sociedade frente a eles muda ao longo do tempo, vocŒ estarÆ alfabetizado em química. Entªo, poderÆ contribuir para a melhoria da sociedade.

AULA50 oO que Ø ser alfabetizado em ciŒncias. oO que Ø preciso saber para entender textos sobre ciŒncias em jornais e na televisªo.

oQuando devem ser usados os termos tØcnicos e quando sªo suficientes os termos comuns.

oDescrever e explicar, com minhas próprias palavras, cinco fenômenos vistos neste curso.

oQue posso examinar cuidadosamente um material e observar suas características: sua forma, sua cor, se conduz calor ou nªo, se Ø Æspero ou liso, se Ø mole ou duro etc.

DADADADADAREPRESAREPRESAREPRESAREPRESAREPRESA À TORNEIRATORNEIRATORNEIRATORNEIRATORNEIRA

Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4

Dos mananciais, a Ægua corre para os córregos, para os rios e depois para as represas. As barragens, construídas para controlar a “força” da Ægua, a deixam passar para a casa das bombas. Por meio das adutoras, a Ægua chega à estaçªo de tratamento, onde Ø decantada, filtrada e recebe flœor e cloro. O Estado de S.Paulo, 19/1/94O Estado de S.Paulo, 19/1/94O Estado de S.Paulo, 19/1/94O Estado de S.Paulo, 19/1/94O Estado de S.Paulo, 19/1/94 a)a)a)a)a)Como Ø feita a decantaçªo numa estaçªo de tratamento de Ægua? b)b)b)b)b)Para que se adiciona cloro no tratamento da Ægua?

ENGENHEIROENGENHEIROENGENHEIROENGENHEIROENGENHEIROQUERQUERQUERQUERQUER USARUSARUSARUSARUSAR CALORCALORCALORCALORCALOR PARAPARAPARAPARAPARA DESSALINIZARDESSALINIZARDESSALINIZARDESSALINIZARDESSALINIZAR A GUAGUAGUAGUA`GUA

Exercício 5Exercício 5Exercício 5Exercício 5Exercício 5

Segundo o projeto, Ægua salobra dos lençóis freÆticos nordestinos pode tornar-se potÆvel. O Estado de S. PauloO Estado de S. PauloO Estado de S. PauloO Estado de S. PauloO Estado de S. Paulo

Um engenheiro pretende montar um sistema para dessalinizar a Ægua, usando a energia solar como fonte de calor. Quais devem ser as etapas bÆsicas desse processo?

CARROSCARROSCARROSCARROSCARROSFAROFAROFAROFAROFARO RODZIORODZIORODZIORODZIORODZIO PORPORPORPORPOR UMUMUMUMUM DIADIADIADIADIA NONONONONO INVERNOINVERNOINVERNOINVERNOINVERNO

Exercício 6Exercício 6Exercício 6Exercício 6Exercício 6

Secretaria do Meio Ambiente restringirÆ circulaçªo de carros, possivelmente em uma das semanas de agosto, como teste para reduzir a poluiçªo, quando os índices atingirem níveis muito altos na cidade. O Estado de S. Paulo, 2/5/95O Estado de S. Paulo, 2/5/95O Estado de S. Paulo, 2/5/95O Estado de S. Paulo, 2/5/95O Estado de S. Paulo, 2/5/95 a)a)a)a)a)Por que os carros poluem? b)b)b)b)b)Qual Ø o principal poluente emitido pelos carros e como ele afeta nossa saœde?

EFEITOEFEITOEFEITOEFEITOEFEITOESTUFAESTUFAESTUFAESTUFAESTUFA LEVALEVALEVALEVALEVA SIASIASIASIASIA A DECLARARDECLARARDECLARARDECLARARDECLARAR EMERGNCIAEMERGNCIAEMERGNCIAEMERGNCIAEMERG˚NCIA

Exercício 7Exercício 7Exercício 7Exercício 7Exercício 7

Países da regiªo querem reduçªo das emissıes de dióxido de carbono em 20% em 10 anos. O Estado de S. Paulo, 21/2/95 O Estado de S. Paulo, 21/2/95 O Estado de S. Paulo, 21/2/95 O Estado de S. Paulo, 21/2/95 O Estado de S. Paulo, 21/2/95 a)a)a)a)a)O que Ø efeito estufa? b)b)b)b)b)O que o dióxido de carbono tem a ver com o efeito estufa?

Agora eu sei

Vamos exercitar

AULA50

SOBREVIVENTESSOBREVIVENTESSOBREVIVENTESSOBREVIVENTESSOBREVIVENTESCONTAMCONTAMCONTAMCONTAMCONTAM O DRAMADRAMADRAMADRAMADRAMA DADADADADA EXPLOSOEXPLOSOEXPLOSOEXPLOSOEXPLOSˆO

Exercício 8Exercício 8Exercício 8Exercício 8Exercício 8

Moradores do bairro disseram que o estrondo pôde ser ouvido a cinco quarteirıes de distância. O Estado de S. Paulo, 2/4/95O Estado de S. Paulo, 2/4/95O Estado de S. Paulo, 2/4/95O Estado de S. Paulo, 2/4/95O Estado de S. Paulo, 2/4/95

Segundo uma pesquisa, 3% das explosıes sªo provocadas por vazamento de gÆs nos botijıes. a)a)a)a)a)O que Ø o gÆs de cozinha? b)b)b)b)b)Por que a queima do gÆs de cozinha pode provocar explosªo?

CARGACARGACARGACARGACARGAPERIGOSAPERIGOSAPERIGOSAPERIGOSAPERIGOSA, , , , , AMEAAAMEAAAMEAAAMEAAAMEAA SEMSEMSEMSEMSEM CONTROLECONTROLECONTROLECONTROLECONTROLE

Exercício 9Exercício 9Exercício 9Exercício 9Exercício 9

O Estado de S. Paulo, 17/9/87 O Estado de S. Paulo, 17/9/87 O Estado de S. Paulo, 17/9/87 O Estado de S. Paulo, 17/9/87 O Estado de S. Paulo, 17/9/87

Milhares de toneladas de produtos explosivos, corrosivos, gases venenosos, combustíveis líquidos e sólidos que se incendeiam em contato com o ar e outros produtos tambØm altamente perigosos sªo transportados diariamente, sem nenhum controle, pelas estradas paulistas.

a)a)a)a)a)Por que se transportam cargas perigosas? b)b)b)b)b)Como os caminhıes que transportam cargas perigosas devem ser identificados?

CONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOTROCATROCATROCATROCATROCA CONCRETOCONCRETOCONCRETOCONCRETOCONCRETO PORPORPORPORPOR AOAOAOAOA˙O

Exercício 10Exercício 10Exercício 10Exercício 10Exercício 10

Shopping News, 12/2/95 Shopping News, 12/2/95 Shopping News, 12/2/95 Shopping News, 12/2/95 Shopping News, 12/2/95

O Brasil começa a usar com maior intensidade um material velho conhecido nas obras de todo o mundo: o aço. A aplicaçªo de estruturas metÆlicas, atØ aqui, era comum apenas em prØdios industriais, pontes, plataformas de petróleo e torres. Mas...

a)a)a)a)a)O que Ø aço? b)b)b)b)b)Cite uma propriedade do aço que permite usÆ-lo na fabricaçªo de estruturas metÆlicas.

CHUPAVACHUPAVACHUPAVACHUPAVACHUPAVAMELHORALMELHORALMELHORALMELHORALMELHORAL QUANDOQUANDOQUANDOQUANDOQUANDO ERAERAERAERAERA CRIANACRIANACRIANACRIANACRIAN˙A

Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1

Em dado momento, chupava dois ou trŒs comprimidos de Melhoral Infantil só pelo sabor. Shopping News, 14/5/95Shopping News, 14/5/95Shopping News, 14/5/95Shopping News, 14/5/95Shopping News, 14/5/95

Por que Ø perigoso mudar a dose de qualquer medicaçªo por conta própria?

Comentários