Telecurso 2000 - Processos de Fabricação - 76proc

Telecurso 2000 - Processos de Fabricação - 76proc

76 AULA

Na Ærea mecânica e metalœrgica, desempenar Ø a operaçªo de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metÆlicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de construçªo.

O modo de desempenar depende do material e do produto. Se, por exemplo, vocŒ precisa trabalhar com uma barra plana e só dispıe de uma barra empenada, basta desempenÆ-la com uma prensa, se nªo for espessa, ou manualmente, com uma ferramenta de impacto.

desempenamento de uma barra

Nesta aula, vocŒ terÆ noçıes bÆsicas dos tipos e processos de desempenamento e em que situaçıes ele Ø feito.

Aspectos gerais

De modo geral, o desempenamento Ø feito nos seguintes casos: •os produtos semimanufaturados (chapas, barras, perfis, tubos, arames) apresentam deformaçıes causadas pelos processos de fabricaçªo, pelo transporte ou pela mÆ armazenagem;

•as peças apresentam deformaçıes causadas pelas próprias operaçıes de fabricaçªo.

Desempenamento

76 A U L A

Nossa aula

AULASomente se desempenam peças cujos materiais metÆlicos forem plasticamente deformÆveis sob a açªo de forças. É o caso dos aços-carbono, aços

especiais, alumínio, cobre, zinco, chumbo e a grande maioria das ligas desses metais. Por outro lado, ferros fundidos cinzentos geralmente nªo sªo desempenÆveis, pois quebram-se facilmente quando submetidos a esforços de endireitamento.

Tipos de desempenamento

O desempenamento depende da espessura e da natureza do material, pode ser feito a frio ou a quente, em ambos os casos, por processo manual ou mecânico.

No processo manual sªo usadas as seguintes ferramentas: martelos, macetes, marretas, grifas etc. TambØm sªo utilizados dispositivos de fixaçªo (morsas, grampos etc.) e dispositivos de apoio (cepo, encontrador etc.).

No processo mecânico sªo usadas mÆquinas como prensas, calandras, marteletes pneumÆticos etc., cujos dispositivos exercem a força necessÆria ao desempenamento dos materiais.

Dependendo do modo como Ø efetuado, o desempenamento Ø classificado em quatro grupos: •desempenamento por flexªo;

•desempenamento por torçªo;

•desempenamento por estiramento;

•desempenamento por calor (por chama).

O desempenamento efetuado por flexªoflexªoflexªoflexªoflexªo corresponde ao procedimento inverso do dobramento. As forças externas flexoras, atuando no material empenado, fazem com que ele adquira a forma desejada. Por flexªo Ø possível desempenar chapas, barras, perfis e tubos.

No desempenamento por torçªo,torçªo,torçªo,torçªo,torçªo, o material sofre um giro causado pela aplicaçªo de forças de torçªo. Ao aplicar forças de torçªo, o operador deverÆ torcer o material para endireitÆ-lo. Atingindo o ponto de endireitamento, este deverÆ ser ligeiramente ultrapassado. Por quŒ? Porque o material tambØm possui elasticidade e, sofrendo torçªo, tende a recuperar-se elasticamente. A própria recuperaçªo elÆstica traz o material à posiçªo desejada.

Por torçªo, desempenam-se chapas, barras, perfis.

AULAO desempenamento por estiramentoestiramentoestiramentoestiramentoestiramento ocorre pela açªo de forças de traçªo que alongam o material. Alongando-se, a secçªo transversal do material diminui.

Por estiramento, Ø possível desempenar arames, chapas e perfis.

No desempenamento por chamachamachamachamachama utiliza-se, normalmente, a chama de um maçarico oxiacetilŒnico como fonte de calor. O problema que essa tØcnica de desempenamento apresenta Ø saber exatamente qual local do material deverÆ ser aquecido, pois as dilataçıes e contraçıes ocorrerªo inevitavelmente.

Sabemos que todo material metÆlico submetido a um aquecimento experimenta uma dilataçªo (aumento de volume), assim como experimenta uma contraçªo (diminuiçªo de volume) ao ser resfriado.

Por exemplo, se uma barra de aço Ø aquecida lenta e uniformemente ao longo do seu comprimento, ela sofre uma dilataçªo proporcional à elevaçªo da temperatura. Seu comprimento e sua secçªo aumentam com o conseqüente aumento de volume.

O desempenamento por chama deve levar em consideraçªo os fenômenos da dilataçªo e contraçªo para ser bem-sucedido, e a prÆtica Ø fundamental para que os resultados venham a ser os desejados. Lembremos que a experiŒncia Ø o melhor guia na determinaçªo do tamanho da Ærea a ser aquecida.

Em materiais metÆlicos soldados, o calor utilizado para o desempenamento nªo deve ser aplicado no cordªo de solda, mas no lado oposto.

Como desempenar Vejamos, primeiro, como desempenar, manualmente, uma tira abaulada.

Inicialmente, vocŒ deve verificar o grau de empenamento da chapa, usando uma rØgua de controle. A verificaçªo deve ser feita contra a luz.

Posicione, depois, a tira no cepo, previamente limpo.

A martelagem deve ser efetuada do centro da tira para as extremidades, no sentido do comprimento com golpes de mesma intensidade, eqüidistantes entre si e alternadamente: à direita e à esquerda.

AULAApós os golpes julgados necessÆrios, vocŒ deve verificar a planeza da chapa. Se for necessÆrio, repita a martelagem.

De acordo com o tipo de empenamento e do grau de planeza desejado, vocŒ vai usar martelagem radial, paralela ou concŒntrica.

Martelagem radialMartelagem radialMartelagem radialMartelagem radialMartelagem radial Parte-se do centro da saliŒncia para as bordas da chapa. A cada passada, os golpes ficam mais próximos entre si.

Martelagem paralelaMartelagem paralelaMartelagem paralelaMartelagem paralelaMartelagem paralela É feita em linhas paralelas, partindo-se da periferia para o centro da saliŒncia.

A intensidade das pancadas deve ser maior na periferia da saliŒncia e diminuir à medida que se aproxima do centro.

Martelagem concŒntricaMartelagem concŒntricaMartelagem concŒntricaMartelagem concŒntricaMartelagem concŒntrica É efetuada batendo-se o martelo do centro para a periferia da saliŒncia abaulada. As pancadas descrevem trajetórias circulares crescentes.

Este mØtodo Ø recomendado para o desempenamento de chapas com uma œnica saliŒncia abaulada.

Desempenamento por chamaDesempenamento por chamaDesempenamento por chamaDesempenamento por chamaDesempenamento por chama Vamos ver, agora, um exemplo de desempenamento de material metÆlico por chama. Mas, antes dessa operaçªo, vejamos quando se emprega esse processo.

O sistema de desempenamento por chamadesempenamento por chamadesempenamento por chamadesempenamento por chamadesempenamento por chama Ø um mØtodo que se emprega para corrigir deformaçıes que se apresentam principalmente em construçıes soldadas.

Todas as soldas, ao se resfriarem, produzem contraçıes na própria uniªo e no material adjacente. Estas contraçıes causam deformaçıes e ondulaçıes na chapa, mesmo a grandes distâncias do cordªo de solda.

AULAAs deformaçıes podem, tambØm, ser resultado de tensıes tØrmicas, como ao se laminar ou no corte tØrmico. PorØm, na maioria dos casos, a necessidade do desempenamento depende de como a soldagem foi efetuada.

As distorçıes aparecem, especialmente, de forma mais clara, em superfícies pintadas ou esmaltadas.

O desempenamento por chama Ø um mØtodo especialmente cômodo e nªo necessita, normalmente, de outros equipamentos alØm de um maçarico de aquecimento.

O mØtodo baseia-se no princípio do emprego de uma chama, a mais quente possível, de oxigŒnio e acetileno, para se aquecer no menor tempo uma parte limitada da chapa a uma temperatura de, aproximadamente, 600°C, na qual se aumenta consideravelmente a plasticidade do aço. Pelo fato de o material circundante permanecer frio, as partes aquecidas ficam tensionadas, dilatandose. Essa dilataçªo Ø limitada pelas partes frias, nªo atingidas pela chama. Quando a barra resfria, o material se contrai. No desempenamento por chama provocase o resfriamento rÆpido para verificar o resultado obtido. O exemplo abaixo facilita a compreensªo do mecanismo de desempenamento por chama.

76 AULA

Viga "L"

Viga "U"

Procedimentos para o desempenamento por chamaProcedimentos para o desempenamento por chamaProcedimentos para o desempenamento por chamaProcedimentos para o desempenamento por chamaProcedimentos para o desempenamento por chama Veja, a seguir, os procedimentos para o desempenamento de estruturas diversas, conforme o problema apresentado em cada caso.

Viga "I" Viga "T"

AULAVeja se aprendeu. Faça os exercícios e confira suas respostas com as do gabarito.

Marque com X a resposta correta.

Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1

A operaçªo do desempenamento Ø adequada para endireitar: a)a)a)a)a)()chapas, tubos, arames e perfis metÆlicos; b)b)b)b)b)()barras e perfis cerâmicos; c)c)c)c)c)()tubos de concreto; d)d)d)d)d)()barras e chapas de grande espessura e comprimento.

Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2 Os processos de desempenamento podem ser:

a)a)a)a)a) ( ) automÆtico e semi-automÆtico; b)b)b)b)b)()por imersªo ou mergulho; c)c)c)c)c)()por dobragem e forjamento; d)d)d)d)d)()a frio e por chama.

Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3 No desempenamento manual, usa-se, geralmente:

a)a)a)a)a) ( ) esmerilhamento; b)b)b)b)b) ( ) martelagem; c)c)c)c)c) ( ) fresagem; d)d)d)d)d) ( ) corte.

Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4Exercício 4

Para corrigir deformaçıes em construçıes soldadas, Ø adequado o seguinte tipo de desempenamento: a)a)a)a)a) ( ) por chama; b)b)b)b)b) ( ) por induçªo; c)c)c)c)c) ( ) manual; d)d)d)d)d) ( ) martelagem.

Pare! Estude! Responda!

Comentários